sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Pacto por ações concretas

Uma miniconstituinte criará, como em 93, um leque de interesses, que dificultará o consenso e redundará em fracasso, mormente se houver desinteresse da Presidência da República. E quem será o próximo presidente em 2007? Será a favor ou contra?

terça-feira, 14 de outubro de 2003

Pacto por ações concretas

 

Miguel Reale Jr.*

 

A Assembléia Constituinte foi a passarela pela qual desfilou a sociedade organizada, em defesa de seus interesses, do índio ao magistrado, "da tanga à toga". As corporações como a magistratura, o Ministério Público, as polícias Civil, Militar e Federal, os servidores públicos em geral e as Forças Armadas tiveram atendidos os seus pleitos. A Constituição Federal de 1988 é compromissória, fruto de árdua composição entre idéias e interesses divergentes. Estavam, portanto, os constituintes seguros da não-perenidade de sua obra. Por isso, convocou-se revisão constitucional para 93.

 

Por vários motivos, ela fracassou. Destaco, contudo, dois: o conluio pela inércia, pois todos os setores satisfeitos com o texto constitucional agiam para que nada se alterasse, e o desinteresse da Presidência da República, que move em grande parte o Legislativo.

 

Uma miniconstituinte criará, como em 93, um leque de interesses, que dificultará o consenso e redundará em fracasso, mormente se houver desinteresse da Presidência da República. E quem será o próximo presidente em 2007? Será a favor ou contra?

 

Segundo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, duas questões, entre outras, justificariam uma miniconstituinte: a reestruturação da Federação e a segurança pública. Quanto à primeira, pode se equacionar uma cooperação entre União, Estados e municípios sem reforma constitucional. Importante é tornar firme o pacto federativo, por meio de agência de controle federal, que fiscalize e avalie a aplicação regional de recursos, em face de planejamento estratégico nacional e regional, para que haja coordenação dos diferentes níveis governamentais, como sugerem estudos da Fundap. Quanto à questão da segurança, propostas de alteração constitucional enfrentarão interesses corporativos bem organizados. E, enquanto se discutem mudanças, paralisam-se ações concretas de integração das polícias e de política criminal.

 

De outro lado, levantamento do IBGE traça o retrato do Brasil, o país das grandes cidades, mais de uma dezena delas com população superior a 1 milhão de habitantes. A desigualdade está nos grandes centros e a omissão do Estado agrava a desorganização social, faltando Justiça, polícia comunitária, lazer, cultura. Sem paz social, que só a presença do Estado em ação com a comunidade pode proporcionar, não há reforma constitucional que enfrente a questão da segurança.

 

Diagnóstico do sistema criminal definiu pontos importantes, que procuramos efetivar no Ministério da Justiça, com programas iniciados e depois abandonados quando da nossa saída.

 

Lembro alguns exemplos.

 

O convênio assinado, no Palácio do Planalto, com a CNI, para a criação de plantões sociais nas delegacias de polícia. A CNI comprometia-se em remunerar estagiários de serviço social e psicologia para atendimento em delegacias da periferia, onde 70% das ocorrências são de cunho social. As casas de mediação, sendo ouvidores pessoas da comunidade, estavam previstas em acordo com os Estados e poderiam produzir efeitos positivos de harmonia social, como em Fortaleza. A criação de centros de atendimento médico-legal e psicológico à mulher vítima de violência, especialmente sexual. Lembro também a ampliação da Defensoria Pública, para orientação e prevenção de conflitos.

 

Promovemos, no Ministério da Justiça, encontro até então inédito entre os ministros da área social, tendo por tema a violência que vitima a juventude -56% dos jovens de 15 a 24 anos que morrem foram vítimas de assassinato. Na outra ponta, estão os jovens que matam. Por sugestão do ministro Paulo Renato, arquitetou-se transformar as escolas de bairros do Rio e de São Paulo em centros comunitários. Cada ministério traria sua colaboração. Logo depois, pedi exoneração e a idéia morreu.

 

Por fim, os CICs (Centros Integrados de Cidadania), que levam a Justiça ao povo, com a presença conjunta do juiz, do promotor, das polícias Civil e Militar, do advogado, do assistente social e do psicólogo, no fundão das periferias das cidades grandes. A reforma do Judiciário não pode se preocupar apenas em acelerar processos, pois nada é pior que a injustiça célere. Reforma do Judiciário revolucionária é levar a Justiça ao povo carente por meio dos CICs, em cooperação com a comunidade.

 

Em outra vertente, a informatização dos dados criminais, como fora conveniado com o IBGE, e o melhor preparo do policial são básicos para o sucesso de investigações.

 

Destarte, há de implementar a modernização da polícia e uma política criminal de cunho social. E, para isso, não é preciso reforma constitucional, mas vontade política.

 

_______________

 

* Advogado do escritório Reale Advogados Associados, ex-ministro da Justiça e professor titular da Faculdade de Direito da USP.

 

 

 

 

 

 

 

 

__________________

Atualizado em: 13/10/2003 15:03

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Publicidade