sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Compra e venda de imóveis ou loteamento? Entenda as novas regras das leis que regem esse tema

Luis Felipe Dalmedico, Maria Vitória Alves e Talita Orsini de Castro

A nova lei prevê que contratos de compra e venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão de unidades autônomas integrantes de incorporação imobiliária deverão ser iniciados por um "quadro-resumo", o qual deverá conter, além de outras informações, as consequências da extinção do contrato, com destaque negritado para as penalidades aplicáveis e para os prazos de devolução de valores ao comprador.

terça-feira, 30 de abril de 2019

No final do ano passado, entrou em vigor a lei 13.786, a qual alterou as leis que regem a incorporação imobiliária e o parcelamento de solo urbano, para disciplinar, principalmente, as novas regras referentes aos direitos e deveres das partes nos casos de extinção de contratos de aquisição de imóveis em regime de incorporação imobiliária e loteamento. Todavia, as novas regras desencadearam algumas dúvidas as quais serão abordadas a seguir.

A nova lei prevê que contratos de compra e venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão de unidades autônomas integrantes de incorporação imobiliária deverão ser iniciados por um "quadro-resumo", o qual deverá conter, além de outras informações, as consequências da extinção do contrato, com destaque negritado para as penalidades aplicáveis e para os prazos de devolução de valores ao comprador.

Dentre as hipóteses de extinção do contrato e as respectivas consequências, se o contrato tiver sido firmado em estandes de vendas ou fora da sede do incorporador, o comprador poderá desistir do contrato em até sete dias e terá o direito de receber integralmente todos os valores eventualmente antecipados, inclusive o sinal e a comissão de corretagem.

Outro ponto trazido pela nova lei diz respeito ao atraso na entrega da obra pelo incorporador. Nesse caso, a nova lei autoriza que o incorporador atrase a entrega do imóvel em até 180 dias corridos, contados da data estipulada contratualmente como data prevista para a conclusão do empreendimento, sem que qualquer penalidade ou ônus seja imputado ao incorporador, não podendo tal atraso servir de motivo para a extinção do contrato por parte do comprador. Essa já era, de fato, uma condição presente na maioria dos contratos que envolvem a compra e venda de unidades autônomas imobiliárias - condição que, agora, passa a constar também no texto da lei.

No entanto, se o atraso para a conclusão do imóvel for superior a 180 dias, o comprador poderá desfazer o contrato com direito a receber a integralidade dos valores pagos, corrigidos monetariamente, além de eventual multa prevista. Ou, então, poderá optar por manter o contrato atrasado e receber uma indenização de 1% do valor já pago ao incorporador, para cada mês de atraso, com correção monetária conforme índice estipulado em contrato.

Além disso, a nova lei estabelece que se o contrato for desfeito por vontade do comprador e do incorporador (distrato), ou o contrato for desfeito apenas pelo incorporador no caso de inadimplência do comprador, o comprador terá direito de receber os valores pagos, atualizados com base no índice contratualmente estabelecido para a correção monetária das parcelas do preço do imóvel, mas serão deduzidos de tal valor, cumulativamente:

 

  1.  A quantia paga referente à comissão de corretagem; e
  2. Multa compensatória de até 25% do valor pago ou, se houver patrimônio de afetação, até 50%. Importante observar que para exigir tal multa compensatória, o incorporador não precisa demonstrar que sofreu prejuízo.

Em caso do contrato ser desfeito, nas hipóteses acima menciona, após a entrega do imóvel ao comprador, além dos valores mencionados acima, serão também deduzidos:

 

  1. Impostos incidentes sobre o imóvel;
  2. Cotas de condomínios e associações de moradores;
  3. Valor correspondente à utilização do imóvel equivalente a 0,5% sobre o valor atualizado do contrato; e
  4. Demais encargos incidentes sobre o imóvel e despesas previstas no contrato, decorrentes do tempo em que o imóvel ficou disponível ao comprador.

Nos termos da nova lei, o comprador estará isento da multa compensatória caso venda o imóvel para outra pessoa interessada.

Uma vez deduzidos os valores, o incorporador deverá devolver a quantia remanescente ao comprador, em parcela única, em até 30 dias após o habite-se ou documento equivalente, caso se trate de incorporação submetida ao regime de patrimônio de afetação, ou em até 180 dias, contados da data de desfazimento do contrato, se o empreendimento não estiver submetido a esse regime.

Por fim quanto à incorporação imobiliária, é importante observar que a nova lei prevê que o distrato poderá estabelecer regras diferentes das que foram apresentadas acima.

Em relação aos negócios de compra e venda de imóveis resultantes de parcelamento do solo (loteamento), a nova lei também prevê a obrigatoriedade do "quadro-resumo" para os respectivos contratos.

E, com relação à extinção do contrato de compra e venda resultante de loteamento, a nova lei prevê que, quando a extinção é, por fato, imputada ao comprador (resolução), serão devolvidos ao comprador os valores pagos por ele, atualizados com base no índice contratualmente estabelecido para a correção monetária das parcelas do preço do imóvel, sendo descontados os seguintes valores:

 

  1.  Comissão de corretagem;
  2.  Multa compensatória, limitada a 10% do valor atualizado do contrato;
  3. Impostos incidentes sobre o imóvel, cotas condominiais e contribuições associativas, bem como tributos, custas e emolumentos incidentes sobre a restituição;
  4. Valor a título de fruição do imóvel, limitado a 0,75% do valor atualizado do contrato;
  5. Encargos moratórios.

A devolução do saldo do valor remanescente ao comprador será em até 12 parcelas mensais, cujo primeiro pagamento será em até 180 dias contados da data prevista para a conclusão das obras já em andamento, e em até 12 meses contados da data do desfazimento do contrato no caso das obras já concluídas.

Dessa forma, com a nova lei surgem novos pontos que devem ser observados durante a elaboração dos contratos de compra e venda, promessa de venda e cessão ou promessa de cessão de unidades autônomas integrantes de incorporação imobiliária e de loteamento.

__________

*Luis Felipe Dalmedico é sócio e head da área de direito contratual do escritório Finocchio & Ustra.

*Maria Vitória Alves e Talita Orsini de Castro são advogadas da área de direito contratual do escritório Finocchio & Ustra.

Atualizado em: 30/9/2019 16:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Publicidade