segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Contrato de trespasse - já ouviu falar?

Antes de mais nada, é interessante começarmos abordando o conceito de estabelecimento empresarial para que tudo faça sentido.

terça-feira, 25 de junho de 2019

t

Quando decidimos ter um estabelecimento comercial, nem sempre pensamos em um dia vende-lo ou transferi-lo para alguém.

Mas, no dia a dia no mundo dos negócios, as coisas acontecem muitas vezes de forma inesperada e quando nos damos conta, está na hora de passar o estabelecimento comercial para outra pessoa.

Este artigo irá tratar sobre o contrato de trespasse. Para que serve, quando utilizar e sua importância jurídica.

Antes de mais nada, é interessante começarmos abordando o conceito de estabelecimento empresarial para que tudo faça sentido.

É muito comum as pessoas entenderem por estabelecimento empresarial, o local ou um imóvel onde funciona um comércio.

O conceito de estabelecimento vai além, de acordo com o artigo 1.142 do Código Civil.

Art. 1.142. Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa, por empresário, ou por sociedade empresária.

O que é estabelecimento empresarial?

É o conjunto de bens, sejam eles corpóreos (veículos, computadores, mesas, cadeiras etc.) ou incorpóreos (ponto comercial, direitos autorais, nome da empresa, marca, patente etc.), que são dispostos para o funcionamento de uma empresa.

Sendo assim, um estabelecimento empresarial pode se tornar objeto de negócios jurídicos e em algum pode ser necessário o contrato de trespasse.  

Contrato de trespasse

Todo estabelecimento empresarial possui contratos.

O contrato é um instrumento que operacionaliza todas as obrigações das partes envolvidas, seja de sociedade, fornecimento de produtos e serviços, entre outros.

Portanto, é de suma importância elaborar contratos de acordo com as necessidades que envolvem o negócio que será objeto daquele contrato.

Como o Código Civil Brasileiro entende que um estabelecimento empresarial pode se tornar objeto de negócios jurídicos.

Em tempos de crise é normal que empresas vendam o seu estabelecimento, pois ao0 invés de fechá-la, os empresários entendem que a sua venda é uma alternativa interessante. 

Para que serve um contrato de trespasse?

O contrato de trespasse é o documento pelo qual se transfere a titularidade do estabelecimento em seu todo para uma outra pessoa, ou seja, o contrato de trespasse nada mais é que um contrato que regulamenta a compra e venda do estabelecimento comercial.

Qual a diferença entre vender a empresa e passar o ponto?

Passar o ponto comercial é uma questão imobiliária e nem sempre quem comprar o ponto dará sequência ao negócio que lá existia. 

Já, quando se vende a empresa, o comprador leva toda a estrutura, os bens corpóreos e os incorpóreos.

Para concretizar a venda de uma empresa, é necessário que esta operação seja regida por um contrato e é aí que entra o trespasse, comum no mercado de alienação de um estabelecimento empresarial.

Para que serve um contrato de trespasse?

O contrato de trespasse é o documento pelo qual se transfere a titularidade do estabelecimento em seu todo para uma outra pessoa, ou seja, o contrato de trespasse nada mais é que um contrato que regulamenta a compra e venda do estabelecimento comercial.

Nesse momento é importante a presença de um advogado de confiança para orientar as partes envolvidas nesta transação, pois serão muitos documentos como das áreas tributária, trabalhista e cível a serem analisados para não ter nenhum problema.

As regras acerca do contrato de trespasse, estão previstas no Código Civil, lei 10.406/02, artigos 1.142 a 1.149.

Contrato de trespasse é a mesma coisa que cessão de cotas limitadas ou alienação de controle da Sociedade Anônima?

Não, pois na cessão de cotas limitadas e alienação de controle de Sociedade Anônima, há troca de sócios.

Um detalhe a ser levado em consideração neste tipo de transação é o fato de que o alienante, aquele que transferiu para outro a titularidade do estabelecimento empresarial, não poderá, por um período de 5 anos ter estabelecimento que seja concorrente ao da venda, salvo se houver autorização expressa do adquirente.

O adquirente, será responsável por responder pelas obrigações de todos os bens adquiridos, porém, o alienante responderá pelas dívidas, de forma solidária, pelo período de 1 ano.

Por fim, para validar esta transação, será necessário seu arquivamento na Junta Comercial e sua publicação no Diário Oficial.

_______________________

t*William Fernandes Chaves é sócio fundador do escritório Chaves Advocacia

 

Atualizado em: 24/6/2019 14:14

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade