segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O afastamento do IRPJ e da CSLL sobre a taxa SELIC

Os contribuintes devem ficar atentos. O STF ainda não apreciou a matéria relativa à incidência do IRPJ e CSLL sobre a taxa SELIC decorrente de repetições de indébito e ainda existe a possibilidade de julgamento favorável.

quinta-feira, 13 de junho de 2019

É comum o cenário no qual empresas se sujeitam ao recolhimento a maior de tributos e necessitam se submeter à ação de repetição de indébito, a fim de resgatar os valores recolhidos indevidamente ou a maior.

Do valor restituído, tem-se que parte dele será corresponde ao valor do tributo pago indevidamente ou a maior e, a outra parte, por vezes bem expressiva, corresponde ao montante de atualização monetária da moeda e juros de mora com base na variação da taxa SELIC.

tAo reconhecer o montante do indébito nas demonstrações contábeis, as empresas se vêm sujeitas ao recolhimento de IRPJ e CSLL incidentes sobre o montante total a ser restituído, valor do tributo acrescido da atualização monetária e dos juros de mora.

Para casos como este, existe a possibilidade do ajuizamento de Mandado de Segurança a fim de garantir o direito ao afastamento da incidência de IRPJ e CSLL sobre a taxa SELIC, uma vez que a mesma não representa renda ou proventos de qualquer natureza e, muito menos, lucro auferido pelo contribuinte, fatos geradores do IRPJ e da CSLL.

Amparado ao conceito de que a taxa SELIC possui natureza de correção monetária e juros de mora, não configurando receita nova da pessoa jurídica, justifica-se o pedido de afastamento da incidência do IRPJ e da CSLL.

Vale dizer que relacionadas a esta temática, existem duas discussões distintas, as quais não podem ser confundidas (i) a incidência de IRPJ e CSLL sobre valores da taxa SELIC decorrentes de depósitos judiciais e (ii) a incidência de IRPJ e CSSL sobre valores da taxa SELIC decorrentes de repetição de indébito.

Sobre a incidência de IRPJ e CSLL sobre a taxa SELIC decorrente de depósitos judiciais, o STJ julgou o REsp 1.138.695/SC, sob o rito dos recursos representativos de controvérsia, e manifestou o entendimento segundo o qual os juros incidentes na devolução de valores decorrentes de depósito judicial não escapam à tributação do IRPJ e da CSSL.

No entanto, os embargos de declaração opostos no recurso acima mencionado, encontram-se sobrestados para aguardar o julgamento, pelo STF, do RE 1.063.187/SC, cuja matéria trata da incidência do IRPJ e da CSLL sobre a taxa SELIC decorrente de valores de ações de repetição de indébito.

Enquanto essa questão não é definitivamente solucionada pelos tribunais superiores, em sede de recurso representativo de controvérsia, aquele cujo entendimento será aplicável a todos os demais casos da mesma matéria, os tribunais locais têm posicionamento bastante divergente sobre o tema.

Os contribuintes devem ficar atentos. O STF ainda não apreciou a matéria relativa à incidência do IRPJ e CSLL sobre a taxa SELIC decorrente de repetições de indébito e ainda existe a possibilidade de julgamento favorável.

__________

t*Bianca Soares De Nóbrega é advogada do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados.

Atualizado em: 12/6/2019 08:27

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Publicidade