sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Eu sou quase imortal, pois tenho um amigo imortal

O meu amigo imortal é um desbravador. Desbrava a sua memória sobre Araraquara, sobre São Paulo das décadas de sessenta e setenta, especificamente a vida boêmia desse tempo; desbrava o jornalismo paulistano da mesma ocasião; desbrava atualmente o seu bairro de Pinheiros, e, principalmente, trata-se ele de um desbravador literário.

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Ele e sua filha Rita apresentam-se regularmente trazendo ao público canções, por ela entoadas e histórias, por ele contadas e sempre conectadas com as letras das músicas. Ambos proporcionam momentos de raro enlevo e emoção. A voz harmoniosa da filha, bem ajustada ao tipo de canção, e as narrativas corretamente adaptadas às letras, por parte do pai nos remetem a outras épocas e nos trazem suaves evocações.

Eu, por exemplo, recordo-me de minha mãe ao violão, cantando com alegria e invulgar entusiasmo muitas das melodias cantadas pela Rita e contadas por ele, seu pai.

As falas do imortal nesses espetáculos, bem como as suas centenas de escritos, em contos, crônicas e nas ficções de seus livros, levam a consultar a minha memória, aliás nem sempre é preciso, pois as recordações brotam espontaneamente. O meu coração ai se abre para amigos, pai, mãe, irmão, parentes, locais, ruas, empório e salão de barbeiro, chácara de meu avô, cadeira de balanço de minha avó, bares, tias velhas, casas com varanda, filmes, cinemas, clubes, futebol, enfim a vida que valeu a pena ser vivida.

A verdade é que nessas falas o meu amigo imortal tem o dom de imortalizar pessoas, locais e situações. Ao contar histórias ele não recorre apenas à sua memória, transmite as sensações e as emoções que elas lhe trazem. Desta forma, as suas narrativas permanecem e se fixam em nosso espírito indelevelmente. E mais, provocam uma identificação pessoal com alguma experiência por nós vivida.

Ao lê-lo quando escreve sobre a sua Araraquara eu me transfiro para a minha Vila Mariana, especificamente, para a rua Stella, a minha encantada rua Stella. O seu afeto pela cidade é tão intenso quanto o meu pela rua. A minha rua, tal como a sua cidade representam a biografia de nossa infância e de nossa juventude. O nosso caráter e a nossa personalidade, creio falar em seu nome, foram forjados nesses locais. Para nós, quase locais sagrados. Disse quase, pois nem sempre as experiências ali vividas eram santificadas . . .

Eu falei das falas do nosso imortal, pois bem, com elas eu também me identifico. Também me trazem doces lembranças. Literalmente doces. Por exemplo, ele faz alusão a um sorvete de sua cidade, assim como à taça na qual era servido. Eu então recordo com emoção do sorvete de nata da "Carioca", uma panificadora de Santos. Esquina das ruas Epitácio Pessoa e Oswaldo Cruz, no Boqueirão. Até hoje, um igual eu não encontrei. Sei que é o gosto da infância. Mas além da saudosa e gloriosa época, ele era bom mesmo.

A emoção que a lembrança me traz vai além do sabor. O sorvete era tomado sempre em casa, alguém ia comprar e ele vinha em copos altos. Sentávamos no terraço da casa de minhas tias, que moravam em Santos, e reunidos, outros tios e tias, primos, amigos, ficávamos saboreando o sorvete de nata. Confraternização e amizade transbordavam das conversas, brincadeiras, histórias dos mais velhos, entremeadas por risos, por vezes discussões políticas e principalmente futebolísticas, eram todos santistas, salvo o patriarca da família e um dos tios, são-paulinos como eu. Os afetuosos encontros e o sorvete de nata davam doçura e magia a essas inesquecíveis reuniões.

O meu amigo imortal é um desbravador. Desbrava a sua memória sobre Araraquara, sobre São Paulo das décadas de sessenta e setenta, especificamente a vida boêmia desse tempo; desbrava o jornalismo paulistano da mesma ocasião; desbrava atualmente o seu bairro de Pinheiros, e, principalmente, trata-se ele de um desbravador literário. Um bandeirante que percorre o Brasil transmitindo preciosidades de literatura e trazendo riquezas culturais garimpadas pais afora.

Considero-me amigo de toda a vida do meu amigo imortal. Amizade que se estende às nossas mulheres Ângela e Márcia. Quando falo em amizade de toda a vida, não me refiro às marcações do tempo, mas à solidez das nossas afinidades, reciprocamente transmitidas. Não temo dizer, por exemplo, que se eu não tivesse nascido na minha amada São Paulo, gostaria de ter como minha terra natal a Araraquara de Ignácio de Loyolla Brandão, o meu amigo imortal.

_______________

*Antônio Claudio Mariz de Oliveira é advogado criminal do escritório Advocacia Mariz de Oliveira.

 

Atualizado em: 15/5/2019 08:22

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Lilia Frankenthal

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020
Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007
Ana Paula Caodaglio

Ana Paula Caodaglio

Migalheira desde 2016
Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005
Júlio César Bueno

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004
Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Gustavo Binenbojm

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005
Daniele Sampaio

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020

Publicidade