sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

TST reconhece que empregados só anotem a jornada extraordinária

O chamado "ponto por exceção" é aquele em que há marcação apenas da jornada extraordinária eventualmente realizada, ou seja, dispensa o empregado de anotar sua entrada, saída e intervalos. O profissional apenas marca as horas extras realizadas, por exemplo, não tendo que se preocupar com o início e o término da jornada.

segunda-feira, 29 de abril de 2019

As "inovações" e previsões da reforma trabalhista começam, finalmente, a surtir efeito, em especial nas decisões das Cortes Superiores: Ao final do mês passado, o TST reconheceu a validade da marcação de ponto "por exceção" desde que haja previsão em norma coletiva (TST-RR-1001704-59.2016.5.02.0076).

O chamado "ponto por exceção" é aquele em que há marcação apenas da jornada extraordinária eventualmente realizada, ou seja, dispensa o empregado de anotar sua entrada, saída e intervalos. O profissional apenas marca as horas extras realizadas, por exemplo, não tendo que se preocupar com o início e o término da jornada.

Mesmo assim, até este recente precedente do TST, a jurisprudência era refratária neste tema, sempre atestando pela invalidade nesta modalidade de controle de jornada, pois contrário ao regramento previsto na CLT (artigo 74, §2º), isto é: estabelecimentos com mais de 10 empregados obrigatoriamente exercem o controle de jornada de forma mecânica, eletrônica ou manual.

O que ocorria, na prática, é que em uma ação trabalhista é o empregador com mais de 10 empregados quem tem que demonstrar o registro da jornada de trabalho (súmula 338 do TST). Se não exibir esse documento ou sendo ele feito de forma diferente que o descrito na CLT, como o ponto por exceção, presume-se verdadeira a jornada alegada na ação (uma presunção relativa/parcial que admite prova em contrário, mas já obsta grande parte a defesa do empresário).

É nesse contexto que a recente decisão do TST se mostra um avanço neste assunto e da esperada atenção e cumprimento da Corte Superior à reforma trabalhista.

Entre as alterações da lei 13.467/17 está a prevalência do negociado sobre o legislado (artigo 611-A da CLT), incluindo, em especial, no rol de possibilidade desta negociação a "modalidade de registro de jornada de trabalho" (inciso X do artigo 611-A da CLT).

Portanto, era inconcebível que a jurisprudência ou doutrina se mantivessem ainda resistentes à negociação coletiva com relação a este tema.

Importante destacar ainda que, o processo de negociação coletiva nada mais é que concessões mútuas, de forma que o resultado seja benéfico às partes. As cláusulas decorrentes da negociação coletiva não devem ser interpretadas de forma individualizada, sob pena do desiquilíbrio da negociação coletiva.

O máximo relacionado ao controle de jornada existente até então era a permissão de utilização de controle de ponto eletrônico diverso do aprovado pela Superintendência Regional do Trabalho (portaria 1510), o chamado "Sistema Alternativo de Ponto Eletrônico" regulado pela portaria 373 e que também exige a chancela do sindicato. Mesmo assim, a possibilidade aqui é utilizar meios distintos, pois o controle integral (entrada, saída e intervalos) se mantém.

O fomento às negociações sindicais é crucial para a desburocratização das relações de trabalho e dinâmica que o mundo moderno demanda.

O sindicato de determinada categoria profissional tem plena condição de averiguar se aquela estrutura de trabalho e atividade permitem um controle de jornada alternativo ou não e em contrapartida negociar outras condições e exigências.

Em paralelo, a cada dia temos ferramentas mais modernas de controles alternativos de jornada, incluindo aplicativos de celular que permitem não apenas o efetivo acompanhamento da duração do trabalho, mas da própria produtividade do empregado, facilitando a burocracia das áreas de recursos humanos.

Positivo poder acompanhar a evolução da jurisprudência em um tema tão corriqueiro nas empresas, cuja evolução é imprescindível face às mudanças nas relações de trabalho.

______________

*Fernanda Muniz Borges é sócia da da área trabalhista do FAS Advogados - Focaccia, Amaral, Pellon e Lamonica Advogados.

*Jacques Rasinovsky é sócio da área trabalhista do FAS Advogados - Focaccia, Amaral, Pellon e Lamonica Advogados.

 

Atualizado em: 30/9/2019 13:56

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Publicidade