sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A paternidade socioafetiva de José de Nazaré, pai de Jesus Cristo

Levando-se em consideração os reflexos jurídicos aplicáveis à situação narrada, o conceito de afetividade é plenamente materializado, ou seja, ganha forma, pois o laço que José de Nazaré mantinha com Jesus deu a eles o status de "pai e filho".

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Em virtude da época do Natal, não se pode deixar de refletir sobre a história de vida de Jesus Cristo e de seu pai, José de Nazaré, que trouxe em si a exploração do conceito de afetividade.

A concepção de Cristo foi a mais diferenciada possível, se considerarmos que não obedeceu às relações humanas tradicionais.

Conta-se na bíblia que Maria, sua mãe, ainda virgem e noiva de seu pai socioafetivo, José, achou-se concebida pelo Espírito Santo (Mateus 1:18). O pai biológico de Cristo, então, foi o próprio Espírito Santo de Deus, que escolheu uma mulher para dar à luz àquele que seria considerado salvador da humanidade.

O noivo de Maria, num primeiro momento, não compreendeu o que havia ocorrido e desejou deixar a gestante secretamente, mas, em sonho, recebeu a revelação de que deveria recebê-la como sua esposa, pois o bebê que carregava em seu ventre era o filho de Deus.

José assim o fez. Se casou com a jovem Maria e criou a Cristo como se seu filho fosse.

Era um pai tão dedicado que ensinou a Jesus o ofício de carpinteiro (tal pai, tal filho).

No decorrer da história de vida de Cristo vê-se um acompanhamento de José, como quando o referido pai encontrou seu filho num templo de Jerusalém conversando com instrutores sobre Deus. O pai admirou-se pela desenvoltura do filho.

Crê-se que José tenha falecido antes da crucificação de Jesus, mas, enquanto esteve vivo, doou amor a Jesus sem qualquer limitação. Não existe qualquer registro na bíblia de que o fato de Jesus não ser filho biológico de José tenha causado qualquer desgaste na relação dos dois durante suas vidas, ao contrário, José sentia-se feliz por criar o filho de Deus.

Levando-se em consideração os reflexos jurídicos aplicáveis à situação narrada, o conceito de afetividade é plenamente materializado, ou seja, ganha forma, pois o laço que José de Nazaré mantinha com Jesus deu a eles o status de "pai e filho".

Como já dizia a ilustre jurista, Maria Berenice Dias (2006, p. 61), "os laços de afeto e de solidariedade derivam da convivência familiar, não do sangue. Assim, a posse do estado de filho nada mais é do que o reconhecimento jurídico do afeto, com o claro objetivo de garantir a felicidade, como um direito a ser alcançado. O afeto não é somente um laço que envolve os integrantes de uma família".

Que o exemplo de José possa inspirar homens que se encontrem em situação similar, para que eles sejam movidos pela afetividade, que é a verdadeira razão da paternidade.
_________________

*Paula Dias Cruz é advogada do departamento de Direito de Família e Sucessões do escritório Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados. Especialista em Direito Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Atualizado em: 7/10/2019 17:19

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Nicole Cunha

Nicole Cunha

Migalheira desde 2021
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020
Abel Simão Amaro

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Edvaldo Barreto Jr.

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020
Gisele Nascimento

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017
Allan de Oliveira Kuwer

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020
Márcio Aguiar

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020
Murillo de Aragão

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018
Marcelo Branco Gomez

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Publicidade