sexta-feira, 23 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

TRT/MG considera inconstitucional aspecto da reforma trabalhista

Eventuais decisões que seguirem a súmula 72 do TRT/MG poderão ser questionadas perante o TST, o qual emitiu recentemente a resolução 221 em 21 de junho de 2018 no sentido de que parágrafos 2º e 3º do artigo 844 da CLT serão aplicados nas ações ajuizadas a partir de 11 de novembro de 2017, nada se referindo quanto a sua constitucionalidade.

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

O Tribunal da Terceira Região em Minas Gerais ("TRT/MG") editou a súmula de 72, publicado no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho no dia 20 de setembro de 2018, uniformizando o entendimento daquele Tribunal de que a cobrança de custas processuais de beneficiários da Justiça Gratuita é inconstitucional.

O Tribunal Pleno do TRT/MG, que detém a atribuição de uniformizar a jurisprudência daquela Corte, entendeu que condenar o beneficiário da Justiça Gratuita a recolher custas processuais seria uma afronta de dois princípios constitucionais, quais sejam: a isonomia e a inafastabilidade da jurisdição, bem como a prestação de assistência jurídica integral e gratuita àqueles que comprovarem insuficiência de recursos, todos com previsão no artigo 5º da Constituição Federal.

Ocorre que a Consolidação das Leis Trabalhistas ("CLT") passou por uma profunda reforma por meio de lei 13.467/17. Dentre as alterações, está a inclusão de cinco parágrafos do artigo 844, em especial os parágrafos 2º e 3º que traz a condenação ao pagamento das custas processuais em caso de ausência do autor da ação na audiência, mesmo que esse seja beneficiário da Justiça Gratuita e também para o ajuizamento de uma nova ação.

Anterior à reforma da CLT, a ausência do autor na audiência resultava unicamente no arquivamento de sua ação trabalhista, caso fosse declarado beneficiário da Justiça Gratuita, estaria isento do pagamento de custas processuais.

O mesmo tema está presente na ADIn de 5766 de relatoria do ministro Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal que teve seu julgamento iniciado em 9 de maio de 2018.

Na contramão do entendimento reafirmado do TRT/MG, o ministro relator entendeu ser legítima a cobrança de custas judiciais em razão da ausência do autor da ação na audiência, mediante prévia intimação pessoal para que tenha a oportunidade de justificar o não comparecimento, a fim de que o direito à gratuidade de justiça possa ser regulado de forma a não ser incentivo à litigância abusiva. A ADIn encontra-se atualmente em conclusão ao relator desde 7 de junho de 2018.

Eventuais decisões que seguirem a súmula 72 do TRT/MG poderão ser questionadas perante o TST, o qual emitiu recentemente a resolução 221 em 21 de junho de 2018 no sentido de que parágrafos 2º e 3º do artigo 844 da CLT serão aplicados nas ações ajuizadas a partir de 11 de novembro de 2017, nada se referindo quanto a sua constitucionalidade.

__________

*Thereza Cristina Carneiro é sócia da área trabalhista na CSMV Advogados.

*Ariane Byun é advogada na CSMV Advogados.

Atualizado em: 1/10/2018 17:24

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Hellder Almeida Santos

Migalheira desde 2020

Rodrigo Oliveira

Migalheiro desde 2020

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Laura França Silva

Migalheiro desde 2020

Thiago Nogueira Sandoval

Migalheiro desde 2019

Marcelo Jacinto Andreo

Migalheiro desde 2015

Rodolfo Tamanaha

Migalheiro desde 2020

Rafael Mafei Rabelo

Migalheiro desde 2009

Marina Ratti de Andrade

Migalheira desde 2020

Pedro Gonzáles Tinoco

Migalheiro desde 2011

Izabella Alves Dias

Migalheira desde 2017

Leonardo Passafaro

Migalheiro desde 2007

Publicidade