quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Estado de São Paulo permite o parcelamento de débitos de ICMS-ST em até 60 vezes

Igor Nascimento de Souza e Harone Prates Vilas Bôas

O assunto foi veiculado por meio da Resolução Conjunta SEFAZ PGE 3, de 23/11/18 (Resolução 3/18).

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

O Estado de São Paulo, por meio da sua Secretaria de Fazenda (SEFAZ/SP) e de sua Procuradoria Geral (PGE/SP) passou a permitir, por prazo limitado, o parcelamento de débitos de ICMS substituição tributária (ICMS-ST)

O assunto foi veiculado por meio da Resolução Conjunta SEFAZ PGE 3, de 23/11/18 (Resolução 3/18)1. A oportunidade trazida é relevante, pois, salvo o disposto em seu texto, inexiste programa ordinário/permanente para a regularização de ICMS-ST.

Algumas das principais informações sobre o parcelamento são as seguintes:

(i) a adesão poderá ser efetuada até 31/05/2019;

(ii) será permitido o pagamento em até 60 (sessenta) meses;

(iii) o ICMS-ST a ser parcelado deve ter fato gerador ocorrido até 30/9/2018 e pode estar constituído ou não, inscrito ou não em dívida ativa, bem como estar ajuizado ou não;

(iv) procedimentos para adesão:

(iv.1) débitos não inscritos em dívida ativa:

(iv.1.1) com valores originais declarados iguais ou inferiores a R$50.000.000,00 (cinquenta milhões de Reais): realizada por meio de acesso ao Posto Fiscal Eletrônico (PFE);

(iv.1.2) nas demais hipóteses: feita por meio de preenchimento de formulário disponível no PFE - modelo 1 ou 2 - com o seu protocolo no Posto Fiscal a que o contribuinte estiver vinculado;

(iv.2) débitos inscritos em dívida ativa, ajuizados ou não: por acesso do representante legal ao site da Procuradoria Geral do Estado - Dívida Ativa;

(v) valor mínimo das parcelas: R$500,00;

(vi) o recolhimento do valor integral da primeira parcela é requisito para que o parcelamento seja considerado como celebrado;

(vii) o pagamento das parcelas subsequentes à primeira deverá ocorrer por meio de débito automático;

(viii) será considerado rompido o parcelamento se houver atraso em prazo superior a noventa dias no recolhimento de qualquer parcela posterior à primeira. Além disso, terá como consequência:

(viii.1) para débito ainda não inscrito em dívida ativa: a inscrição e a propositura de execução fiscal;

(viii.2) para débitos inscritos em dívida ativa e objeto de execução fiscal: o imediato prosseguimento do processo.

Mais detalhes sobre o parcelamento podem ser encontrados no inteiro teor da Resolução 3/2018.
___________________

1 Publicada no Diário Oficial datado de 24/11/18.
___________________

*Igor Nascimento de Souza é sócio da área tributária do Madrona Advogados.

*Harone Prates Vilas Bôas é advogado tributarista no Madrona Advogados.

 

Atualizado em: 7/10/2019 16:45

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Roberto Zilsch Lambauer

Migalheiro desde 2010

Diego Filipe Casseb

Migalheiro desde 2015

Henrique Schmidt Zalaf

Migalheiro desde 2019

Fabio Medeiros

Migalheiro desde 2008

Ana Luiza Maia Nevares

Migalheira desde 2019

Izaías Bezerra Neto

Migalheiro desde 2020

Thiago Meyrelles

Migalheiro desde 2017

Liliane Fonseca Campos

Migalheira desde 2008

André Torres dos Santos

Migalheiro desde 2019

Wilson Sales Belchior

Migalheiro desde 2019

José Marcio Mendonça

Migalheiro desde 2019

Daniel Costa Rebello

Migalheiro desde 2020

Rafael Netto Arruda

Migalheiro desde 2004

Publicidade