segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Novo entendimento jurisprudencial que limita o prazo de prorrogação dos contratos de locação não residenciais nas ações renovatórias

É preciso que os operadores do direito trabalhem, especialmente no âmbito do STJ, para pacificar a correta aplicação da norma legal em questão, garantindo a todos os jurisdicionados o direito líquido e certo da correta fixação do prazo de renovação dos contratos de locação não residenciais.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

O STJ está consolidando novo posicionamento para restringir o prazo de renovação judicial dos contratos de locação não residenciais pelo prazo máximo de cinco anos, independentemente do pacto renovando ser superior a esse período.

Com efeito, o precedente estampado no julgamento do REsp 1323410/MG, de relatoria da ministra Nancy Andrighi, que limita a renovação do contrato de locação não residencial ao prazo de cinco anos, passou a ser largamente adotado pelo STJ, afastando-se - e, consequentemente, fazendo letra morta do artigo 51 da lei de locações -, do entendimento até então vigente que reconhecia o direito de renovação contratual por idêntico prazo da avença anterior.

Esse anterior entendimento, relembre-se, encontrava respaldo nos RESp 2.778/DF (ministro relator Waldemar Zveiter), 547.369/MG (ministro relator Felix Fischer) e 693.729/MG (ministro relator Nilson Naves) e afirmava que o locatário  tinha o direito de prolongar o contrato pelo mesmo período em que ele vigorou entre as partes, ou seja, sem qualquer limitação à renovação por prazo superior a cinco anos, permitindo-se a extensão contratual por dez, quinze, ou vinte anos, por exemplo. A única ressalva feita seria quanto a hipótese de soma de contratos, onde nesta específica situação a renovação não poderia ultrapassar o prazo de cinco anos.

Ousamos divergir dessa alteração jurisprudencial operada pelo STJ, na medida em que o precedente do REsp 1323410/MG foi examinado e julgado sob determinadas e específicas circunstâncias e que, por essa razão, não pode ser adotado de forma indistinta em todos os demais casos envolvendo esse tema. Destaque-se que os Tribunais locais vêm divergindo sobre essa questão, trazendo enorme insegurança jurídica aos empresários e comerciantes.

Nessa ótica, considerando que o art.51 da lei de locações permanece hígido e que sua interpretação não deixa margem para dúvidas, é preciso que os operadores do direito trabalhem, especialmente no âmbito do STJ, para pacificar a correta aplicação da norma legal em questão, garantindo a todos os jurisdicionados o direito líquido e certo da correta fixação do prazo de renovação dos contratos de locação não residenciais, pondo um fim, com isso, à insegurança jurídica atualmente em vigor.

___________

*Rodrigo Rocha de Souza é sócio do escritório Dannemann Siemsen.

 

*Walter Basilio Bacco Junior é sócio do escritório Dannemann Siemsen.

Atualizado em: 7/5/2019 13:45

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Publicidade