quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A Justiça em defesa das mulheres

O feminicídio representa uma agressão à própria sociedade, não apenas à vítima.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Nos últimos dias do mês de julho, a presidente do STJ proferiu uma decisão que merece destaque. Ela indeferiu pedido de liminar em recurso de habeas corpus, mantendo a prisão de um homem, acusado de esfaquear a companheira.

O motivo da violência fora o fato da vítima ter pedido a separação.

A agressão, detalhada nos autos, mostrou-se brutal e absolutamente injustificada. Mas o pior é que veio de alguém extremamente próximo, com quem a vítima dividira longo período de convivência. Conforme relatado, o casal mantivera uma união estável por 13 anos, mas o relacionamento fora marcado por comportamento abusivo, agressões físicas e ameaças de morte.

O entendimento do STJ confirmou a orientação já adotada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o qual igualmente mantivera a prisão do acusado. A defesa do acusado, contudo, havia alegado que o réu era primário e não registrava antecedentes. Sustentara ainda que, por ter residência fixa e atividade laboral lícita, não deveria continuar preso.

Não convenceu.

Em seu pronunciamento, a presidente do STJ, ministra Laurita Vaz, destacou que a prisão foi "suficientemente fundamentada, sobretudo na preservação da ordem pública, a qual estaria seriamente ameaçada diante da gravidade concreta da conduta, bem como pela real periculosidade do acusado" (STJ - RHC 100450).

Tal orientação mostra que a impunidade dos crimes contra mulheres está com os dias contados. O feminicídio representa uma agressão à própria sociedade, não apenas à vítima. Quando uma mulher é covardemente atacada, todos nós ficamos feridos: homens e mulheres.

O gesto do Poder Judiciário, ao manter a prisão do agressor, independentemente de seus bons antecedentes, mostra que a violência em si mesma é um mal e não deve se repetir. Basta uma vez. Basta um ataque. Basta uma vítima. A prisão torna-se, assim, um símbolo do combate à violência contra as mulheres.

Nas palavras de Helena Kolody: há gestos de dizer e gestos de calar. A decisão da Presidente do STJ foi um gesto de dizer. Gesto que deve ecoar, em alto e bom som, por todos os tribunais de nosso país.

_________________

*Rogéria Dotti é advogada do Escritório Professor René Dotti.

Atualizado em: 26/9/2019 16:54

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade