quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Segurança jurídica na MP que altera normas da reforma trabalhista

O preenchimento de algumas lacunas existentes no texto da reforma trabalhista ---motivadas pela pressa com que foi aprovada pelo Congresso, é importante dizer--- possui claro objetivo de mitigar riscos à sua efetiva e imediata aplicação.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Introdução

Em se tratando de discussão jurídica, revigorada pela edição da MP 808, de 14/11/17, as alterações nela previstas trazem, sobremaneira, segurança jurídica às relações de trabalho, notadamente após a reforma trabalhista, em vigência desde 11/11/17.

Por certo, o preenchimento de algumas lacunas existentes no texto da reforma trabalhista ---motivadas pela pressa com que foi aprovada pelo Congresso, é importante dizer--- possui claro objetivo de mitigar riscos à sua efetiva e imediata aplicação.

Nesse contexto, se faz necessária à análise dos aspectos jurídicos que envolvem a edição da referida medida provisória, com base em critérios legais quanto à vigência das normas, previstos na Constituição Federal de 1988.

Sobre o tema

Da segurança jurídica através da edição de medida provisória. Artigo 63, §3º e §11º da Constituição Federal.

A edição de medida provisória outorga imediata força de lei ao seu conteúdo, porém exige sua remessa ao Congresso Nacional, que poderá ou não chancelar o texto, no todo ou em parte, conforme previsto no artigo 62 da Carta Magna.

Há análises contrárias à medida provisória que fundamentam uma insegurança jurídica na suposta perda de eficácia do texto da MP, caso a mesma não seja aprovada pelo Congresso Nacional, conforme previsto no §3º, do artigo 62 da CF/88.

Contudo, referida regra tem exceção e prevista no próprio artigo 62, da CF/88, mais especificamente em seu §11º, in verbis:

"§ 11. Não editado o decreto legislativo a que se refere o § 3º até sessenta dias após a rejeição ou perda de eficácia de medida provisória, as relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos praticados durante sua vigência conservar-se-ão por ela regidas.".

Nesse passo, a segurança jurídica da medida provisória se consagra tanto pelo fato de que seu texto se torna lei a partir do momento da sua edição, bem como pelo fato de que, mesmo o Congresso Nacional rejeitando o seu conteúdo na íntegra, todos os atos jurídicos realizados sob a égide da MP serão válidos de pleno direito e, portanto, legalmente previstos.

Medida provisória x Projeto de lei - aplicação imediata

Contrário sensu àqueles entendimentos acerca da necessidade de um projeto de lei para a implementação das alterações sobre a Reforma Trabalhista, a edição de medida provisória possui aplicação imediata, com força de lei, o que se coaduna com o entendimento de maior segurança jurídica.

Os motivos de relevância e urgência estão insertos no próprio contexto da medida provisória, que visa complementar lacunas anteriores, de forma imediata, evitando-se, de maneira muito mais objetiva, uma insegurança jurídica nas novas relações de trabalho inseridas pela Reforma Trabalhista, já em vigor.

A título de exemplo, cita-se o contrato de trabalho intermitente, que está previsto na reforma trabalhista e, portanto, vigente, porém sem alguns importantes regramentos específicos (a quarentena de 18 meses, impedindo a migração de um contrato contínuo para um contrato intermitente; a previsão expressa de pagamento de auxílio doença e salário maternidade pela Previdência Social; a rescisão do contrato semelhante à demissão por acordo; etc.). A MP supriu essas lacunas!!

Outro exemplo a ser destacado, que pouco se fala até então, é que o artigo 2º da MP 808/171, é expresso ao afirmar que a regras inseridas pela Reforma Trabalhista se aplicam, na integralidade, a todos os contratos de trabalho vigentes, encerrando diversas discussões jurídicas e doutrinárias sobre a aplicação da lei no espaço e no tempo.

Não obstante, suprir essas e outras lacunas via projeto de lei, por si só, acarretaria necessariamente em maior demora, e consequentemente em maior insegurança jurídica, tendo em vista que os cidadãos e o mercado de trabalho como um todo aguardariam por uma decisão demorada via Congresso Nacional.

Conclusão

Diante do exposto, referida análise quanto à edição de MP para suprir as lacunas claramente existentes na Reforma Trabalhista, visa afastar os argumentos de suposta insegurança jurídica quanto aos atos praticados sob a égide da MP, por haver previsão constitucional expressa que lhe garante a eficácia até eventual nova determinação do Congresso Nacional, conforme preceitua o §11º, do artigo 62, da Constituição Federal de 1988.

__________

1 Art. 2º O disposto na lei 13.467, de 13 de julho de 2017, se aplica, na integralidade, aos contratos de trabalho vigentes.

__________

*Marco Antonio Tomei é advogado do escritório CMMM - Carmona Maya, Martins e Medeiros Advogados.

Atualizado em: 17/1/2018 13:50

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Informativo Migalheiro desde 2005
Taciana Santos Lustosa

Taciana Santos Lustosa

Informativo Migalheira desde 2020
Carlos Barbosa

Carlos Barbosa

Informativo Migalheiro desde 2019
Carla Domenico

Carla Domenico

Informativo Migalheira desde 2011
Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Informativo Migalheiro desde 2019
Teresa Arruda Alvim

Teresa Arruda Alvim

Informativo Migalheira desde 2006
Ricardo Penteado

Ricardo Penteado

Informativo Migalheiro desde 2008
Luana Tavares

Luana Tavares

Informativo Migalheira desde 2021
Fabricio Soler

Fabricio Soler

Informativo Migalheiro desde 2018
Julio Cesar dos Santos

Julio Cesar dos Santos

Informativo Migalheiro desde 2019
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Informativo Migalheira desde 2019
Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Informativo Migalheira desde 2014

Publicidade