domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A busca por eficiência e a adoção de modelo de precedentes

A técnica de utilização de precedentes não só traz maior segurança ao juiz no momento de decidir como também permite que a parte e seus advogados possam refletir melhor sobre as chances de êxito em uma ação ou recurso.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Na entrada do recesso forense deste último ano, o Superior Tribunal de Justiça divulgou em seu site oficial alguns números referentes ao desempenho da Corte quanto ao total de processos julgados no ano de 2017. Nessa publicação,1 há a informação de que o STJ reduziu 11% do acervo de processos, com 362.728 processos julgados (sem contar agravos e embargos de declaração). Essa mesma notícia traz declaração da presidente da Corte, ministra Laurita Vaz, que destaca algumas iniciativas que contribuíram para o aumento da produtividade, como o refinamento da triagem inicial do processo, a implantação da afetação eletrônica de recursos repetitivos, a sensibilização dos entes públicos para maior uso da intimação eletrônica, a integração com tribunais para recebimento eletrônico de dados cadastrais de processos e a adesão do Tribunal de Justiça de São Paulo ao malote digital.

Como se observa por essas colocações, um dos fatores que certamente contribui para a eficiência da prestação jurisdicional e a celeridade processual é a melhora na estrutura dos tribunais, que vai desde o investimento em pessoal até a implantação de recursos eletrônicos. Muito se fala de alterações de leis processuais como forma de desafogar os tribunais dos inúmeros processos que dão entrada a cada dia, mas apesar de essas reformas legislativas de fato serem fundamentais, não se pode esquecer também que é necessário ocorrer conjuntamente o investimento em estrutura para se alcançar metas mais ousadas no que diz respeito à redução de número de processos.

Outro ponto também mencionado pela presidente do STJ diz respeito ao trabalho desenvolvido pela Comissão Gestora de Precedentes, que buscou maior integração com a segunda instância de modo a racionalizar a gestão do sistema de precedentes. Essa Comissão foi criada pela emenda regimental 26, de 13 de dezembro de 2016, e entre suas atribuições destacam-se: (i) controlar e acompanhar os processos sobrestados no STJ; (ii) sugerir medidas para o aperfeiçoamento da formação e da divulgação dos precedentes qualificados; (iii) desenvolver trabalho de inteligência, em conjunto com o CNJ, com os TRFs e com os TJs, para identificação de matérias com potencial de repetitividade ou com relevante questão de direito; (iv) deliberar sobre questões que excedam a esfera de competência administrativa do Núcleo de Gerenciamento de Precedentes - Nugep, além de outras atribuições referentes a casos repetitivos e a incidentes de assunção de competência.

Nesse sentido, a própria criação da Comissão Gestora de Precedentes revela duas frentes quanto ao incentivo em tornar mais eficiente o julgamento de processos pelos tribunais, quais sejam, (i) o investimento em estrutura e (ii) a valorização do uso da técnica de invocar precedentes.

Sobre esse segundo aspecto, o ordenamento jurídico brasileiro tem caminhado em direção a um modelo que confere maior relevância ao direito jurisprudencial, o que ganhou ainda mais destaque com o Código de Processo Civil de 2015. É inegável que esse modelo tende a contribuir para tornar os julgamentos mais céleres e desafogar os tribunais soterrados por uma avalanche de processos. Mas esses efeitos positivos não podem servir de justificativa para a aplicação automática e com fundamentação padronizada de precedentes.

Atento a isso, o legislador procura evitar esse tipo de prática e o art. 489, § 1º, inciso V, do CPC/15, estabelece que não se considera fundamentada qualquer decisão judicial que ''se limitar a invocar precedente ou enunciado de súmula, sem identificar seus fundamentos determinantes nem demonstrar que o caso sob julgamento se ajusta àqueles fundamentos''.

Não cabe ao julgador simplesmente aplicar enunciado de súmula ou precedente sem examinar as circunstâncias que motivaram a tese jurídica desse precedente e sua semelhança com o caso concreto a ser julgado. Se assim o fizesse, estaria encarando o enunciado ou precedente como norma abstrata, sem enfrentar os argumentos trazidos pelas partes e sem analisar a identidade dos contextos litigiosos que permitiria chegar à mesma conclusão para a hipótese em julgamento.

Não é tão simples, como se vê, a tarefa de utilizar o direito jurisprudencial como técnica para julgamento. O CPC/15 trouxe novos desafios ao juiz nesse aspecto, que deverá motivar sua decisão confrontando o precedente com o caso a ser julgado. Mesmo se não entender pela aplicação do enunciado de súmula ou precedente, tem o dever de ''demonstrar a existência de distinção no caso em julgamento ou superação do entendimento'', como prescreve o art. 489, § 1º, inciso VI, do CPC/15.

Nessa perspectiva, a valorização do direito jurisprudencial implica também em uma nova forma de encarar o dever de motivar, de sorte que seria um equívoco imaginar que haveria um abrandamento desse dever.

Essa constatação, porém, não contradiz o que foi dito sobre eficiência e redução do número de processos nos tribunais. A técnica de utilização de precedentes não só traz maior segurança ao juiz no momento de decidir como também permite que a parte e seus advogados possam refletir melhor sobre as chances de êxito em uma ação ou recurso.

Torna-se ainda mais necessário buscar por unidade e integridade do direito quando o legislador opta por utilizar cláusulas gerais e ''conceitos jurídicos indeterminados'', o que é recorrente no ordenamento brasileiro. Sobre essa busca por unidade, Dworkin2 elabora a teoria do ''direito em cadeia'' (The Chain of Law), e faz uma analogia entre a atividade do juiz e a composição de um romance em série escrito por vários romancistas. Assim, cada escritor dessa cadeia interpreta o capítulo que lhe foi dado e em seguida deve escrever outro capítulo em sequência, sempre tendo em vista construir um romance da melhor forma e bem estruturado. Esse é o papel do juiz, a quem cabe interpretar o julgado anterior (precedente) e construir uma decisão coerente e devidamente motivada para que esta também possa servir de base para outra decisão futura.

Portanto, a adoção de um modelo que procura valorizar os precedentes é extremamente válida a proporcionar maior segurança jurídica e eficiência no julgamento, de modo a reduzir o número de processos do acervo dos tribunais. No entanto, não pode ser vista como ''a'' solução, já que é indispensável não apenas reformas legislativas como investimentos em estrutura. Também não pode ser utilizada como forma de abrandar o dever de motivar inerente às decisões judiciais, de modo que cabe ao juiz fundamentar sua decisão e demonstrar a identidade do caso em julgamento com o precedente invocado.

______________

1 Disponível em: STJ encerra ano com redução recorde de 11% no acervo de processos

2 DWORKIN, Ronald. Law's Empire. Cambridge: Harvard University Press, 1995, p. 229.

______________

*
Marco Antonio B. M. Ziebarth é sócio fundador do escritório Escudero & Ziebarth Advogados e mestrando em direito processual civil.

Atualizado em: 8/1/2018 12:55

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Publicidade