sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Os efeitos climáticos decorrentes do Brexit: ainda será possível solucioná-los?

O movimento Amigos da Terra (Friends of Earth) tem fortemente alertado o governo na inconsistência das medidas que vem adotando para refrear as emissões, com urgência, para manter o planeta com possibilidade de sobreviver.

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

O recente relatório da ONU sobre mudanças climáticas alerta que o mundo tem apenas 12 anos para reverter a possível catástrofe climática em discussão em todos os fóruns internacionais. E ela será progressiva, oscilando, afinal, a temperatura entre 1,5°C e 2°C sobre os índices meteorológicos para os países em que os cuidados e prevenções forem brexistas.

Certo é que, acima de 1,5°C, concretamente, ocorrerão o risco de inundações (aluviões, dilúvios), secas, a morte de corais e a extrema pobreza de milhões, dentre muitas outras consequências.

Então, a insistência no Brexit desenha um quadro muito complexo, porque, com certeza, o Brexit e a mudança climática se inter-relacionaram e como o Reino Unido poderá responder ambos desafios, que estão ligados.

Os ambientalistas ingleses, desde julho do ano passado, vêm insistindo que, sem acordo bem planejado, aceito e implementado - como parece que vai não ocorrer -, será difícil ao Reino Unido atingir suas metas de redução das emissões, a longo prazo, as contas do consumo energético subirão com dramáticos efeitos para os consumidores e enfraquecerá o investimento na crítica infraestrutura energética.

Mais ainda - com interesse direto para os juristas interessados nas repercussões - os laços com a Corte da Justiça Europeia serão cortados e, em acréscimo a volta ao passado, o fim da participação do Reino Unido no conhecido e respeitado EU Business Trade Scheme! O resultado será um tremendo hiato, suspensão ou cancelamento de negócios (sobretudo com a Comunidade Europeia) e a perda de mais de £ 530 milhões de libras, em receitas de operações mercantis e financeiras para o governo do Reino Unido.

O movimento Amigos da Terra (Friends of Earth) tem fortemente alertado o governo na inconsistência das medidas que vem adotando para refrear as emissões, com urgência, para manter o planeta com possibilidade de sobreviver. E mais ajuda a crítica da sua incapacidade de gerir o problema, porque o país, sozinho, nada poderá pretender diante da irrefutabilidade da ciência e de suas advertências. E a ciência exige até resposta dos consumidores na ascensão às medidas, que devem ser acompanhadas, pela efetiva participação do governo para fazer as mudanças legislativas compatíveis e indispensáveis para criar ambiente corporativo e participativo de toda a população.

2040 é distante? Não, se não se coibirem, além do mais, canudos, copos, pratos e toda a parafernália plástica que polui os oceanos e chegam às praias de todo o mundo.

Concluindo, Scott Barrett, professor da Universidade de Columbia, diante da tragédia já prenunciada há mais de meio século por cientistas, que engloba o Brexit, adverte: "No entanto, chegou a hora de contemplar outras soluções mais radicais. O relatório especial do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas de outubro de 2018 concluiu que a limitação da mudança de temperatura para 1,50°C não pode ser alcançada pela simples redução das emissões, mas exige a remoção do C02 da atmosfera. O único verdadeiro "mecanismo de apoio" para limitar as mudanças climáticas é a remoção do C02 pelos processos industriais, o que converte o problema de um comportamento em mutação para um de financiamento conjunto de um projeto de grande escala. Outra opção, a geoengenharia solar, atua diretamente na temperatura média global, mas é considerada arriscada. Claro, não a usar também pode ser arriscado. No final, independentemente dos caminhos a seguir, teremos que escolher entre os riscos para abordar a escala desse problema e alcançar, em vez de simplesmente aspirar, uma ação coletiva global sobre a mudança climática."1

__________

1 Science, 14 de dezembro de 2018. Vol. 362, issue 6420, p. 1217.

__________

*Jayme Vita Roso é advogado e fundador do site Auditoria Jurídica.

Jayme Vita Roso

Atualizado em: 14/10/2019 18:05

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Publicidade