quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A posição da OMC sobre restrições ao comércio baseado em questões de segurança nacional: reflexos para a Section 232 dos EUA

Celso Figueiredo, Arman Yeltay e Geovana Pessoa

O relatório do USTR, cujo conteúdo ainda não foi divulgado, já se encontra em avaliação pela Casa Branca. Pressupõe-se que os EUA adotarão a mesma justificativa utilizada no caso de alumínio e aço para restringir importações e, sendo assim, poderá também estar passível de revisão perante a OMC.

terça-feira, 28 de maio de 2019

No dia 8 de março de 2018, os Estados Unidos da América (EUA) divulgaram a revisão da sobretaxa estado-unidense sobre importações de aço e alumínio, aplicada no âmbito da Seção 232. O caso tratou de um mecanismo de defesa comercial regulado pelo Trade Expansion Act of 1962, cuja função primária é garantir a "segurança nacional" em face de importações consideradas "prejudiciais".

De forma detalhada, os EUA aplicaram uma sobretaxa às importações de aço e alumínio de várias origens, dentre elas o Brasil, sob o argumento de que os preços destes produtos no mercado internacional sofrem influências de subsídios acionáveis e outras medidas desleais de comércio e, por conta disso, estariam sendo importados a um preço desleal, cujo principal resultado seria "quebrar" a indústria de base americana que fornece insumos para a fabricação de armas e outros equipamentos militares, influindo, portanto, na segurança nacional americana. 

Após a decisão, houve um impacto significativo no comércio dos EUA com os seus principais parceiros. As exportações da China de aço e de alumínio reduziram USD 97 milhões e USD 729 milhões, respectivamente. Igualmente, as exportações dos produtos da Rússia diminuíram em USD 22 milhões e USD 676 milhões. 

Por conta disso, houve um frisson geral dos membros da Organização Mundial do Comércio (OMC), inclusive levando a China, União Europeia, Canadá, México, Noruega, Rússia e Turquia a questionarem a medida americana no Órgão de Solução de Controvérsias, sendo acompanhado pelo Brasil e por diversos outros países que se qualificaram como terceiras partes interessadas (WT/DS 554; 548; 550; 551; 552; 554; e 564). 

Para os EUA, tal movimento dos seus pares seria descabida, uma vez que a sua medida estaria amparada pelo Artigo XXI do Acordo Geral de Tarifas e Comércio de 1994 (GATT), que trata de exceções ao GATT, sob justificativa de segurança nacional. 

Os Painéis que julgarão o mérito da medida dos EUA foram instalados em 25 de janeiro de 2019, mas nenhuma decisão foi publicada até o momento. O GATT não traz situações específicas em que o Artigo supracitado pode ser empregado. Assim, a interpretação de "interesses essenciais à segurança" varia de acordo com o caso. 

Por conta disso, um dos principais pontos de debate, que é saber se o órgão de solução de controvérsias da OMC poderia reavaliar as justificativas utilizadas como preceitos para restrição de importações sob o critério de ameaça à segurança nacional, permanecia em uma zona um tanto quanto cinzenta. 

No entanto, tal zona cinzenta ficou um pouco mais nítida a partir do início de abril, quando a OMC circulou decisão sobre o contencioso entre a Rússia e a Ucrânia relativa ao mesmo Artigo XXI GATT/1994 (WT/DS 512). Essa foi a primeira vez que a OMC se posicionou quanto à legalidade da utilização dessa justificativa pelos Membros da Organização, criando jurisprudência aplicável à própria disputa envolvendo os EUA e o seu Section 232. 

No caso da WT/DS 512, a Rússia proibiu a circulação de mercadorias originárias da Ucrânia em rodovias e ferrovias russas, em razão do conflito de anexação da Crimeia, sob a alegação de proteção aos "interesses essenciais à segurança", com base no art. XXI(b)(iii) do GATT1. Em linhas gerais, esses interesses podem ser entendidos como aqueles relacionados à defesa de sua população e de seu território contra ameaças externas. 

Devido a esse conflito, a Ucrânia reclamou na OMC sobre uma grande redução de seu comércio com a Ásia Central e o Cáucaso

No decorrer do caso na OMC, Moscou argumentou que a medida era necessária para garantir a segurança nacional, alegando que a tensão com a Ucrânia estava em estado crescente após o início de embates em 2014. O país afirmou, inclusive, que a dissidência com a Ucrânia estava próxima de alcançar o pico de um conflito armado

Ademais, a Rússia argumentou que a aplicação do Artigo XXI(b)(iii) extrapolava o escopo de relações comerciais e econômicas entre os Membros da OMC e, por isso, estaria fora da jurisdição da Organização. Segundo Moscou, o direito de responder à guerra ou a outras situações emergenciais não pode ser "reavaliada por outras partes".

A Ucrânia, por outro lado, argumentou que os Membros não possuem "liberdade total" em interpretar e aplicar as medidas tomadas no âmbito do Artigo XXI(b)(iii). 

Assim, uma possível determinação unilateral estaria em desconformidade com a jurisprudência do Órgão de Solução de Controvérsias (DSB), pois caberia ao Painel da OMC julgar a utilização de exceções de segurança previstas no GATT. 

Em sua decisão, o Painel da OMC entendeu que as condições para invocar o Artigo XXI(b), sobre exceções à segurança nacional, foram atendidas por Moscou. 

Porém, o Painel também julgou que a interpretação do Artigo não é totalmente discricionária, como havia argumentado a Rússia. Assim, a OMC afirmou que a Organização se reserva o poder de reavaliar as condições necessárias para a utilização da cláusula em questão. 

Em outras palavras, a OMC se reserva no direito de revisar as medidas impostas por seus Membros de restrição ao comércio aplicadas sob a justificativa de proteção à segurança nacional. 

Na prática e, já fazendo uma correlação com a Section 232 que está em discussão na OMC, os EUA não estão proibidos de impor uma tarifa adicional sobre importações do aço e do alumínio. No entanto, a justificativa que embasar estas medidas excepcionais poderão ser consideradas descabidas de acordo com as regras da OMC e poderão ensejar retaliações cruzadas permitidas pela referida organização, tal como disposto nos art. 8 Do Acordo sobre Salvaguardas.

Por fim, percebe-se que uma decisão do WT/DS sobre o caso dos EUA nos moldes da que foi tomada pela WT/DS 512 (Rússia) certamente afetará outras medidas sob a Section 232 dos EUA. Neste caso, resta destacar que, recentemente, a Representação Comercial dos Estados Unidos (USTR) concluiu uma nova investigação no âmbito da Seção 232 sobre importações de automóveis e autopeças. O relatório do USTR, cujo conteúdo ainda não foi divulgado, já se encontra em avaliação pela Casa Branca. Pressupõe-se que os EUA adotarão a mesma justificativa utilizada no caso de alumínio e aço para restringir importações e, sendo assim, poderá também estar passível de revisão perante a OMC.

________________

1 ARTIGO XXI EXCEÇÕES RELATIVAS À SEGURANÇA Nenhuma disposição do presente Acordo será interpretada: 

(b) ou como impedindo uma Parte Contratante de tomar todas as medidas que achar necessárias à proteção dos interesses essenciais de sua segurança: 

(i) relacionando-se às matérias desintegráveis ou às matérias primas que servem à sua fabricação; 

(ii) relacionando-se ao tráfico de armas, munições e material de guerra e a todo o comércio de outros artigos e materiais destinados direta ou indiretamente a assegurar o aprovisionamento das forças armadas; 

(iii) aplicadas em tempo de guerra ou em caso de grave tensão internacional; 

________________

*Arman Yeltay é analista de relações internacionais e consultor em Comércio Internacional pela BMJ Consultores Associados.

*Celso Figueiredo é advogado e Internacionalista e consultor em Comércio Internacional pela BMJ Consultores Associados.

*Geovana Pessoa é graduanda em relações internacionais pela Universidade de Brasília e estagiária na área de Comércio Internacional da BMJ Consultores Associados.

BARRAL MJ CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA

Atualizado em: 27/5/2019 12:56

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Publicidade