sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Oportunidades na aproximação brasileira de mercados asiáticos

Josemar Franco e Igor Celeste

Se o Brasil quiser ter mais protagonismo nesses mercados, será necessário, além de potencializar ações de promoção comercial, avaliar acordos comerciais entre o Mercosul e a ASEAN. Um bom início para essas negociações é a negociação em andamento entre o Mercosul e Cingapura.

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Com a retração do crescimento econômico dos países europeus e dos Estados Unidos, a Ásia está retomando o seu lugar como o centro econômico do mundo. Em particular, destaca-se o Sudeste asiático, mercado pouco explorado pelo Brasil, e a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), bloco econômico com mais de 600 milhões de habitantes e que engloba dez países. 

Segundo dados do International Trade Center (ITC), em 2018, os países da ASEAN representaram 7,5% das importações mundiais. Há cinco anos atrás, em 2014, essa participação era de 6,5%. Houve, portanto, um dinamismo maior das compras internacionais dessa região em relação ao mundo.

Mesmo em um cenário desafiador do comércio internacional, o crescimento médio anual das importações desses países foi de 4,3% contra 0,26% do resto do mundo entre 2014 e 2018. De forma semelhante ao modelo chinês, esses países apresentaram forte crescimento econômico ancorado nas exportações, se beneficiando do Investimento Estrangeiro Direto asiático e da sua integração nas cadeias globais de valor, o que possibilitou também a ampliação de suas importações.

Paradoxalmente, no período analisado, o Brasil perdeu participação nesses mercados. Em 2018, nosso market share nas importações da ASEAN foi de 0,69% contra 0,87% em 2014. Esse bloco representou 4,8% das nossas exportações para o mundo em 2018, chegando a US$ 11,6 bilhões, com crescimento de 4,5% em relação a 2017. 

Em 2014, o bloco do Sudeste Asiático representava 5% das nossas exportações para o mundo. Percebe-se, portanto, que é fundamental que o Brasil retome e amplie seu posicionamento nesse mercado, de modo a ampliar a relação comercial com os países da região, até porque somos superavitários nessa relação.

Alguns de nossos setores de "Alimentos, bebidas e agronegócios" possuem alto interesse nesses mercados, como as cadeias de soja; milho; carne de frango; reciclagem animal; couro e peles e etanol e derivados.

No caso do setor de couros e peles, por exemplo, de forma a atender o crescente setor calçadista desses mercados, mantivemos, em 2017, participação de 7,3% e 7,6% no Vietnã e na Tailândia, principais importadores da região. 

Conforme o "Mapa Estratégico de Mercados da ApexBrasil"1, alguns cases de sucesso em setores de maior valor agregado também podem ser destacados. Por exemplo, entre 2014 e 2017, as exportações de "Máquinas e aparelhos de uso agrícola, exceto trator" do Brasil para a Tailândia cresceram 32,6% em média ao ano. Atualmente o Brasil detém uma participação de 10% nesse mercado. 

Já para a Malásia, nossas exportações de "Tratores" cresceram em média 189% ao ano no mesmo período e mantivemos uma participação de 8,4% nesse setor nas importações malaias em 2017.

Para a Indonésia, país com a quarta maior população do mundo, nossa exportação de "Produtos farmacêuticos" Resultado de imagem para mercado asiáticocresceu 56,6% em média ao ano, no mesmo período, possibilitando um market share de 3,5% do Brasil nesse país em 2017. Vale destacar que a expectativa de vida nesse país cresceu dramaticamente entre 1970 (45 anos) e 2010 (69 anos para homens e 71 para mulheres), o que vem abrindo espaço para esse tipo de produto. 

O bloco do Sudeste Asiático já possui uma extensa rede de acordo com mercados estratégicos da Ásia e da Oceania como China, Índia, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia, os quais além das preferências tarifárias, ainda contam com proximidade geográfica e redes logísticas altamente integradas. 

Além disso, alguns dos países da ASEAN são signatários do CPTPP (Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífico), o que amplia sua abertura tarifária a parceiros das Américas, como Canadá, México, Peru e Chile. 

Vale destacar que, do ponto de vista ofensivo e de exportações, a ASEAN pode ser um dos melhores mercados para a celebração de acordos por parte do Brasil. Ao longo da última década, os países membros do bloco apresentam elevados índices de crescimento e expressiva participação no comércio internacional. O Brasil, que registrou intercâmbio comercial de aproximadamente US$ 19,5 bilhões com a ASEAN em 2018, ganharia ainda mais no aprofundamento das relações com o com o bloco.

O novo governo brasileiro parece despertar para isso. A coordenação de políticas e de medidas econômicas e comerciais voltadas, entre outras áreas de interesse do governo, para a aproximação com os países da Ásia-Pacífico é perceptível nas missões da Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Tereza Cristina, e do Secretário-Adjunto de Comércio e Relações Internacionais do MAPA, Flávio Bettarello à Ásia no início de maio.

As agendas da Ministra - China, Japão, Indonésia e Vietnã - e do Secretário-Adjunto - Filipinas, Taiwan, Tailândia e Vietnã - são parte dos esforços do governo brasileiro de abertura de novos mercados para produtos brasileiros, como frutas e carnes, além da manutenção e ampliação da pauta exportadora do agronegócio.

Ademais, se o Brasil quiser ter mais protagonismo nesses mercados, será necessário, além de potencializar ações de promoção comercial, avaliar acordos comerciais entre o Mercosul e a ASEAN. Um bom início para essas negociações é a negociação em andamento entre o Mercosul e Cingapura.

___________

1 APEXBRASIL. Mapa Estratégico de Mercados. 2019. Disponível aqui.

___________

*Josemar Franco é é graduando em relações internacionais pela Universidade Católica de Brasília e faz parte da equipe de Comércio Internacional da BMJ Consultores Associados.

 *Igor Celeste é mestre em estudos estratégicos internacionais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente, é o coordenador de inteligência de mercado da Apex-Brasil.      

BARRAL MJ CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA

Atualizado em: 8/5/2019 15:07

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005
Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007
Gisele Nascimento

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
Jeniffer Gomes da Silva

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020
Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Taciana Santos Lustosa

Taciana Santos Lustosa

Migalheira desde 2020
Camila Crespi Castro

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019
Teresa Arruda Alvim

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006
Rogério Pires da Silva

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade