sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Medida de compliance financeiro

Apesar de causar muitos transtornos administrativos para que as empresas estejam em conformidade com as regras da IN RFB 1.863/18 e no prazo determinado, além do desconforto da exposição dos sócios e acionistas, essa medida é uma das diversas práticas que consolidam o Compliance Financeiro.

terça-feira, 21 de maio de 2019

A Receita Federal do Brasil (RFB) vem buscando implementar diferentes medidas para prevenir, monitorar e coibir a lavagem de dinheiro, corrupção e fraudes contábeis - práticas conhecidas como Compliance Financeiro. Uma dessas medidas é a declaração das pessoas naturais beneficiárias finais da cadeia de participação societária e das pessoas autorizadas a representá-las, conforme dispõe o artigo 8º e 9º da Instrução Normativa - IN RFB 1.863/18 e seus anexos.

Essa medida, que vem sendo anunciada desde 2016 (pelas INs RFB 1.634/16, 1.684/16 e 1.729/17), afeta principalmente empresas estrangeiras, sócias ou não de empresas Brasileiras. Isso porque a Receita Federal já consolida as informações das pessoas físicas sócias ou representantes de empresas Brasileiras, por meio do Documento Básico de Entrada (DBE) necessário para registrar qualquer alteração relacionada à um CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), bem como para o registro dos correspondentes atos empresariais nas Juntas Comerciais do Brasil.

A declaração de beneficiário final objetiva identificar a pessoa natural que efetivamente possua o controle final (direto ou indireto) e/ou  influência significativa da entidade (sendo detentor de mais de 25% do capital da entidade ou exercendo preponderância nas deliberações sociais ou poder de eleger a maioria dos administradores, ainda que Resultado de imagem para compliance financeirosem controlá-la) e, assim, possibilitar o mapeamento de suas atividades empresariais e financeiras no Brasil, para eventual cruzamento de informações em investigações ou processos judiciais e, ainda, permitir alertas de movimentações financeiras suspeitas, principalmente relacionadas aos Investimentos Estrangeiros Diretos e às Operações Financeiras que são registradas no Banco Central do Brasil.

A IN RFB 1.863/18 traz casos de exceções bastante específicos (como, por exemplo, a existência de acionistas pulverizados), situação nas quais é necessária a realização da declaração de não existência de Beneficiário Final à RFB.

As empresas nacionais ou estrangeiras obrigadas a realizar tal declaração, devidamente acompanhada do dossiê de documentos necessários (com sua respectiva apostila e tradução juramentada dos documentos, além dos poderes específicos concedidos aos representantes das empresas), deverão fazê-lo junto à RFB até o dia 24/6/19.

O descumprimento dessa obrigação acarretará a suspensão do CNPJ e o impedimento de transacionar com estabelecimentos bancários, inclusive quanto à movimentação de contas-correntes, às aplicações financeiras e à obtenção de empréstimos.

Apesar de causar muitos transtornos administrativos para que as empresas estejam em conformidade com as regras da IN RFB 1.863/18 e no prazo determinado, além do desconforto da exposição dos sócios e acionistas, essa medida é uma das diversas práticas que consolidam o Compliance Financeiro, uma vez que expõe, de forma transparente, os beneficiários finais das atividades empresariais proporcionando o monitoramento de informações que evidenciem fraudes ou corrupção no Brasil e no exterior.

______________

t*Paula Lippi é advogada associada do escritório AJ Law Advogados.

Atualizado em: 20/5/2019 13:12

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade