quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A infeliz declaração do presidente da AJUFE

Jacques Veloso

Tenho certeza que a afirmação do presidente da AJUFE não reflete o que pensa a maioria de seus colegas, pois nestes mais de 20 anos de advocacia conheci uma maioria de magistrados que tinha a exata dimensão da grandeza de seu ofício.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Assistimos na última semana uma infeliz declaração de um representante da magistratura nacional que sob o pretexto de defender o pagamento do auxílio-moradia, afirmou que os juízes não têm tranquilidade para trabalhar enquanto os advogados estão ganhando mais do que eles. A referida declaração é infeliz sob todos os ângulos em que pode ser analisada. É infeliz por estar defendendo o pagamento de uma verba imoral que é o auxílio moradia, infeliz por vincular o exercício da magistratura com os rendimentos dos advogados e infeliz por mostrar total desconhecimento do que é a advocacia.

Tenho certeza que a afirmação do presidente da AJUFE não reflete o que pensa a maioria de seus colegas, pois nestes mais de 20 anos de advocacia conheci uma maioria de magistrados que tinha a exata dimensão da grandeza de seu ofício, e que jamais colocariam as questões financeiras acima do exercício de seu mister, principalmente a questão financeira dos outros.

Não há nenhuma lógica em um magistrado afirmar que em razão dos advogados que atuam no processo estarem supostamente ganhando mais do que ele, estaria prejudicado o exercício da magistratura, como se um sentimento insuportável de inveja quanto aos rendimentos alheios impedissem que o juiz tivesse lucidez para julgar o caso, faltar-lhe-ia "tranquilidade" para julgar as causas nas quais os advogados estariam sendo bem remunerados. Por óbvio uma insanidade dessas deve ter enrubescido os rostos de milhares de magistrados sérios e vocacionados que atuam em nosso país.

Não bastasse, os honorários recebidos pelos mais de 1 milhão de advogados que atuam em nosso país depende, como muito bem destacou nosso batonnier, de sua competência, de sua capacidade de negociar com seus clientes e principalmente de sua capacidade de gerar resultados e normalmente de um bom tempo de estrada, num longo e árduo trabalho para consolidar um bom nome no mercado. A realidade é que a maioria dos advogados atualmente trocaria de posição com o dr. Roberto Veloso sem pestanejar, pois certamente, ou receberiam mais do que recebem atualmente, ou se ainda assim não o fosse, pelo menos passariam a ter férias de 60 dias, estabilidade e aposentadoria, artigos de luxo 2 na advocacia privada.

Neste cenário, só nos resta torcer para que ainda haja juízes em Berlim, que jamais percam a tranquilidade ao julgar seja para aplicar o melhor direito, seja para aplicar corretamente os ônus da sucumbência arbitrando honorários dignos para os advogados do vencedor da causa, pois a justa remuneração dos advogados jamais contaminará a alma do verdadeiro magistrado vocacionado.

Por fim, sempre cabe renovar o convite do nosso presidente Lamachia, se não está feliz na magistratura será bem-vindo a advocacia que certamente após alguns anos de dedicação renderão bons frutos e uma vida de maior "tranquilidade".

______________

*Jacques Veloso é advogado especialista em Direito Tributário, sócio do escritório Veloso de Melo Advogados e secretário geral da OAB/DF.




 

Atualizado em: 5/2/2018 08:17

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Amanda Zanoni

Migalheira desde 2020

Gabriel Mattos Maimeri

Migalheiro desde 2020

Diego Murça

Migalheiro desde 2020

Marcos da Costa

Migalheiro desde 2011

Tiago Melo

Migalheiro desde 2019

Dirceu Galdino Cardin

Migalheiro desde 2005

Marcus Antonio Gianeze

Migalheiro desde 2020

Arnon Velmovitsky

Migalheiro desde 2014

Ticiano Figueiredo

Migalheiro desde 2013

Tânia Nigri

Migalheira desde 2005

Amal Nasrallah

Migalheiro desde 2012

Publicidade