terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A vaquejada está novamente na pauta do STF

A vaquejada é própria da vida rural do campo, restaura a prática de uma cultura tipicamente nordestina de pastoreio, que é a busca e recolhimento da rês, cuja criação se fazia livremente nos campos sem cercados no semiárido nordestino.

segunda-feira, 19 de março de 2018

A festa popular de maior preferência no Nordeste encontra-se mais uma vez na pauta do Supremo, agora as autoras das ADIn 5.728 e ADIn 5.772 questionam a constitucionalidade da Emenda à Constituição 96/17, que inseriu um §7º no art. 225 da Constituição de 1988, com o seguinte texto:

"§7º. Para fins do disposto na parte final do inciso VII do § 1º deste artigo, não se consideram cruéis as práticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais, conforme o § 1º do art. 215 desta Constituição Federal, registradas como bem de natureza imaterial integrante do patrimônio cultural brasileiro, devendo ser regulamentadas por lei específica que assegure o bem-estar dos animais envolvidos."

Em resumo, consoante asseverado nas iniciais das referidas ADIns, a Emenda à Constituição 96, ao não considerar cruéis "práticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais", viola o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, tendo em vista que retira a proibição constitucional que submete os animais à crueldade. Tal como, sua regulamentação, como pretendeu fazer as leis 13.364/16 e 10.220/01, seriam igualmente inconstitucionais.

Ora, notadamente quanto à prática desportiva da vaquejada, não parece consistente afirmar que implique crueldade aos animais envolvidos, pois não se mata ou se fere propositalmente os animais. Longe disso, na vaquejada o garrote e os cavalos participantes do desporto, são protegidos e admirados pelos competidores, como ocorre em diversas formas de esporte que envolve animais.

Muito diferente é o que se passava nos casos com a "Rinha de Galo" e da "Farra do Boi", onde os animais eram vítimas de sadismo, violência e morte, repetindo tradições culturais bárbaras, e que a atual civilização, com o respeito à "vida" não mais comporta. Muito justa e oportuna a proibição daqueles espetáculos de barbaridade, violência e morte cruel de animais. Diferente e muito, é o caso da vaquejada.

Veja-se bem: A vaquejada é própria da vida rural do campo, restaura a prática de uma cultura tipicamente nordestina de pastoreio, que é a busca e recolhimento da rês, cuja criação se fazia livremente nos campos sem cercados no semiárido nordestino. O vaqueiro, montado a cavalo, penetrando indômito e veloz os campos inóspitos, na busca de bois às vezes bravios e perdidos em áreas desérticas do sertão nordestino, cobertas de vegetação arbórea espinhosa, como a catingueira e o umbuzeiro. Nesse trabalho, impunha-se ao vaqueiro, a habilidade na montaria, destreza, coragem e, sobretudo, o seu dever profissional, que ele encarava como dever moral, de trazer a rês sã e salva para o curral. Essa é a origem histórica da vaquejada nordestina, hoje transformada em grande festa popular, e constitui bem cultural popular e histórico já incorporado ao patrimônio cultural do povo nordestino.

A vaquejada é forma de celebração de vivência histórica recente e ainda bem presente na memória e na vida rural nordestina. É, sobretudo, um ato social festivo e socialmente integrativo, e um espetáculo de beleza estética e de expressão autêntica da cultura popular nordestina, é também complexo de música, danças, aproximação humana e comidas típicas regionais.

Importante destacar que houve também, nos últimos anos, um forte e inegável aprimoramento disciplinar e organizacional nessa prática desportiva, como à sua programação, controle oficial, organização econômica e disciplina regulamentar, principalmente, quanto à proteção da saúde e do bem-estar dos animais envolvidos no desporto. Registre-se, que nas competições oficiais chanceladas pela Associação Brasileira de Vaquejadas - ABVAQ exige-se a presença de um juiz do bem estar animal1, profissional técnico habilitado, médico veterinário ou zootecnista, que dentre as várias atribuições, pode desclassificar qualquer competidor por conduta antiesportiva inadequada.

Ademais, impõe-se ainda, para realização de vaquejadas oficiais, licença prévia e autorização da administração pública competente, onde são apresentados e registrados todos os animais envolvidos na competição, tratando da escolha, tipificação, alojamento, alimentação e tratamento, e que todos os esses animais sejam adequadamente preparados, e, ainda, com estipulação de raça, idade, condições de sanidade, bem como de regras e práticas recomendadas para a realização do espetáculo, com a proibição de qualquer forma de maus-tratos.

Como já mencionado, nas competições oficiais, chanceladas pela ABVAQ, não é jamais permitido qualquer tipo maus-tratos ou agressão despropositada aos animais envolvidos. Qualquer tipo agressão que possa configurar maus-tratos, como usar esporas afiadas que possam eventualmente causar lesão aos cavalos, ou mesmo açoitar cruelmente o cavalo ou bois, enseja imediata desclassificação do desportista da prova.

Assim, a vaquejada é um espetáculo esportivo e uma festa popular que se evidencia também como autêntica expressão da rica diversificação cultural nordestina, nada incorrendo em práticas de vilipêndio, tortura ou morte de animais.

Como se vê, a vaquejada é uma festa de grande atração popular típica e desportiva, digna de receber o estímulo e a proteção do Estado, pelo que, havendo vaquejada na qual os animais envolvidos eventualmente venham a sofrer maus-tratos, estas serão banidas, merecendo os seus responsáveis punição exemplar.

Assim sendo, de forma oportuna e válida, no exercício do seu poder constituinte derivado, o Congresso Nacional, promulgou em 07/06/2017, a Emenda à Constituição 96, objetivando buscar a garantia a todos do pleno exercício dos direitos culturais, bem como preservar as manifestações populares já incorporadas ao admirável patrimônio cultural nordestino e brasileiro, em consonância com o art. 215, "caput" e § 1º, da Constituição Federal.

__________________________________________

1 - "Artigo 12° - A designação como juiz de bem estar animal aprovado pela ABVAQ é um privilégio, e não um direito, conferido pela Diretoria da ABVAQ, de acordo com os procedimentos por ela formulados, a indivíduos cuja perícia em assuntos equinos e caráter pessoal justifiquem essa honra. (...)" (Regulamento da Associação Brasileira de Vaquejada (ABVQ) instituindo normas de conduta de bem estar animal. (Disponível em: clique aqui. Acesso em 10 de mar. 2018.) - grifei.

__________________________________________

*Adalberto Arruda Silva Júnior é advogado associado do escritório Nelson Wilians & Advogados Associados - Filial Recife/PE. Engenheiro Florestal, ex-membro da Comissão de Meio Ambiente da OAB/PE.

Nelson Wilians e Advogados Associados

Atualizado em: 16/3/2018 07:30

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005
Scilio Faver

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020
Márcio Aguiar

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020
Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005
Levi Rezende Lopes

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020
René Ariel Dotti

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
Nicole Cunha

Nicole Cunha

Migalheira desde 2021
Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020
Almir Pazzianotto Pinto

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003
João Ibaixe Jr

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018

Publicidade