quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Histórica alteração de paradigma marcou o julgamento sobre Terceirização no STF

O julgamento, que ocupou quatro sessões plenárias, cumulou uma ADPF, 324 de relatoria do ministro Luís Roberto Barroso e um RE, 958252, este sob relatoria do ministro Luiz Fux.

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Na última quinta-feira (30/8) foram julgados pelo Pleno do STF dois importantes leading cases sobre terceirização nas relações de trabalho no país.

O julgamento, que ocupou quatro sessões plenárias, cumulou uma ADPF, 324 de relatoria do ministro Luís Roberto Barroso e um RE, 958252, este sob relatoria do ministro Luiz Fux.

A sessão do dia 22/8 (quarta-feira) foi reservada basicamente para as sustentações orais das partes e amicus curiae, ao final houve apenas o enfrentamento das questões preliminares, que foram rejeitadas por maioria, avançou-se ao mérito somente a partir da sessão seguinte.

Na ADPF 324 restou reconhecido que as decisões judiciais proferidas pela Justiça do Trabalho acerca da terceirização de serviços - com lastro da súmula 331 do TST - ofendem os princípios da legalidade, da livre iniciativa, da livre concorrência e os valores sociais do trabalho. Para o relator, o modelo mais flexível é uma estratégia essencial para a competitividade das empresas e afasta o argumento da precarização da relação de emprego, que existe "com ou sem terceirização". Ainda, as restrições à terceirização, da forma como vêm sendo feitas pelo conjunto de decisões da Justiça do Trabalho, não ter respaldo legal. "Respeitados os direitos mínimos nela previstos, a Constituição não impõe um modelo específico de produção e não impede modelos flexíveis", concluiu.

Já no RE 958252 restou reconhecido que é lícita a contratação de mão-de-obra terceirizada para prestação de serviços relacionados com a atividade-fim da empresa tomadora de serviços. O ministro Luiz Fux, relator do RE, refutou os argumentos contrários à terceirização e afirmou que as leis trabalhistas continuam a ser de observância obrigatória por todas as empresas da cadeia produtiva. "Não haverá a mínima violação a nenhum dos direitos consagrados constitucionalmente", ressaltou. O ministro apontou ainda diversos fatores que considera benéficos para as relações de trabalho, como o aprimoramento das tarefas pelo aprendizado especializado, a redução da complexidade organizacional, o estímulo à competição entre fornecedores externos e a maior facilidade de adaptação às necessidades de modificações estruturais.

Após os votos dos relatores Luís Roberto Barroso e Luiz Fux, os ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e a presidente Cármen Lúcia, acompanharam as relatorias, julgando procedente a ADPF e o RE, respectivamente. Foram vencidos os ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e Marco Aurélio.

O REsp teve repercussão geral reconhecida, conferindo assim, eficácia erga omnes ao julgado, o que significa que a decisão sobre o tema será aplicada posteriormente pelas instâncias inferiores, em casos idênticos. Hoje há cerca de 4 mil processos sobrestados em instâncias inferiores que estavam aguardando a decisão do STF sobre a questão.

Em que pese a promulgação da lei 13.429/17 (lei da terceirização) e da lei 13.467/17 (Reforma Trabalhista), já autorizem a terceirização sem restrições, o julgado tem o importante condão de balizar as relações estabelecidas antes das recentes normativas.

Cumpre-se frisar que o plenário voltará a enfrentar o tema nas Ações Diretas de inconstitucionalidade (ADIn) 5686, 5687 e 5695, ajuizadas no STF contra as lei 13.429/17 e lei 13.467/17, todas de relatoria do ministro Gilmar Mendes. Nelas, as entidades de classe pedem a concessão de liminar para a suspensão integral dos artigos da lei da terceirização e, no mérito, que o STF julgue a norma inconstitucional. Contudo com a mesma composição do plenário, há uma a tendência que este entendimento seja mantido.

_________

*Kleber Correa da Silveira é analista jurídico no escritório Andrade Maia Advogados. Membro-pesquisador do Grupo de Pesquisa - O Direito do Trabalho e Mundo Contemporâneo da UFRGS cadastrado junto ao CNPq. Membro da RENAPEDTS - Rede Nacional de Pesquisa em Direito do Trabalho e Previdência Social.

Atualizado em: 24/9/2019 13:03

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade