terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Cobrança por WhatsApp fora do expediente

Trata-se de tema novo e bastante controverso na Justiça do Trabalho, fruto da realidade atual e da moderna tecnologia, caracterizada pela cada vez mais rápida comunicação entre as pessoas via aplicativos eletrônicos.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Em acórdão publicado em 19/10/18, a 3ª turma do TST, em decisão de relatoria do ministro Alexandre de Souza Agra Belmonte, deu provimento a recurso de revista de trabalhador para reformar acórdão do TRT da 3ª região e julgar procedente pedido de indenização por danos morais a empregado submetido a cobrança de metas de vendas fora do horário de trabalho via aplicativo de mensagens, fixando a reparação no valor de R$3.500,00. Apesar de o valor não ser expressivo, o precedente é relevante para a reflexão sobre o assunto.

O TRT da 3ª região, confirmando a sentença de primeira instância, havia julgado improcedente o pedido de indenização moral por entender a prática como comum ao ambiente corporativo, sendo facultado ao empregado "não responder se não quisesse ou até mesmo não ler a mensagem se assim não desejasse". Destacou ainda o fato de não haver cobrança do empregador pela ausência de resposta do empregado às mensagens de cobrança de metas como fundamento à ausência do dano moral.

O TRT, por sua vez, reformou a decisão por entender que a prática de cobrança de metas pelo empregador fora do horário de trabalho via aplicativo de mensagens configuraria abuso do poder potestativo do empregador, gerando indenização sob o enfoque do dano existencial, por gerar no empregado sentimentos de aflição e agonia pela cobrança.

Confira-se trecho do voto do ministro relator "Se não era para responder, por que mandou o WhatsApp? Mandou a mensagem para qual finalidade? Se não era para responder, deixasse para o dia seguinte. Para que mandar mensagem fora do horário de trabalho? Isso invade a privacidade, a vida privada da pessoa, que tem outras coisas para fazer e vai ficar se preocupando com situações de trabalho fora do seu horário."

Trata-se de tema novo e bastante controverso na Justiça do Trabalho, fruto da realidade atual e da moderna tecnologia, caracterizada pela cada vez mais rápida comunicação entre as pessoas via aplicativos eletrônicos. Ainda não há posicionalmente pacífico e consolidado dos Tribunais Regionais ou do TST acerca da questão.

_________________

*Thereza Cristina Carneiro é sócia do CSMV Advogados.

* Viviana Chahda Mendes é advogada do CSMV Advogados.

Atualizado em: 1/11/2018 13:39

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Maís Moreno

Migalheira desde 2012

Thiago Santana Luvizoto

Migalheiro desde 2017

Giselle de Menezes Viana

Migalheira desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Gabriela Zaidan Cunha

Migalheira desde 2012

Mateus Costa Pereira

Migalheiro desde 2020

Edgar Guimarães

Migalheiro desde 2006

Wilson Silveira

Migalheiro desde 2005

Publicidade