segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Mudanças significativas no mercado de crédito e inovação

Rafael Albuquerque

O cenário da criação da ESC e Inova Simples, apesar de favorável, demanda atenção dos agentes de mercado aos desdobramentos das novas figuras jurídicas disponíveis.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Com a sanção da lei que cria a Empresa Simples de Crédito (ESC) pelo presidente Jair Bolsonaro, dia 24, espera-se que além da injeção de R$ 20 bilhões, por ano, em novos recursos para os pequenos negócios no Brasil, prevista pelo governo, o cenário de empréstimos, concessão de créditos e empresas inovadoras no Brasil seja consideravelmente alterado.

Apesar da receita bruta anual das ESC ser limitada à 4,8 milhões de reais ao ano, não se aplicam à ESC as limitações à cobrança de juros previstas no decreto 22.626, de 7 de abril de 1933 e no Código Civil.

A limitação de juros é aplicada a outros agentes que praticam empréstimos no mercado, a exemplo de investidores, baseada na taxa em vigor para pagamento da mora de impostos à Fazenda Nacional, sendo atualmente a taxa SELIC.

Com a inaplicabilidade do limite de juros aos contratos de empréstimo e mesmo considerando o regime tributário da ESC, muitos grupos de investidores e empresas que almejavam se assemelhar à instituições financeiras poderão optar em constituir a nova figura jurídica, em razão da maior amplitude da remuneração dos contratos de empréstimo, o que pode não ser tão vantajoso para os tomadores de crédito.

Uma outra figura criada no mesmo projeto de lei 135/18, que regula a ESC, foi o Inova Simples, regime especial simplificado para abertura e fechamento que se autodeclarem como startups ou empresa de inovação, desde que tenham iniciativas empresarias de caráter incremental (aperfeiçoa algo existente) ou disruptivo (cria algo totalmente novo).

O Inova Simples servirá para abertura e fechamento da empresa de forma simplificada e automática, no site da Rede Nacional para Simplificação do Registro da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), por meio da utilização de formulário digital próprio.

Contudo, apesar de facilitar a agilizar o procedimento, o formulário do Redesim, não contempla as regras de governança corporativa que são extremamente importantes para uma startup, como direitos e deveres dos sócios, regras de votação na empresa, dentre outros temas. Com simples preenchimento de qualificação, atividade da empresa, endereço, autodeclaração de não poluição e existência de incentivos o CNPJ já é gerado para a empresa.

Assim, o cenário da criação da ESC e Inova Simples, apesar de favorável, demanda atenção dos agentes de mercado aos desdobramentos das novas figuras jurídicas disponíveis.

Em analogia, é possível citar o autor das obras Sapiens e 21 lições para o século 21, o historiador e professor isralense Yuval Noah Harari, que provoca com a seguinte reflexão: "Encontramos soluções para problemas antigos, mas essas soluções, por sua vez, criam novos problemas que não sabemos como resolver."

__________

*Rafael Gonçalves de Albuquerque é advogado especialista em governança corporativa no Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados e advogado no BNZ Innovation.

 

Atualizado em: 7/5/2019 15:07

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Publicidade