sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Da reforma definitiva à reforma possível: a inevitável insatisfação diante das mudanças no sistema previdenciário

Luiz Quevedo

Quanto tempo levará para que a "reforma possível" dê lugar à "reforma definitiva" é uma incógnita que permanecerá no horizonte e que talvez só se dissipe com a chegada do próximo ciclo histórico de reforma da Previdência.

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Embora uma gama de setores claramente se beneficiem pelo sistema da Previdência Social, os problemas intrínsecos a esse mesmo sistema só podem ser impactados por alterações que cheguem a atingir a maior  parte da população, o que nunca é benéfico do ponto de vista individual. Por isso, o histórico de reformas brasileiras sempre se deu no sentido do "arrocho". Dessa vez não é diferente. Ainda assim, é urgente e necessário evitar o colapso, no curto prazo, do sistema como um todo. 

Assim como todas as demais reformas da Previdência promovidas pelos governos brasileiros que se sucederam à Constituição de 88, a atual também surgiu sob a ideia de vir a ser "a reforma definitiva" para, com o  tempo, tornar-se "a reforma possível".  

Um dos pontos que exemplificam essa trajetória do "definitivo" ao  "possível" diz respeito ao polêmico sistema de Resultado de imagem para previdenciacapitalização. No texto original, previa-se que uma lei complementar instituísse um novo regime no qual as contribuições dos trabalhadores  iriam para uma conta que cobriria os benefícios no futuro; possibilidade removida pelo relator atendendo ao apelo das ruas. 

É válido atentar ao fato de que, por pior que aparente ser, o futuro de todos os sistemas de previdência é a capitalização. Isso ocorre porque a Previdência só se sustenta diante da perspectiva de que, no futuro, haverá mais trabalhadores contribuindo do que aposentados recebendo. Contudo, todas as projeções das curvas censitárias apontam para o cenário contrário atualmente. 

Ocorre que a capitalização, neste momento, significaria uma alteração total e completa do sistema vigente, o que gera uma enorme dificuldade no período de transição e na guarda de recursos. Deste modo, se a maturidade política para discutir a integração entre esferas estatuais e municipais não foi alcançada a tempo, a retirada da mudança é uma decisão acertada. Ainda assim, a transformação será inevitavelmente enfrentada nos próximos anos.

Vale observar ainda que as regras de transição nunca se encerram efetivamente com a reforma, haja vista a recorrência, na reinterpretação pelos Poderes Executivo e Judiciário daquilo que foi "imaginado" pelo Poder Legislativo. É quando a "reforma dentro da reforma" acontece. Surpreendentemente, as regras de transição propostas na atual reforma previdenciária são explícitas e mantém coerência com os precedentes criados no enfrentamento das regras de transição previstas nas reformas anteriores.

Quanto tempo levará para que a "reforma possível" dê lugar à "reforma definitiva" é uma incógnita que permanecerá no horizonte e que talvez só se dissipe com a chegada do próximo ciclo histórico de reforma da Previdência. E com ele, mais uma vez, a insatisfação individual será um ingrediente inevitável a se apresentar.  

_____________

t*Luiz Quevedo é sócio do escritório Giamundo Neto Advogados.

Atualizado em: 24/7/2019 13:02

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Publicidade