sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A responsabilidade na sucessão de empregadores e dos sócios

Pode ser observado que houve uma preocupação do legislador em tratar, com maior clareza, a questão relativa à responsabilização dos sócios em caso de descumprimento de obrigações decorrentes do contrato de trabalho.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Com o advento da reforma trabalhista e sua consequente entrada em vigor, pode ser observado que houve uma preocupação do legislador em tratar, com maior clareza, a questão relativa à responsabilização dos sócios em caso de descumprimento de obrigações decorrentes do contrato de trabalho. 

As principais modificações aconteceram no que diz respeito à sucessão de empregadores, bem como em relação ao tempo da responsabilidade dos sócios, após a retirada das sociedades que integravam.  

Merece destaque, também, a inclusão no processo do trabalho do incidente de desconsideração da personalidade jurídica. 

No que tange à sucessão de empregadores a CLT já previa que "qualquer alteração na estrutura jurídica da empresa não afetará os direitos adquiridos por seus empregados". 

Aqui a novidade trazida com a lei 13.467/17 foi a adição do artigo 448-A e do seu parágrafo único, que estabelecem:

Art. 448-A. Caracterizada a sucessão empresarial ou de empregadores prevista nos arts. 10 e 448 desta Consolidação, as obrigações trabalhistas, inclusive as contraídas à época em que os empregados trabalhavam para a empresa sucedida, são de responsabilidade do sucessor.

Parágrafo único.  A empresa sucedida responderá solidariamente com a sucessora quando ficar comprovada fraude na transferência. 

Assim, o legislador deixou evidente que, na sucessão empresarial ou de empregadores, o sucessor é quem deve responder pelas obrigações trabalhistas, inclusive aquelas anteriores à sua formalização, salvo se "ficar comprovada fraude na transferência".

Com a reforma foi acrescentado também o artigo 10-A, na CLT, que prevê a responsabilidade subsidiária do sócio retirante relativamente ao período em que figurou na sociedade.

No entanto, somente será aplicada tal responsabilidade às ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato.

Disposições semelhantes já eram previstas no paragrafo único, do artigo 1003, e artigo 1032, do Código Civil Brasileiro, que apesar de fazerem referência à responsabilidade solidária e não subsidiária, eram utilizadas de forma analógica ao processo do trabalho.

Destaca-se que, por se tratar de responsabilidade subsidiária o legislador, nos incisos do artigo 10-A, da CLT, elencou a ordem de preferência que deverá ser seguida para buscar o adimplemento da obrigação.

Primeiramente, responde a empresa ou o devedor principal. Se não for possível a satisfação do crédito em sua Imagem relacionadaintegralidade, tal responsabilidade recai sobre os atuais sócios. O sócio retirante, se necessário, completa a "cadeia de responsabilidades'', podendo ser demandado se as hipóteses anteriores não lograrem êxito.

A responsabilidade do sócio retirante sofrerá alteração em uma hipótese: Em caso de fraude comprovada na alteração societária a mesma passará a ser solidária com os demais sócios, conforme previsão do parágrafo único, do artigo 10-A, da CLT.

Finalmente, passamos a discorrer sobre o incidente de desconsideração da personalidade jurídica.  

A lei 13.467/17 acrescentou à CLT o artigo 855-A. O texto consagra que "aplica-se ao processo do trabalho o incidente de desconsideração da personalidade jurídica previsto nos arts. 133 a 137 da lei no 13.105, de 16 de março de 2015 - Código de Processo Civil."

Lembre-se que nos dizeres de Willian Pestana, em artigo intitulado "sucessão trabalhista e os limites para responsabilização do sócio retirante", o instituto deve ser aplicado "somente quando houver necessidade de despir a sociedade empresária e alcançar o patrimônio dos sócios", sendo que a sua incidência precede "da ausência de bens da executada, passíveis de garantir a satisfação da dívida, de modo que a fraude patrimonial é presumida, diante do inadimplemento da obrigação, de caráter alimentar". 

Diante dos fundamentos acima abordados, pensamos que a lei 13.467/17 trouxe consideráveis avanços na legislação trabalhista ao disciplinar de forma clara as normas que regulamentam a responsabilidade dos sócios retirantes das sociedades empresárias, a responsabilidade pelas obrigações trabalhistas nas sucessões de empregadores, bem como a respeito da aplicação, no processo do trabalho, do incidente de desconsideração da personalidade jurídica. 

_________

*Orlando José de Almeida é advogado sócio de Homero Costa Advogados.

*Bernardo Gasparini Furman é colaborador de Homero Costa Advogados.

Atualizado em: 10/4/2019 12:59

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020
Antonio Pessoa Cardoso

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004
Marcelo Branco Gomez

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011
Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005
Júlio César Bueno

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019
Valmir Pontes Filho

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004
Paulo Henrique Cremoneze

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019
Giselle Farinhas

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017
Miguel Reale Júnior

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003
Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Publicidade