quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Possibilidade de exclusão do ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL

Bruna Caroline Marques Almeida

Para as empresas que estão sob o regime do lucro presumido é necessário ajuizar medida judicial com o fim de garantir a exclusão do ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, bem como a possibilidade de reaver os valores pagos indevidamente nos últimos 5 (cinco) anos.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Sabe-se que o ICMS (Imposto sobre Operações relativas a Circulação de Mercadorias e Serviços) é alvo das mais diversas discussões no Direito Tributário, dado a sua alta complexidade.

Vale ressaltar que o ICMS é um imposto indireto, de competência estadual que incide sobre circulação de mercadorias e prestações de serviços específicas, onde a pessoa jurídica é mero repassador da receita pública, o qual é regulamentado pela LC 87/96, também conhecida como Lei Kandir.

Nesse contexto, depois de muito discutir se o ICMS compunha ou não a base de cálculo das contribuições, em março de 2017, o STF finalmente decidiu pela inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, o qual tratou o REsp 574.706/PR (com repercussão geral reconhecida) que esclareceu que o ICMS não é faturamento e por esta razão não compõe a base de cálculo das referidas contribuições.

Inicialmente, cumpre esclarecer que a contribuição ao Programa de Integração Social (PIS) fora instituída pela LC 7/70, antes do advento da Constituição Federal, com o fim de promover a integração do empregado na vida e no desenvolvimento das empresas.

Enquanto que a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), o próprio nome já o elucida, foi instituída pela LC 70/91.

Para efeitos de recolhimento, a base de cálculo das referidas contribuições é o faturamento, conforme disposto no artigo 195, inciso "I", letra "b" da Constituição Federal, nos termos a seguir:

"Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos dos orçamentos da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, e das seguintes contribuições sociais:

I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre:

(...)

b) a receita ou faturamento;"

Desta feita, a Receita Federal até o julgamento do RE 574.706, aplicava o entendimento que o ICMS compunha a base de cálculo do PIS e da Cofins, considerando-o assim, receita operacional bruta devida por pessoa jurídica.

Todavia, o STF entendeu que o ICMS não caracterizava faturamento ou receita bruta do contribuinte, uma vez que os valores destacados deveriam ser repassados ao fisco estadual.

De fato, é expressiva e de se comemorar a vitória dedicada aos contribuintes de um país com uma das mais altas cargas tributárias do mundo.

A partir disso, e por analogia ao entendimento firmado acima, foram ajuizadas ações contra a União com o intuito de ser apurado os tributos de IRPJ e a CSLL sem a inclusão do ICMS, uma vez que o ICMS não foi considerado como receita/faturamento das empresas pelo STF, e sim um repasse para o Estado, no mesmo diapasão do supra explanado.

Denota-se que a tese vem ganhando força no judiciário, onde estão sendo proferidas decisões, com base no RE 574.706, fundamentando que ambos os tributos remetem à receita bruta como base de cálculo em relação aos contribuintes que optarem por declarar o lucro presumido, permitindo então uma redução significativa nos tributos.

Sendo assim, para as empresas que estão sob o regime do lucro presumido é necessário ajuizar medida judicial com o fim de garantir a exclusão do ICMS da base de cálculo do IRPJ e da CSLL, bem como a possibilidade de reaver os valores pagos indevidamente nos últimos 5 (cinco) anos.

__________

*Bruna Caroline Marques Almeida é advogada da área tributária do escritório Duarte e Tonetti Advogados Associados.

Atualizado em: 16/10/2019 18:25

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Publicidade