quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Obras paralisadas, e agora? O que fazer quando o prazo de entrega não foi extrapolado, mas o inadimplemento na entrega do imóvel é iminente? Teoria do inadimplemento antecipado

Na hipótese de não conseguir o cronograma de obras, é possível requerer o documento judicialmente. Contudo, caso o inadimplemento antecipado seja gritante, o documento é dispensável.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Com a difícil situação econômica que o país tem atravessado, não é incomum encontrar diversos empreendimentos imobiliários paralisados.

Muitas das vezes isso acontece por problemas no fluxo de caixa das incorporadoras/construtoras, que são obrigadas a interromper as obras.

Todavia, do outro lado, os promitentes e compromissários compradores se deparam com um problema: o prazo para entrega do empreendimento ainda não foi extrapolado, todavia, é praticamente impossível crer que o imóvel adquirido seja construído e entregue em curtíssimo espaço de tempo!

Imaginemos a seguinte situação: um compromisso de compra e venda é firmado em março de 2016, com promessa de entrega do imóvel em abril de 2017 e possibilidade de dilação do prazo por mais 6 (seis) meses, ou seja, o prazo final para entrega é outubro de 2017.

Em janeiro de 2017 o compromissário comprador nota que nem ao menos a fundação do empreendimento foi construída, e a cada dia que passa para verificar o "estágio da obra", percebe que o projeto foi "abandonado", o compromissário teme por ter imobilizado seu patrimônio em um imóvel cuja entrega é incerta!

O que fazer nessa situação? Tecnicamente o prazo contratual não foi descumprido, motivo pelo qual não poderia o adquirente desfazer o negócio por culpa da vendedora, como prevê a súmula 543 do STJ:

Na hipótese de resolução de contrato de promessa de compra e venda de imóvel submetido ao Código de Defesa do Consumidor, deve ocorrer a imediata restituição das parcelas pagas pelo promitente comprador - integralmente, em caso de culpa exclusiva do promitente vendedor/construtor, ou parcialmente, caso tenha sido o comprador quem deu causa ao desfazimento.

Todavia, para situações como essa, a doutrina e a jurisprudência têm admitido a aplicação da chamada "teoria do inadimplemento antecipado".

A melhor técnica ensina que, antes de mais nada, o adquirente deve requerer à construtora a apresentação do cronograma de obras, pois além de ser direito do compromissário/promitente comprador (remetemos o leitor aos artigos. 31-D,IV e 43. IV, da lei de incorporações 4.591/64) é o único documento que pode comprovar que a construtora está em dia com seu planejamento e entregará o imóvel no prazo prometido.

O cronograma de obras é documento elaborado por um engenheiro e mostra, em uma linha do tempo, o começo e o fim de cada uma das fases ou atividades da obra.

Na hipótese de não conseguir o cronograma de obras, é possível requerer o documento judicialmente. Contudo, caso o inadimplemento antecipado seja gritante, o documento é dispensável.

Ora, atualmente a resolução do contrato em caso de inadimplemento é potestativo do adquirente, conferido pelos artigos. 474 e 475 do Código Civil Brasileiro e pela súmula 543 do STJ, supracitada.

Contudo, para que se configure o inadimplemento antecipado de determinada obrigação, é imprescindível que sejam preenchidos 3 (três) requisitos, nas palavras de Judith Martins-Costa:

(i) ocorra um inadimplemento imputável caracterizado como grave violação do contrato, possibilitando uma justa causa à resolução;

(ii) haja plena certeza de que o cumprimento não se dará até o vencimento;

(iii) caracterize-se, por parte do devedor uma conduta culposa, seja ao declarar que não vai cumprir, seja ao se omitir quanto aos atos de execução, recaindo em inércia de modo que o seu comportamento contratual nada indique no sentido da execução (comportamento concludente); páginas 769-770. Judith Martins-Costa. A Boa-fé no Direito Privado. Editora Saraiva. 2ª Edição. 2018

Portanto, o promitente/compromissário comprador deverá demonstrar, de forma clara e inequívoca:

(i) O atraso na entrega do empreendimento, que dá ensejo a desfazimento do negócio;

(ii) Que as obras estão paralisadas e apesar de o prazo contratual não ter sido extrapolado, é irrefragável que a vendedora não conseguirá cumprir o contrato. (remetemos o leitor à cartilha - O Ciclo Da Incorporação Imobiliária - elaborada pela Associação Brasileira das Incorporadoras.)

(iii) Por fim, que o comportamento concludente da vendedora também está claramente configurado, uma vez que as obras estão paralisadas e, portanto, existe uma dicotomia com as obrigações previstas no compromisso/promessa firmado.

Logo, sendo reconhecida a hipótese de e descumprimento antecipado do contrato de compromisso de compra e venda, porque a vendedora toma atitude claramente contrária ao contrato firmado demonstrando de maneira categórica que não cumprirá o contrato, permite-se ao adquirente requerer a extinção do negócio, com devolução da integralidade dos valores pagos, corrigidos desde cada desembolso e, neste caso, acrescidos de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês, a contar da citação judicial da vendedora no processo (nos termos do art.405 do Código Civil Brasileiro).

Importante ressaltar que o efeito principal do desfazimento é que as partes retornem aos status quo anterior à contratação (remetemos o leitor à súmulas 2 e 3 do TJ/SP).

A título de conhecimento, cabe ressaltar nesse sentido já decidiu Ruy Rosado de Aguiar Júnior, no RE 309.626 - RJ (2001/0029132-5), aplicando a teoria do inadimplemento antecipado:

"É possível o inadimplemento antes do tempo, se o devedor pratica atos nitidamente contrários ao cumprimento ou faz declarações expressas nesse sentido, acompanhadas de comportamento efetivo, contra a prestação, de tal sorte se possa deduzir, conclusivamente, dos dados objetivos existentes, que não haverá o cumprimento. Se esta situação se verificar, o autor pode propor a ação de resolução. O incumprimento antecipado ocorrerá sempre que o devedor, beneficiado com um prazo, durante e/e pratique atos que, por força da natureza ou da lei, faça impossível o futuro cumprimento. Além da impossibilidade, o incumprimento antecipado pode resultar de conduta contrária do devedor, por ação (venda do estoque, sem perspectiva de reposição), ou omissão (deixar de tomar as medidas prévias indispensáveis para a prestação), ou de declaração do devedor expressa no sentido de que não irá cumprir a obrigação".

Do mesmo modo, em São Paulo, já decidiu o desembargador do TJ, Francisco Eduardo Loureiro:

RESOLUÇÃO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA - [...] pendências há vários anos passíveis de regularização - descumprimento do prazo de 4 anos exigido para a execução das obras de infra-estrutura do loteamento - inadimplemento antecipado do contrato - aplicabilidade da 'exceptio non adimpleti contractus' - inexigibilidade das parcelas vencidas do preço, até que o imóvel se encontre inteiramente regularizado e pronto para ser transferido ao domínio dos adquirentes - efeito "ex tunc" da sentença resolutória - restituição integral, atualizada e imediata das parcelas pagas - [...] (TJSP; Apelação cível 9124416-43.2007.8.26.0000; relator (a): Francisco Loureiro; órgão julgador: 4ª Câmara de Direito Privado; foro de Guarulhos - 1.VARA CIVEL; data do julgamento: 10/7/08; data de registro: 21/7/2008)

Assim, sendo iminente o descumprimento contratual da vendedora, ainda que antes do término do prazo contratual é plenamente possível que os promitentes/compromissários compradores requeiram a resolução do compromisso/promessa de compra e venda com base na "teoria do inadimplemento antecipado".

__________

*Paulo Roberto Athie Piccelli é advogado do escritório Athie e Piccelli Advogados Associados.

Atualizado em: 27/9/2019 16:52

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Tiago Abreu

Migalheiro desde 2020

Lara Selem

Migalheira desde 2019

Guilherme Santos Macêdo

Migalheiro desde 2020

Ruy Conde

Migalheiro desde 2017

Ana Luisa Porto Borges

Migalheira desde 2006

Ricardo Nicoletti

Migalheiro desde 2017

Laís Gomes Bergstein

Migalheira desde 2010

Vanessa Arruda Ferreira

Migalheira desde 2006

Luiz Dellore

Migalheiro desde 2013

Guilherme Leite

Migalheiro desde 2005

Publicidade