quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Algumas considerações sobre cadastro de informações negativas sobre o consumidor

O presente artigo pretende investigar qual o prazo para inscrição do nome do consumidor nos cadastros negativos e/ou de inadimplentes.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

O Código de Defesa do Consumidor no artigo 43 § 1º1 estabelece o prazo de 5 anos para que os cadastros contenham informações negativas referentes ao consumidor. O mesmo artigo estabelece, ainda, no §5º2 que consumada a prescrição referente à cobrança de dívidas, não serão fornecidas informações sobre o consumidor.

As informações negativas podem ser mantidas por, no máximo, 5 (cinco) anos (artigo 43 § 1), contados da data do fato ou da relação de consumo, ou do inadimplemento, e não da data do cadastro ou registro.

Pois bem; a questão é saber se a prescrição relativa à cobrança de débitos, cogitada no § 5º do artigo 43, CDC, é da ação executiva ou de qualquer ação de cobrança.

Este tema não é de entendimento pacífico.

Na interpretação conferida pelo eg. Tribunal do Rio Grande do Sul na apelação 71002940690 ficou decidido que: ''a prescrição relativa à cobrança de débitos, cogitada no referido § 5º, seria a da ação executiva do título e não de qualquer ação de cobrança''.

Nesta toada, em caso, por exemplo, de uma dívida lastreada em notas promissórias, a ação cambial estaria prescrita após três anos. E, este seria o prazo para inclusão do nome do consumidor no cadastro de inadimplentes. Assim, passados mais de três anos, já estaria prescrito o direito à execução dos títulos cambiais e, portanto, seria indevida a permanência do nome do consumidor no cadastro de devedores por 05 anos.

Contudo, data máxima vênia, discordamos do entendimento dado pelo Eg. Tribunal Gaúcho. É que a cobrança judicial de uma dívida pode ocorrer não apenas pela via executiva, mas também por meio de ação ordinária. E, para a propositura desta, o credor dispõe do prazo de 05 anos, nos termos do artigo 206, 5º do CC3 .

Neste sentido, para aquelas dívidas constantes de instrumento público ou particular, o prazo para registro no cadastro será de 5 anos. Ainda que tenha sido emitido título de crédito aviado como garantia. Está prática é comum em contratos de consumo do tipo: financiamentos imobiliários, assistência saúde, telefonia, etc.

Coadunando com este entendimento, vale observar o entendimento do eminente ministro Aldir Passarinho Junior, no judicioso voto proferido no REsp 533.625/RS, "que o registro nos órgãos de controle cadastral não têm vinculação alguma com a prescrição atinente à espécie de ação. Portanto, se a via executiva não puder mais ser exercida, porém remanescendo o direito à cobrança do débito por outro meio processual - desde, é claro, que igual ou superior a cinco anos - não há óbice algum à manutenção do nome do faltoso nos órgãos de controle cadastral, pelo lapso quinquenal."

Parece que considerar que o prazo prescricional estabelecido 43 § 5º seja referente a ação executiva não se mostra mais correto e abalizado. Ainda que esta postura seja prejudicial ao consumidor.

Portanto, se a ação de execução não mais puder ser exercida, mas remanescendo o direito à cobrança do débito por outro meio processual - desde, é claro, que igual ou superior a cinco anos -, não há obstáculo algum à manutenção do nome do devedor no SERASA, SPC e afins, pelo lapso quinquenal.

______________

1- § 1° Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros, verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo conter informações negativas referentes a período superior a cinco anos.

2- § 5° Consumada a prescrição relativa à cobrança de débitos do consumidor, não serão fornecidas, pelos respectivos Sistemas de Proteção ao Crédito, quaisquer informações que possam impedir ou dificultar novo acesso ao crédito junto aos fornecedores.

3- § 5º Em cinco anos:
I - a pretensão de cobrança de dívidas líquidas constantes de instrumento público ou particular;

______________

*Cid Capobiango Soares de Moura é advogado e professor universitário.


Atualizado em: 17/1/2018 14:35

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Publicidade