quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

São Paulo condiciona licença ambiental à logística reversa

VIPFabricio Soler e Tasso Alexandre Richetti Pires Cipriano

Os sistemas de logística reversa podem ser implementados e operados tanto de forma individual pelas empresas como de forma coletiva por meio de entidade representativa do setor ou de entidade gestora.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) editou no dia 3/4/2018 a Decisão de Diretoria (DD) 076/2018/C estabelecendo o procedimento para a incorporação da logística reversa no âmbito do licenciamento ambiental.

Com a decisão da CETESB, as licenças de operação passam a ser emitidas ou renovadas somente se demonstrado o atendimento às exigências legais sobre a obrigação de estruturar, implementar e operacionalizar sistemas de logística reversa.

A comprovação da logística reversa como condição para a obtenção da licença ambiental aplica-se a empreendimentos que fabricam ou que sejam responsáveis pela importação, distribuição ou comercialização de determinados produtos, desde que sujeitos ao licenciamento ambiental ordinário pela CETESB, e deverá ocorrer de maneira progressiva, em etapas sucessivas de acordo com as seguintes linhas de corte:

Produtos e embalagens

Prazos (linhas de corte)

a) Óleo lubrificante automotivo, para a logística reversa do óleo lubrificante usado e contaminado (OLUC) e de suas embalagens plásticas;

b) Baterias automotivas;

c) Pilhas e baterias portáteis;

d) Lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio e luz mista;

e) Pneus inservíveis;

f) Agrotóxicos, para a logística reversa de suas embalagens vazias, e

g) Tintas imobiliárias, para a logística reversa de suas embalagens vazias.

Em até 180 dias da publicação da DD CETESB 076/2018/C
a) Óleo comestível;

b) Filtro de óleo lubrificante automotivo;

c) Produtos alimentícios, para a logística reversa de suas embalagens;

d) Bebidas, para a logística reversa de suas embalagens;

e) Produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, para a logística reversa de suas embalagens; e

f) Produtos de limpeza e afins, para a logística reversa de suas embalagens,

g) Produtos eletroeletrônicos de uso doméstico e seus componentes, com tensão até 240 Volts;

h) Medicamentos domiciliares, de uso humano, vencidos ou em desuso.

Em até 180 dias da publicação da DD CETESB nº 076/2018/C para os empreendimentos que possuam instalação com área construída acima de 10 mil m2

A partir de 2019 para os empreendimentos que possuam instalação com área construída acima de mil m2, com a cobrança incidindo quando da solicitação ou renovação da licença de operação

A partir de 2021 para todos os empreendimentos sujeitos ao licenciamento ordinário, com a cobrança incidindo quando da solicitação ou renovação da licença de operação.

Os sistemas de logística reversa podem ser implementados e operados tanto de forma individual pelas empresas como - e preferencialmente - de forma coletiva por meio de entidade representativa do setor ou de entidade gestora. Além disso, deverão assegurar a destinação final ambientalmente adequada de 100% dos produtos e das embalagens que forem retornados.

Os empreendimentos de empresas aderentes a um dos Termos de Compromisso de Logística Reversa firmados entre a Secretaria do Meio Ambiente (SMA), CETESB e representantes dos respectivos setores empresariais serão considerados adimplentes com a DD CETESB 076/2018/C, desde que as obrigações de logística reversa assumidas nos termos estejam sendo cumpridas.

Em qualquer caso (sistemas individuais ou coletivos), devem ser apresentados à CETESB, por meio do preenchimento dos respectivos formulários no Módulo Logística Reversa do SIGOR - Sistema Estadual de Gerenciamento Online de Resíduos Sólidos, os Planos de Logística e os Relatórios Anuais com os resultados operacionais.

Por fim, o não cumprimento à DD CETESB 076/2018/C ensejará a aplicação das penalidades previstas na legislação ambiental.

Saiba mais: Decisão de Diretoria 076/2018/C.

__________

*Fabricio Dorado Soler é sócio do escritório Felsberg Advogados. Responsável pelo Departamento de Meio Ambiente e Sustentabilidade da banca.

*Tasso Alexandre Richetti Pires Cipriano é advogado do Departamento de Ambiente e Sustentabilidade do escritório Felsberg Advogados.

Atualizado em: 6/4/2018 08:34

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Informativo Migalheiro desde 2005
Taciana Santos Lustosa

Taciana Santos Lustosa

Informativo Migalheira desde 2020
Carlos Barbosa

Carlos Barbosa

Informativo Migalheiro desde 2019
Carla Domenico

Carla Domenico

Informativo Migalheira desde 2011
Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Informativo Migalheiro desde 2019
Teresa Arruda Alvim

Teresa Arruda Alvim

Informativo Migalheira desde 2006
Ricardo Penteado

Ricardo Penteado

Informativo Migalheiro desde 2008
Luana Tavares

Luana Tavares

Informativo Migalheira desde 2021
Fabricio Soler

Fabricio Soler

Informativo Migalheiro desde 2018
Julio Cesar dos Santos

Julio Cesar dos Santos

Informativo Migalheiro desde 2019
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Informativo Migalheira desde 2019
Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Informativo Migalheira desde 2014

Publicidade