sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Da validade da terceirização da atividade fim conforme posicionamento do STF

Diante da possibilidade da terceirização de atividade fim, é de suma importância que a empresa se atualize sobre as normas acerca deste procedimento, de acordo com a lei 13.429/17 e com a CLT, de modo a fazer um trabalho preventivo que possibilite a correta implementação e minimize os riscos da criação de um passivo trabalhista.

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

A lei 13.429, de 31 da março de 2017, passou a considerar válida a contratação de trabalhadores de forma terceirizada para executar a atividade fim das empresas.

Tal permissão restou expressa no § 3º, do art. 9º, da referida lei, que dispõe que o contrato de trabalho temporário pode versar sobre o desenvolvimento de atividades-meio e atividades-fim, a serem executados na empresa tomadora de serviços.

Não obstante a edição da citada lei, permaneceu vigente a súmula 331, do C. TST, a qual dispõe que a terceirização somente pode ser aplicada para suprir serviços de vigilância e de conservação e de limpeza, bem como para aqueles serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta.

Tal entendimento sumulado ainda se mantém aplicável no âmbito da Justiça do Trabalho em contratos assinados e encerrados antes da edição da citada Lei de Terceirização.

Diante disso, o STF foi acionado em diversas ações questionando a validade da citada súmula do TST tendo em vista a possibilidade de terceirização de atividade fim prevista na lei 13.429, de 31 da março de 2017.

Assim, o plenário do STF decidiu no dia 30/8/18, por 7 votos a 4, que é constitucional o emprego de terceirizados na atividades-fim das empresas, aplicando seu entendimento a 4 mil ações anteriores à lei da reforma trabalhista que questionavam a proibição do TST, manifestada pela citada súmula 331.

Dentre as diversas fundamentações apresentadas pelos ministros que votaram a favor da validade da terceirização de atividade fim, destacam-se os dizeres do ministro Luís Roberto Barroso, que dispôs: "Direitos básicos não podem ser afastados - piso salarial, segurança no trabalho, férias, fundo de garantia. Tudo isso são direitos fundamentais assegurados e não estão em discussão aqui. [.] A questão é saber se é bom para negócio que atividades sejam prestadas pelo terceiro. Isso não é direito, isso é economia, não há como fugir desse modelo. O modelo de produção flexível é realidade em todo o mundo."

Verifica-se que a assertiva está em plena consonância com o atual paradigma das relações de trabalho e as premissas adicionadas pela reforma trabalhista, que visa uma maior flexibilização das relações de modo a tornar a estrutura de trabalho menos engessada, mais produtiva e com maiores vantagens para as partes.

Ressalta-se ainda, conforme restou exposto, que a constitucionalidade da terceirização da atividade fim não causa a supressão dos direitos básicos do trabalhador consagrados na Constituição e na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Por fim, diante da possibilidade da terceirização de atividade fim, é de suma importância que a empresa se atualize sobre as normas acerca deste procedimento, de acordo com a lei 13.429/17 e com a CLT, de modo a fazer um trabalho preventivo que possibilite a correta implementação e minimize os riscos da criação de um passivo trabalhista.

Isso porque, não obstante a nova legislação, a contratante continua a responder perante a Justiça do Trabalho por aquilo que a contratada deixar de pagar aos seus empregados.

__________

*Ronan Leal é advogado do escritório GVM - Guimarães & Vieira de Mello Advogados.

*Marcello Vieira de Mello é sócio fundador do escritório GVM - Guimarães & Vieira de Mello Advogados.

 

Atualizado em: 25/9/2019 16:27

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Clèmerson Merlin Clève

Migalheiro desde 2004

Bruna Lyra Duque

Migalheira desde 2018

Fábio Zambitte Ibrahim

Migalheiro desde 2020

Stella Curiati Mimessi

Migalheira desde 2020

May Linn Liao Amorelli

Migalheira desde 2020

Sidnei Beneti

Migalheiro desde 2013

Ana Paula Machado

Migalheira desde 2020

Mariana Gomes Carvalho

Migalheira desde 2020

Bruno Baldinoti

Migalheiro desde 2019

Zênia Cernov

Migalheira desde 2019

Publicidade