terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

RJ torna obrigatória a implantação de compliance nas contratações públicas

Como cenários de crises ensejam grandes oportunidades de mudanças, nota-se que o caminho legislativo orienta para um cenário de alteração estrutural em relação à probidade pública e privada, cumpre aperfeiçoar a prática com uma fiscalização efetiva.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

O Estado do Rio de Janeiro publicou, nesta quarta (18/10/17), a lei 7.753/17, que dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas contratadas pelo poder público deverão formular um Programa de Integridade contra a corrupção nas novas contratações com valores acima de R$ 1,5 milhão para obras e serviços de engenharia e R$ 650 mil para compras e serviços que tenham o prazo do contrato igual ou maior que seis meses.

É de nodal importância que o Estado desenvolva e estimule a criação de aparato instrumental de combate à corrupção. Os programas de integridade (compliance) mostram-se como instrumento bem sucedido na experiência estrangeira (FCPA e Lei Sarbanes-Oxley) para atingir tal desiderato com foco na eficiência e transparência administrativa com as devidas adaptações para o cenário brasileiro.

Destaque-se que não basta a existência formal de um programa de integridade. É preciso que haja efetiva confecção de matriz de risco (risk assentement), treinamento contínuo e mecanismos de fiscalização (por exemplo: canal de denúncia anônima), dentre outros requisitos previstos no art. 4º.

Neste contexto, a certificação de programas de integridade denota o nível de aderência e efetividade deste mecanismo de autorregulação. Contudo, é necessário que haja uma autorregulação regulada, de modo que, seja por meio de certificações privadas ou públicas, haja uma fiscalização com a efetiva responsabilização de agentes que transmudarem o compliance em mero formalismo.

A experiência brasileira já mostrou alguns mecanismos fiscalizatórios não são as melhores formas de aferição de efetividade do compliance, como é o caso de mero preenchimento de formulários sem qualquer aferição da prática empresarial.

Como cenários de crises ensejam grandes oportunidades de mudanças, nota-se que o caminho legislativo orienta para um cenário de alteração estrutural em relação à probidade pública e privada, cumpre aperfeiçoar a prática com uma fiscalização efetiva.

______________

*Thaís Marçal é advogada no escritório Lobo & Ibeas Advogados.

Atualizado em: 1/11/2017 17:16

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Publicidade