quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Novas súmulas do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

Mauricio de Carvalho Silveira Bueno e Elaine Perez

No total, foram aprovados 21 novos enunciados, como, por exemplo, a súmula 108 que sedimentou, por maioria de votos, a incidência de juros calculados com base na taxa Selic sobre as multas de ofício.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

No dia 3 de setembro, o Pleno e as turmas da Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) reuniram-se em sessão extraordinária para deliberar sobre proposições de edição, revisão e cancelamento de súmulas com o objetivo, nas palavras da atual presidente do Conselho, "de reduzir litígios e uniformizar a jurisprudência".

No total, foram aprovados 21 novos enunciados, como, por exemplo, a súmula 108 que sedimentou, por maioria de votos, a incidência de juros calculados com base na taxa Selic sobre as multas de ofício.

A favor do contribuinte, o Pleno aprovou a súmula 112, segundo a qual, "é nulo, por erro na identificação do sujeito passivo, o lançamento formalizado contra pessoa jurídica extinta por liquidação voluntária ocorrida e comunicada ao fisco federal antes da lavratura do auto de infração".

Em placar apertado também do Pleno, a proposta de cancelamento da súmula 14 foi rejeitada. Assim, fica mantida a orientação de que é defeso à Receita Federal aumentar em 150% a penalidade sem comprovar o real intuito de fraude nos casos de autuação por omissão de receitas.

Já a 1ª turma, responsável por julgar dentre outros tributos os relativos a IRPJ e a CSLL, refutou a proposta de súmula sobre a não-dedutibilidade na apuração do lucro real da amortização de ágio gerado internamente ao grupo econômico, mas aprovou a súmula 116, que estabelece que a contagem do prazo decadencial para a constituição de crédito tributário relativo a glosa de amortização de ágio deve levar em conta o momento de sua repercussão na apuração do tributo em cobrança.

A mesma turma, aliás, rejeitou a proposta que autorizava a aplicação concomitante da multa isolada com a multa de ofício e aprovou a súmula 117, que permite que o contribuinte deduza do lucro real as despesas com royalties.

Dos enunciados envolvendo PIS, COFINS, IPI e normas de direito aduaneiro, a 3ª turma aprovou a súmula 124, que estabelece que "a produção e a exportação de produtos classificados na Tabela de Incidência do IPI (TIPI) como 'não tributados' não geram direito ao crédito presumido de IPI de que trata o art. 1º da lei 9.363, de 1996".

É possível acessar as súmulas a partir deste link.

____________

*Mauricio de Carvalho Silveira Bueno é advogado do escritório Lilla, Huck, Otranto, Camargo Advogados.



 

 

 

 

 

 

*Elaine Perez é advogada do escritório Lilla, Huck, Otranto, Camargo Advogados.

 

 



Atualizado em: 24/9/2019 17:02

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

Publicidade