quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Filiais de sociedades estrangeiras não precisam mais de aprovação para alteração de endereço e de representante legal

Lucas Silveira Corrêa e Ana Paula Terra Caldeira

A nova IN compatibiliza ainda a IN-7 com a Convenção da Apostila de Haia (a qual integra o ordenamento jurídico brasileiro desde 2016), de modo a ratificar o procedimento para validade dos documentos oriundos do exterior: a legalização fica dispensada no caso dos documentos públicos oriundos dos países signatários da Convenção da Apostila de Haia, desde que comprovado que o documento foi objeto do apostilamento de que trata a referida Convenção.

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Não há mais a necessidade de aprovação do Governo Federal nas deliberações que versarem sobre alteração de endereço e de representante legal do estabelecimento de sociedade estrangeira autorizado a funcionar no Brasil, desde que o ato a promover a respectiva alteração não envolva uma alteração contratual ou estatutária.

A alteração está prevista na Instrução Normativa de 49 ("IN-49"), publicada pelo DREI no último dia 2 de outubro de 2018, que alterou a Instrução Normativa de 7 ("IN-7") a qual dispõe sobre os pedidos de autorização para nacionalização ou instalação de filial, agência, sucursal ou estabelecimento no Brasil, por sociedade empresária estrangeira.

As alterações estabelecidas pela IN-49 visam, dentre outras matérias, alterar o procedimento pelo qual a sociedade empresária estrangeira que desejar criar estabelecimento autorizado a funcionar no Brasil (filial, sucursal, agência ou outro tipo de estabelecimento) solicitará a respectiva autorização: a partir da publicação da IN-49, a autorização para instalação e funcionamento deverá ser solicitada ao secretário especial da Micro e Pequena Empresa do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (e não mais ao Ministro do Estado Chefe da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República). Sem prejuízo, o requerimento continuará sendo protocolizado no DREI, que o examinará sem prejuízo da competência de outros órgãos federais.

Por fim, a nova IN compatibiliza ainda a IN-7 com a Convenção da Apostila de Haia (a qual integra o ordenamento jurídico brasileiro desde 2016), de modo a ratificar o procedimento para validade dos documentos oriundos do exterior: a legalização fica dispensada no caso dos documentos públicos oriundos dos países signatários da Convenção da Apostila de Haia, desde que comprovado que o documento foi objeto do apostilamento de que trata a referida Convenção.

__________

*Ana Paula Terra Caldeira e Lucas Silveira Corrêa são advogados do escritório Azevedo Sette Advogados.

 

Atualizado em: 25/9/2019 16:52

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Publicidade