quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Você está preparado para a inovação trazida pelas Lawtechs?

Vanessa Vilarino Louzada

A inovação está chegando e com isso, fica fácil concluir que é muito difícil advogar, manter-se atualizado e competitivo, sem participar dessa transformação trazida pelas lawtechs.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Um dos maiores riscos que qualquer negócio ou profissional pode enfrentar, é a estagnação. Isso porque o mundo está em constante evolução. Muitas empresas, que um dia foram líderes de mercado, como a Kodak ou Blockbuster, deixaram de existir por negligenciar as inovações que estavam ocorrendo ao seu redor.

O direito é uma das áreas mais tradicionais e antigas da sociedade. Neste universo, enquanto a maior parte dos advogados ainda são conservadores e continuam direcionando o olhar para a natureza estritamente jurídica, o mundo, segue em constante evolução.

Porém, com a abundância da tecnologia, os caminhos estão tomando outra direção e a advocacia está tendo uma ruptura causada pela inovação.

Você que está lendo esse texto está atento à essas mudanças?

Imagino que possam existir dúvidas e receios do tipo: como a tecnologia pode se relacionar com o trabalho intelectual? Todavia, o que se vê atualmente são muitos advogados, exercerem papéis repetitivos, mecânicos, que não exigem um raciocínio crítico. Essas funções estão sendo gradativamente automatizadas com o uso da tecnologia através das chamadas lawtechs.

As lawtechs, também conhecidas como legaltechs, portanto, são empresas de tecnologia voltada para o setor Jurídico com o propósito de oferecer novas ideias e soluções, em forma de produto ou serviço, buscando aprimorar e resolver os principais problemas desse segmento.

O termo, derivado das palavras law e technology, parte da premissa de utilizar a tecnologia para facilitar a rotina jurídica e oferecer soluções tecnológicas que garantam otimização do tempo de uma advocacia ou departamento jurídico de empresas.

Segundo a AB2L, a Associação Brasileira de lawtechs e legaltechs, em novembro de 2018, o Brasil contava com mais de 120 empresas. No mundo já são mais de 1.500, de acordo com o Angel List e o Crunch Base.

O propósito dessas empresas é dar transparência, facilitar a rotina dos advogados, conectar cidadãos ao direito e mudar a forma de atuação do poder Judiciário, pois os números são surpreendentes.

O relatório Justiça em Números 2018, elaborado pelo Conselho Nacional da Justiça, mostra que em 2017 o número total de unidades judiciárias foi de 15.398. O Poder Judiciário teve uma despesa total de mais de R$ 90 bilhões, sendo sua maior parte destinada a recursos humanos.

Em relação aos números de processos, estes também só aumentam. Em 2017, foram 29,1 milhões de casos novos, 31 milhões de processos baixados, 80,1 milhões de casos pendentes e 14,5 milhões de processos suspensos. Segundo a OAB, Ordem dos Advogados do Brasil, o Brasil conta com mais de um milhão de advogados, número este que põe o Brasil na terceira colocação do país com mais advogados no mundo.

Com esses dados, o surgimento dessas tecnologias e iniciativas confirmam a necessária e profunda transformação do mercado jurídico, que nada mais é do que uma evolução da profissão do advogado e uma mudança de mindset, onde esse novo profissional utilizará a tecnologia como aliada para otimizar sua atuação.

Contudo, a maior parte do universo jurídico ainda não se deu conta da velocidade em que as mudanças estão ocorrendo e de toda essa transformação.

É tempo de repensar a forma de trabalho, as ferramentas utilizadas, a troca de experiências, a forma de ensino na área jurídica, as atuações e postura do chamado advogado 4.0.

O que vem acontecendo no setor jurídico é apenas um fragmento de um processo muito mais amplo de mudanças profundas ocorridas na sociedade recentemente, em todas as suas vertentes.

Assim, entender o que são lawtechs envolve enxergar que a tecnologia (assim como fez com a educação, finanças, medicina e mobilidade urbana, só para citar alguns exemplos) tende a redefinir por completo as Ciências Jurídicas nos próximos anos, impactando empresas, Judiciário, escritórios jurídicos e, é claro, cidadãos.

A inovação está chegando e com isso, fica fácil concluir que é muito difícil advogar, manter-se atualizado e competitivo, sem participar dessa transformação trazida pelas lawtechs.

Você estará preparado(a)?

__________

*Vanessa Vilarino Louzada é advogada do escritório Rosely Cruz Sociedade de Advogados, mestre em Direitos Difusos. Especialista em liderança e inovação. CEO Lawtech Deep Legal.

Atualizado em: 11/10/2019 17:11

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Publicidade