terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Dupla licença maternidade?

A lei que regulamenta a previdência social não prevê licença para a mãe que não gerou o bebê. Pela norma, o salário-maternidade deve ser pago somente à mãe biológica. De outro lado, há um direito inovante que ampara a igualdade respeitando as diferenças, que defende as pessoas em sua pluralidade.

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

A proibição da discriminação das pessoas em razão do sexo, seja no plano da dicotomia homem/mulher (gênero), seja no plano da orientação sexual foi assegurada pelo STF em 2011.

No entanto, os direitos consequentes do reconhecimento de uniões homoafetivas se tornou, desde o consagrado amparo legal, uma lacuna. Que vem sendo preenchida pelas decisões dos Tribunais Superiores e juízes.

A ausência de previsão legal para a licença maternidade do casal homoafetivo ocasiona um receio, haja vista que sem dispositivo legal, não há uma uniformidade, e cada julgador fundamenta pelo seu entendimento a concessão ou não da licença.

Em verdade, as decisões recentes sobre o tema, provocam uma insegurança aos portadores do direito. A citar decisão recente do TRT da 2ª Região que defendeu o indeferimento da licença maternidade por inexistir norma específica concedendo o benefício à mãe que não seja a biológica ou adotante.

Em contrapartida, encontramos decisões favoráveis a dupla licença maternidade, fundamentadas na decisão do STF, que asseguram o direito por respeito a possibilidade de constituir família e exercer conjuntamente a parentalidade, considerando-se que o Estado já reconhece o casamento heterossexual.

Vale lembrar, que houve uma resolução em novembro de 2017 que possibilitou o registro de uma criança no nome de mais de um pai ou uma mãe diretamente no cartório.

Em última análise, a lei que regulamenta a previdência social não prevê licença para a mãe que não gerou o bebê. Pela norma, o salário-maternidade deve ser pago somente à mãe biológica. De outro lado, há um direito inovante que ampara a igualdade respeitando as diferenças, que defende as pessoas em sua pluralidade.

Nesse sentido, na espera de um amparo legal os casais homoafetivos vêm se apoiando em decisões como a do Ministério Público do Trabalho de Pernambuco, que sustentou o entendimento de que a decisão do Supremo ao reconhecer a união homoafetiva, também reconheceu os demais direitos de família.

_________

*Bruna Andrade é advogada em Mato Grosso.

Atualizado em: 4/10/2019 17:10

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Eduardo Muylaert

Migalheiro desde 2020

Laércio Laurelli

Migalheiro desde 2017

Gabriela B. Maluf

Migalheira desde 2018

Antônio Cleto Gomes

Migalheiro desde 2020

Marcelo Narcizo Soares

Migalheiro desde 2018

Priscila Fichtner

Migalheira desde 2020

Fabiano Menke

Migalheiro desde 2019

Alexandra Gouvêa

Migalheira desde 2020

Publicidade