quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Um novo olhar sobre o Direito e a teoria dos feixes interpretativos

José Luiz F. Gama

Podemos afirmar, sem medo de errar, que a sociologia pode ser o aggiornamento ou a luz que faltava para uma interpretação segura acerca do sistema jurídico nessa nova realidade social que se apresenta no Brasil, alcançando a necessária adequação entre os fins sociais e as normas jurídicas que se destinam a realizá-los.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

A sociologia jurídica é uma ferramenta importante para o sistema jurídico, pois fornece os elementos necessários à elaboração, interpretação, aplicação e extinção das leis. Podemos afirmar que a sociologia jurídica examina as causas e os efeitos do sistema jurídico.

Com efeito, sem conhecer efetivamente os fatos e atos sociais do grupo, as relações que necessitam de melhor disciplinamento ou mesmo desregulamentação estatal, os conflitos que se travam e a teia de relações sociais que permeiam o tecido social, nenhum legislador tem condição de elaborar leis eficazes e nenhum julgador tem condições de aplicar corretamente o ordenamento estatal.

Por outro lado, é preciso com frequência ajustar a norma jurídica às novas realidades sociais, visto que, sendo a lei estática e a sociedade dinâmica, com o passar do tempo aquela acaba se tomando ultrapassada, obsoleta ou mesmo desnecessária. Contudo, esses ajustes só alcançarão seus objetivos se o legislador estiver devidamente instruído e consciente daquilo que precisa mudar, não é tão somente uma mudança pela mudança.

Ao juiz, a sociologia jurídica possibilita aplicar o Direito de modo compatível com as necessidades sociais, visto que, conhecendo-as, poderá, sem desrespeitar as leis da hermenêutica, através de uma interpretação ora extensiva, ora restritiva, ou mesmo através da analogia, fazer o Direito acompanhar as transformações sociais.

Particularmente, eu avanço na questão propondo a ideia de que o sistema jurídico é formado por quatro feixes interpretativos que podem ser classificados da seguinte forma.

O primeiro feixe é representado pelos fatos sociais, ou seja, as relações sociais coletivas que emanam da sociedade e que não necessariamente estão diretamente envolvidas nos conflitos jurídicos.

O segundo feixe é a própria norma jurídica estatal, é a letra objetiva da lei, trata-se da finalidade primária do legislador.

O terceiro feixe representa a interpretação simbólica estatal, emanada pelos agentes públicos, isto é, os aplicadores e interpretes oficias da norma jurídica.

Por fim, o quarto e último feixe são as interpretações passionais dos atores sociais que sofrem os efeitos diretos da norma aplicada, que podem ser tantas quantos forem os atingidos pela norma.

O sistema jurídico sendo visto em quatro dimensões poderia ser representado da seguinte maneira:

O fato é que um sistema jurídico é um fenômeno social, não sendo possível estudá-lo em separado da sociedade e dos valores simbólicos que o envolvem.

Não basta descrever os elementos formais da realidade jurídica composta das normas vigentes em determinado momento histórico de uma sociedade específica.

A missão do jurista compreende a interpretação das leis que regem a sociedade, levando-se em consideração todos os feixes de interpretação supracitados.

A interpretação não pode limitar-se à qualificação dos fatos jurídicos ou à fixação das condições de validade da conduta do indivíduo no exercício dos direitos reivindicados ou no cumprimento das obrigações impostas.

Para interpretá-las, o jurista sociólogo toma contato, necessariamente, com a realidade social subjacente e as várias possibilidades dos feixes de interpretação de forma relacional, buscando todas as dimensões do sistema jurídico.

Para BOURDIEU, a sociologia reflexiva abre os olhos do pesquisador para a hipótese de que este pode não saber absolutamente nada sobre algo que pensava saber tudo. "Se é verdade que o real é relacional, pode acontecer que eu nada saiba de uma instituição acerca da qual eu julgo saber tudo, porque ela nada é fora das suas relações com o todo".1

Logo, para o interprete do sistema jurídico, a Sociologia proporciona uma visão mais ampla e real da teia social que envolve o fenômeno jurídico.

Repisa-se que através das ferramentas sociológicas tanto o legislador quanto o interprete conseguem revelar que o Direito não é somente um conjunto de normas estáticas que devem ser aplicadas independentemente de qualquer finalidade, mas também um fato social, a realidade social dinâmica em permanente transformação, à qual as normas deverão se ajustar sob pena de perderem a finalidade, perdendo o mais precioso valor do direito que é a legitimidade.

Podemos afirmar, sem medo de errar, que a sociologia pode ser o aggiornamento2 ou a luz que faltava para uma interpretação segura acerca do sistema jurídico nessa nova realidade social que se apresenta no Brasil, alcançando a necessária adequação entre os fins sociais e as normas jurídicas que se destinam a realizá-los

______________________

1 BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico; tradução Fernando Tomaz - 3º ed. - Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 2000.- Pág. 31.

2 É um termo italiano, que significa "atualização" e costuma ser utilizado sempre que se pretende fazer uma atualização de um conjunto de ideias a uma nova realidade social. Termo utilizado durante o Concílio Vaticano II e que o Papa João XXIII popularizou.

______________________

*José Luiz F. Gama é advogado do escritório Rachid Maluf Advocacia e Consultoria.

Atualizado em: 30/11/2018 13:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Alexandre Pontieri

Migalheiro desde 2008

Almir Gasquez Rufino

Migalheiro desde 2019

Alessandra Cobo

Migalheira desde 2019

Laís Lewicki

Migalheira desde 2019

Gamil Föppel El Hireche

No Migalhas desde 2011

Maykon Fagundes Machado

Migalheiro desde 2020

Maikon Cavalcante

Migalheiro desde 2020

Francisco Gomes Júnior

Migalheiro desde 2020

Guilherme Keppe Zanini

Migalheiro desde 2019

Publicidade