sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Faturamento, receita bruta e receita

O que teve início no faturamento foi compreendido como receita bruta, para ser apresentada a receita, retornando-se à receita bruta e ao faturamento, com um fermento jurisprudencial.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

A definição de receita e de faturamento, para fins tributários, é composta por "pitadas" de elementos contábeis, econômicos e, como não poderia deixar de ser, jurídicos. Neste último aspecto, temperam a definição principalmente disposições legais e jurisprudenciais, que, em muitos momentos, sob o pretexto de aclararem o conceito, acabam por torná-lo nebuloso.

Historicamente, são indicadas quatro fontes de riquezas hábeis a ensejar a incidência de tributos, quais sejam: renda; patrimônio; comércio interno, e; comércio externo. Contudo, a necessidade de ampliar a arrecadação de tributos, somada à implementação de metodologias mais simples e à - imbatível - criatividade brasileira, levou à tributação da receita e/ou do faturamento dos contribuintes.

A tentativa de utilizar a receita como base dos tributos não é nova; ela remonta, por exemplo, aos anos 1960, como exemplificado no Recurso de Mandado de Segurança 18.162, no qual foi repelida, pelo STF, a tentativa de utilizar como base de cálculo do antigo "Impôsto de indústria e profissões" a receita bruta de um escritório "para meros contratos", que não praticava outras operações, isto é, onde não eram desenvolvidas atividades profissionais. Aqui, a receita bruta seria o resultado das vendas realizadas. Mais à frente, a LC 7/70, instituiu o PIS sobre o faturamento das empresas. Tal rubrica, que refletia a economia daquele momento, estava ligada às compras e às vendas mercantis, documentadas pelas faturas, cujas "remessa e aceitação" sintetizavam a tradição do que fora vendido, disciplinadas pelo Código Comercial, de 1850.

Já a lei 9.718/98, que modificou, dentre outros tributos, a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins, dispôs que a base de cálculo do tributo seria a receita bruta, assim compreendida como o faturamento. Não à toa, a tentativa de alargar a noção de receita bruta, para "a totalidade das receitas auferidas", foi rechaçada pelo STF no RE 390.840. Após alteração no texto constitucional, foi com a promulgação da lei 10.637/02, que a contribuição para o PIS não-cumulativa, então instituída, passaria a incidir sobre "o faturamento mensal, assim entendido o total das receitas auferidas". Em verdade, independentemente de se depreender a ampliação da noção de faturamento, a Contribuição para o PIS - assim como aconteceu, em seguida, com a Cofins - naquele regime passava a recair sobre a receita bruta - produto da venda de bens e serviços, ou seja, o autêntico faturamento - e "todas as demais receitas". É dizer, seriam computadas vendas de bens e serviços, as "operações em conta própria ou alheia" e, por exemplo, a venda de um imóvel (ativo imobilizado).

Em caso referente a exportações e créditos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços - ICMS, o STF definiu que "receita bruta pode ser definida como o ingresso financeiro que se integra no patrimônio na condição de elemento novo e positivo, sem reservas ou condições" - muito se assemelhando ao conceito de renda.

Em 2014, foi promulgada a lei 12.973, que, além de outros efeitos, unificou o conceito de receita bruta - com expressa remissão da legislação, passando a ser as vendas de mercadorias, as prestações de serviços, as operações de cota alheia e as "receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica não compreendidas" nas três situações anteriores. Além de englobar "os tributos sobre ela incidentes".

Posteriormente, no RE 574.706 - um desdobramento de outro julgamento iniciado antes mesmo da "Família Scolari" conquistar o "penta" -, o Supremo decidiu que o ICMS não comporia a base de cálculo do PIS e da Cofins, por não se tratar de faturamento - de acordo com o voto que conduziu o julgamento.

Enfim, no que tange às contribuições destacadas (PIS e Cofins), o que teve início nas vendas mercantis, passou a englobar também os serviços, repelindo-se de plano o seu alargamento, para, depois, admitir-se num novo regime o alargamento da incidência, o que foi sucedido pela delimitação jurisprudencial de um conceito e, em seguida, uma nova disposição legal e uma nova manifestação judicial. O que teve início no faturamento foi compreendido como receita bruta, para ser apresentada a receita, retornando-se à receita bruta e ao faturamento, com um fermento jurisprudencial.

Após tantas idas e vindas, o que, de fato, seriam faturamento, receita bruta e receita de acordo com a legislação nacional e o STF?

__________________

*Edison Carlos Fernandes é sócio diretor do escritório Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados.

*Jorge Ferreira da Fonseca Moreira é advogado do escritório Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados.

Atualizado em: 3/10/2019 17:39

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Publicidade