quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Sonhar a justiça

Está no site do STJ (Superior Tribunal de Justiça) destaque para o desempenho institucional expresso em números de processos, revelando-se a marca de dois milhões de julgados desde sua criação pela CF/88. Registra-se que o STJ ao entrar em funcionamento, no ano seguinte julgou pouco menos de quatro mil processos. Certamente, o número é um marco, como é verdadeiro o empenho de seus ministros e servidores, dito na matéria.

quarta-feira, 6 de setembro de 2006


Sonhar a justiça

 

Adriano Pinto*

Está no site do STJ (Superior Tribunal de Justiça) destaque para o desempenho institucional expresso em números de processos, revelando-se a marca de dois milhões de julgados desde sua criação pela CF/88.

 

Registra-se que o STJ ao entrar em funcionamento, no ano seguinte julgou pouco menos de quatro mil processos.

 

Certamente, o número é um marco, como é verdadeiro o empenho de seus ministros e servidores, dito na matéria.

 

Equivocado, porém, é contrapor à demonstração de busca do controle judicial sobre a aplicação do direito federal, uma vista de utilização abusiva, quando se tem uma produção de leis sob encomendas governamentais, geralmente em descompasso com os valores e princípios constitucionais, na contramão dos sentimentos sociais e, sobretudo, quando o autoritarismo do mundo oficial é responsável pela dimensão quase absoluta do número de causas judiciais.

 

Dessa forma, não existe o uso abusivo de recursos processuais, senão pelos entes públicos, contra os quais se deveria ter, aí sim, a aplicação de súmulas vinculativas e impeditivas, porque para os governados, os administrados, o controle judicial há de ter acesso amplo, ilimitado, viabilizando  uma prestação jurisdicional mais eficiente, fundada na idéia democrática de que o Estado é que deve servir à Sociedade e não o contrário, como se faz corrente na prática processual.

 

É verdade, como diz o ministro Nilson Naves que a Constituição despertou o povo, levando-o a buscar o Judiciário, e que o STJ conquistou amplo espaço no seio da sociedade, mas, infelizmente, basta comparar os julgados dos anos iniciais, as teses e debates dos primeiros anos, com as posições adotadas nos dias atuais, para ver que o desempenho do Tribunal do Direito Federal está muito mais para uma sintonia com os grandes interesses governamentais do que, para compreender e socorrer os danos causados à cidadania, aos administrados, aos jurisdicionados.

 

Infelizmente, para reagir à sobrecarga de processos sobre os 33 ministros, em uma demanda que triplicou nos últimos quatro anos, o espírito democrático que dominava o STJ vem sendo substituído pelo pragmatismo da construção de barreiras de acesso ao controle judicial do direito federal aplicado e, pela adesão aos meros interesses governamentais e administrativos como se fossem eles as prioridades a serem consagradas pelo auto denominado  tribunal da cidadania.

 

É triste que a pressão dos milhares de processos induza à defesa de um filtro seletivo que obste a subida deles, como faz o ministro Barros Monteiro, argüindo a existência de processos desprovidos de relevância jurídica, como se esta estivesse na visão do julgador e, não no sentimento de vida que eles têm para os jurisdicionados. Também concorre contra a cidadania que se possa pretender, cada vez mais, a infalibilidade individual do relator de um processo, para negar a revisão colegiada, única forma de minimizar a falibilidade humana dos julgadores.

Essa impregnação de valores meramente operacionais, gerenciais, é que produz a aceitação da súmula impeditiva de recursos e a possibilidade de lei ordinária estabelecer os casos de inadmissibilidade de recurso especial, como faz o Presidente do STJ.

 

Mais penoso ainda, é ver essa posição compartilhada pela ministra Eliana Calmon, primeira mulher a integrar a Corte, no ano de 1999, que ainda sugere a instituição da cobrança de custas no STJ como desestímulo à busca do controle judicial.

 

Existe um grande equívoco na repulsa dessa busca desesperada dos jurisdicionados pela Corte do Direito Federal, dada uma realidade de vida, na qual, os jurisdicionados tendem a considerar que, a instância extraordinária pode socorrê-los contra as produções judiciais locais, onde os fatores econômicos, políticos, corporativos, e muitos outros, são potencializados para interferir na qualidade do controle judicial.

 

Na verdade, o sonho do magistrado não pode ser apenas a sua produção numérica de julgados, mas, obviamente, a qualidade deles que não se revela na erudição acadêmica, mas, na consagração dos valores e sentimentos sociais.

 

Como disse o Ministro Peçanha Martins em afirmativa lapidar, que tenho em memória sem tempo para localizar o julgado, a sabedoria que se adequa ao desempenho da missão do STJ não será aquela correspondente à erudição doutrinária, mas extraída do conhecimento da vida social. 

______________

* Advogado do escritório Adriano Pinto & Jacirema Moreira - Advocacia Empresarial









___________

Atualizado em: 5/9/2006 12:18

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Ricardo Pagliari Levy

Migalheiro desde 2019

Irini Tsouroutsoglou

Migalheira desde 2020

Cheuri Prade

Migalheira desde 2020

Henderson Fürst

Migalheiro desde 2019

Eduardo Ribeiro Augusto

Migalheiro desde 2006

Roberto Algranti Filho

Migalheiro desde 2020

Igor Kubaski

Migalheiro desde 2020

André Santos

Migalheiro desde 2020

Luiz Gustavo de Oliveira

Migalheiro desde 2020

Leonardo Amarante

Migalheiro desde 2019

Mariana Pigatto Seleme

Migalheira desde 2016

Publicidade