terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Indústria têxtil - a falta de informações em etiquetas pode ser considerado crime

Na falta de alguma informação ou na existência de avisos conflitantes que prejudiquem o consumidor, o responsável pelo estabelecimento comercial é notificado pelo IPEM, que por sua vez comunica as autoridades criminais para tomarem as medidas cabíveis.

terça-feira, 4 de setembro de 2018

O principal motivo das autuações foi a falta ou inadequação das etiquetas. As empresas irão responder a processo administrativo, com multas que variam de R$ 405,00 a R$ 6.085.800,00, sem prejuízo da adoção das outras penalidades.

 

Neste ponto, o que nos chama a atenção é o desconhecimento das empresas têxteis das informações obrigatórias que devem constar nas etiquetas. O Código de Defesa do Consumidor - CDC é uma norma penal em branco, ou seja, precisa de outra norma que a complemente (CONMETRO, INMETRO e IPEM). Isso dificulta que o empresário, sem o devido suporte, se enquadre nos liames legais exigidos, o que o torna vulnerável a fiscalizações.

 

O CDC garante ao consumidor a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos, bem como a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e também sobre os riscos que apresentem.

 

Neste sentido, a lei fixou que toda a cadeia produtiva é responsável, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores.

 

Como consequência, a oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores.

 

Desrespeitada a norma, o empresário pode ter uma sanção que varia desde o pagamento pecuniário de multa, podendo inclusive até perder a licença do estabelecimento ou de atividade, além da possibilidade de ter o seu estabelecimento total ou parcialmente interditado.

 

Tendo em vista a proteção das relações de consumo, a questão pode se tornar criminal. É praxe dos órgãos fiscalizadores acionar o Ministério Público com o objetivo de que seja instaurado, pela autoridade policial, inquérito para apurar possível crime contra a relação de consumo. Isso porque algumas dessas infrações são tidas como crime.

 

A lei 8.137/90 que define crimes contra a relação de consumo, em seu artigo 7º, determinou que é crime vender ou expor à venda mercadoria cuja embalagem, tipo, especificação, peso ou composição esteja em desacordo com as prescrições legais, ou que não corresponda à respectiva classificação oficial.

 

Ou seja, além da infração administrativa, podemos ter uma sanção penal com pena que pode variar de 2 anos a 5 anos de prisão.

 

É exatamente aí o ponto mais delicado da questão, pois como o crime prevê pena máxima superior a 4 anos, havendo prisão em flagrante do gerente ou responsável pelo estabelecimento, a fiança só pode ser arbitrada por um juiz e não mais pelo delegado responsável pelo flagrante.

 

Como consequência, na prática, temos que o preso em flagrante não mais sairá após a lavratura do flagrante e o recolhimento da fiança junto ao delegado, mas deverá aguardar, muitas vezes, em um Centro de Detenção Provisória, a designação de uma audiência de custódia, na qual será avaliado se a prisão em flagrante será convertida em preventiva ou se o juiz concede a liberdade provisória ao indiciado.

 

Como vimos, a questão de ter um produto sem as devidas informações em sua etiqueta ultrapassa a esfera cível e recai na penal, o que muitos empresários desconhecem.

 

Assim, tanto o segmento têxtil como o de vestuário, roupa de cama, mesa e banho, tecido, fio para tecelagem e cortina devem ter, obrigatoriamente, etiqueta com informações sobre dados do fabricante ou do importador, CNPJ, país de origem, composição têxtil, símbolos de cuidados com a conservação e indicação de tamanho, tudo em português.

 

Na falta de alguma informação ou na existência de avisos conflitantes que prejudiquem o consumidor, o responsável pelo estabelecimento comercial é notificado pelo IPEM, que por sua vez comunica as autoridades criminais para tomarem as medidas cabíveis.

 

Desta forma é fundamental que as empresas do segmento têxtil tenham uma orientação do corpo jurídico conjunta no âmbito cível e penal e contem com uma assessoria que trabalhe sinergicamente unida, proporcionando assim, que o empresário tome as decisões mais seguras e acertadas.

 

 

___________

 

*Rafael do Lago Salvador é sócio responsável pela área penal empresarial do escritório Duarte e Tonetti Advogados Associados.

 

 

Atualizado em: 24/9/2019 13:20

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Publicidade