sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Exclusão do ICMS da base de cálculo do lucro presumido (IRPJ E CSLL)

Juliano Rotoli Okawa, Renata Leite e Igor Nascimento de Souza

Aplicou-se o entendimento de que o ICMS trata de receita estadual, cujos valores apenas transitam pela contabilidade das empresas, sendo integralmente destinados/repassados aos Estados e ao Distrito Federal.

terça-feira, 13 de março de 2018

Em março de 2017, o Supremo Tribunal Federal decidiu no leading case RE 574.706/PR, pela inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS, em sede de repercussão geral.

A decisão foi amparada no raciocínio de que sendo o ICMS um imposto, este seria ônus fiscal dos contribuintes, não podendo ser considerado como receita destes que justifique a incidência das contribuições ao PIS e COFINS. Ou seja, estando o ICMS embutido no preço dos produtos e alguns serviços, os valores percebidos pelas empresas a tal título não podem ser considerados faturamento ou receita.

Nesse contexto, aplicou-se o entendimento de que o ICMS trata de receita estadual, cujos valores apenas transitam pela contabilidade das empresas, sendo integralmente destinados/repassados aos estados e ao Distrito Federal.

Assim, partindo da mesma premissa adotada pelo STF em relação a inconstitucionalidade do ICMS compor a base de cálculo do PIS e da COFINS, as empresas que apurem seus tributos pelo lucro presumido têm como base de cálculo do IRPJ e da CSLL a receita bruta, na qual estaria incluído o ICMS.

Desta maneira, tendo sido declarada a inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS, a mesma interpretação deve prevalecer para o IRPJ e CSLL apurados sobre o lucro presumido. A tese vem ganhando força no Judiciário, tendo sido proferidos recentes julgados pela 1ª e 2ª Turmas do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que, com base na decisão do STF declarou a inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS.

Logo, é pertinente que as empresas que apuram os tributos pelo lucro presumido verifiquem a possibilidade de adoção de medidas que visem a garantir o direito de exclusão do ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, bem como reaver valores indevidamente recolhidos a esse título, nos últimos cinco anos.

_________________

*Juliano Rotoli Okawa é advogado em Madrona Advogados

*Igor Nascimento Souza é advogado em Madrona Advogados

*Renata Leite é advogada em Madrona Advogados

MADRONA, CAMARGO, OKAWA, MENEZES, COSAC, MAZZINI, MININEL - SOCIEDADE DE ADVOGADOS

Atualizado em: 8/3/2018 09:20

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Publicidade