quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Fim da polêmica sobre terceirização

O modelo flexível é uma estratégia essencial para a competitividade das empresas e afasta o argumento de precarização da relação empregatícia

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Por maioria de votos, o STF estabeleceu em sede de repercussão geral (ADPF324 e RE 958.252) que "É lícita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho em pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto social das empresas envolvidas, mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante".

Na ADPF impetrada pela Associação Brasileira de Agronegócio a questão gravitou em torno da constitucionalidade das interpretações esposadas pela Justiça do Trabalho, já que entender pela terceirização restrita à súmula 331 do TST afetaria a liberdade de contratação das empresas, além de violar preceitos constitucionais fundamentais da legalidade, da livre iniciativa e da valorização do trabalho.

O ministro Barroso ponderou que a discussão em torno da terceirização é um caminho para se assegurar o emprego e garantir direitos aos trabalhadores, proporcionando o desenvolvimento econômico. Afirmou em seu voto que o modelo flexível é uma estratégia essencial para a competitividade das empresas e afasta o argumento de precarização da relação empregatícia. Afirmou ainda que as restrições à terceirização da maneira como têm sido decididas pela Justiça do Trabalho violam os princípios da livre iniciativa, da livre concorrência e da segurança jurídica, além de não terem respaldo legal. Seu voto foi seguido pelos ministros Luiz Fux, Alexandre de Mores, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Na mesma linha, no RE 958.252, o ministro relator Luiz Fux, votou pelo provimento do recurso impetrado pela com Celulose Nipo-Brasileira reformando a decisão de 2º grau que coibia a terceirização da atividade fim. Para o relator, a súmula 331 do TST intervém de forma imotivada na relação jurídica de contratar sem restrição, além de ressaltar que o artigo 1º, IV da CF trata da valorização social do trabalho e da livre iniciativa como fundamento do Estado Democrático de Direito. Completa sua tese afirmando que as intervenções no poder regulatório na dinâmica da economia devem se limitar ao mínimo possível, sendo e apontou fatores outros que considera benéficos para as relações de trabalho como o estímulo à competição entre fornecedores externos e a maior facilidade de adaptação às necessidades de modificações estruturais, o aprimoramento das tarefas pelo aprendizado especializado e a redução da complexidade organizacional.

 

 

____________

 

*Marília Meorim Ferreira De Lucca e Castro é advogada sócia do escritório Brasil Salomão e Matthes Advocacia.

 

 

Atualizado em: 24/9/2019 14:29

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Publicidade