sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Uma saída para a crise - Auxílio-moradia - Como resolver

Lamentavelmente, a culpa de tudo isso é do próprio Judiciário, especialmente dos juízes que não souberam desenvolver estratégias políticas corretas, com o objetivo de dar cumprimento à norma constitucional que impõe atualização anual dos vencimentos de todos os servidores públicos. Falo de estratégias legítimas, legais, que fossem facilmente absorvidas pela sociedade.

segunda-feira, 5 de março de 2018

O debate sobre o pagamento do auxílio-moradia aos juízes tem se intensificado diuturnamente, especialmente depois que a presidência do STF decidiu pautar o julgamento, dirigido, única e exclusivamente, aos juízes federais, sem a inclusão de outros processos que cuidam de vários penduricalhos pagos a diversas categorias profissionais.

Lamentavelmente, a culpa de tudo isso é do próprio Judiciário, especialmente dos juízes que não souberam desenvolver estratégias políticas corretas, com o objetivo de dar cumprimento à norma constitucional que impõe atualização anual dos vencimentos de todos os servidores públicos. Falo de estratégias legítimas, legais, que fossem facilmente absorvidas pela sociedade.

É que, partir do governo FHC, foi quebrada a tradição, fundada na regra constitucional impositiva que obriga o reajuste anual dos vencimentos de todos os servidores públicos. Em função disso, algumas categorias de servidores têm sido contempladas com aumentos direcionados e outras, como os juízes federais, são sistematicamente afastadas da possiblidade de atualização de vencimentos, pelo simples fato do Congresso Nacional recusar-se a aprová-lo.

É possível supor que os parlamentares assim procedem porque alguns dos seus representantes julgam-se "perseguidos", só pelo fato de responderem a processos criminais. O auxílio-moradia foi uma saída equivocada que se encontrou para minorar as perdas inflacionárias, que já somam 40%.

Seria muito mais razoável que a AJUFE e outras associações da classe dos servidores públicos estudassem a possibilidade de propor uma ADPF ou um mandado de injunção para obrigar o governo cumprir a Constituição Federal, no que concerne ao dever de reajustar anualmente o vencimento de todo servidor, não só da Magistratura.

Para demonstrar, no que diz respeito aos juízes, que não estão apenas em busca de privilégios, nada impediria requerer que o STF definisse o percentual de aumento, sempre considerado o menor índice oficial de inflação e ainda determinar que a atualização seria sempre limitada ao incremento da receita tributária. Vale dizer, se a receita tivesse tido um aumento de 5% e a inflação tivesse sido de 4%, o reajuste ficaria limitado a 4%. Se a inflação tivesse sido 4% e a receita tivesse um incremento apenas de 2%, o aumento dos vencimentos não poderia passar de 2%.

De outra banda, se não houvesse incremento da receita tributária, como acontece nos anos de recessão e como aconteceu recentemente, o servidor ficaria sem reajuste. Participaria assim, o servidor, dos sacrifícios que toda a sociedade sofre nos períodos de depressão econômica, dando a sua parcela de contribuição.

Com isso, restaria demonstrada a responsabilidade fiscal dos servidores, juízes e do próprio STF. O pedido seria para que o STF determinasse que o governo cumprisse a Constituição com essas observações, com essas limitações, até que o governo enviasse um projeto de lei fixando os reajustes. Na mesma linha, o STF mandaria o projeto de lei dele, válido para toda a Magistratura.

Sei que o STF, lá atrás, foi refratário a mandados de injunção, mas a situação mudou, a composição mudou e a crise atinge a todos. O poder Judiciário, que estava fora da crise e estava funcionando excepcionalmente como um poder moderador, praticamente pediu para entrar na crise política e dela não está sabendo como sair.

Os integrantes do Poder Judiciário estão completamente perdidos. No desespero, alguns juízes tentam defender o auxílio-moradia que, pela lógica do nome, não entra na cabeça de ninguém que isso seja legítimo da forma como foi concedida, incondicional e criando, na prática, uma cultura de desobediência como algo natural a outro preceito constitucional que determina os mesmos vencimentos para os servidores ativos e inativos.

Não se deu conta que está sendo criando um monstro, do qual os que ainda não são vítimas, um dia serão. Quando cada um dos beneficiários desse auxílio vai para a imprensa defender o seu pagamento, é como se tivesse dizendo: por que a crise "política só existe nos poderes executivo e legislativo? Pelo princípio da isonomia, eu também quero participar". É isso que está acontecendo.

Em uma ação desse tipo, especialmente proposta pela AJUFE, poderia ser requerida a concessão de uma liminar, para que, uma vez reajustado os vencimentos dos juízes, fossem revogados os penduricalhos, voltando os seus subsídios a serem pagos em parcela única, porém atualizada, como determina o texto constitucional.

Seria uma ação razoável, com base no princípio da moralidade e da responsabilidade fiscal. De tão razoável, haveria espaço para que opinião pública entendesse a legitimidade do pleito. Até o momento, esta seria uma saída politicamente correta - valendo-me desse termo desgastado - para resolver todo esse imbróglio.

________________

*Ricardo César Mandarino Barretto é advogado, juiz federal emérito e ex-integrante do CNMP.




Atualizado em: 1/3/2018 16:27

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carla Domenico

Carla Domenico

Migalheira desde 2011
André Lucenti Estevam

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Migalheiro desde 2020
Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019
Roberto Rosas

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015
Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020
Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019
Vantuil Abdala

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008
Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Publicidade