sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

MP da liberdade econômica - Regras trabalhistas alteradas

Após "enxugamento" sofrido na Câmara dos Deputados e, novamente, no Senado, as alterações que constam do PLV 21/19 neste campo refletem, essencialmente, adequações à realidade, e não mudanças drásticas à Consolidação das Leis do Trabalho.

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

O Senado aprovou no último dia 21 de agosto o projeto de lei de conversão 21/19 (PLV 21/19), que aglutinou a MP 881/19 e algumas emendas aprovadas na Câmara dos Deputados, mantendo uma série de mudanças que não constavam do texto original da MP.

A medida provisória 881/19 (também chamada de MP da Liberdade Econômica) tem como objetivo reduzir a burocracia sobre atividades da economia e facilitar empreendimentos.

Como o texto alterado muda algumas regras trabalhistas, a MP da Liberdade Econômica já foi referida como "minirreforma trabalhista". Contudo, após "enxugamento" sofrido na Câmara dos Deputados e, novamente, no Senado, as alterações que constam do PLV 21/19 neste campo refletem, essencialmente, adequações à realidade, e não mudanças drásticas à Consolidação das Leis do Trabalho.

Dentre as mudanças trabalhistas que constam do PLV 21/19, destacamos os seguintes:

  • Registro de Ponto: O registro de jornada será obrigatório apenas para as empresas com mais de 20 empregados. Hoje a regra obriga a marcação para empresas com mais de 10 empregados. Importante esclarecer que não se trata de supressão de direitos trabalhistas, já que a dispensa do registro não se confunde com a exclusão do direito a horas extras. As horas extras serão devidas sempre que prestadas e não regularmente compensadas, independente de registro e do número de empregados do estabelecimento. Além disso, a existência de registro será necessária para viabilizar qualquer regime de compensação de horas, ainda que o estabelecimento tenha menos de 20 empregados.
  • Permissão do registro de ponto por exceção: Autoriza que o empregador efetue o controle apenas da jornada extraordinária, desde que haja acordo coletivo ou individual nesse sentido. Ou seja, sempre que a jornada for ordinária/regular, nada se anota. Essa possibilidade já estava prevista desde 2011 na portaria 373 do Ministério do Trabalho e Emprego. Contudo, pelo registro de exceção não ter sido aceito pelo Poder Judiciário, caiu logo em desuso. Prevê-se a mesma resistência por parte da Justiça do Trabalho.
  • CTPS: Para o registro de empregados, cria-se e privilegia-se a carteira de trabalho digital, em substituição da carteira de trabalho impressa (a chamada "CTPS"). Também será excluído da CLT o prazo de devolução da CTPS ao empregado e a multa pela sua retenção. O empregador terá prazo de 5 dias para fazer as anotações. De fato, a CTPS hoje, além de ter pouca serventia, facilita fraudes ao Instituto Nacional de Seguridade Social ("INSS").
  • eSocial: O sistema eSocial será substituído por sistema simplificado de escrituração digital de obrigações previdenciárias, trabalhistas e fiscais. Portanto, até que o novo "sistema simplificado" seja criado, o eSocial permanece obrigatório.
  •  Desconsideração da personalidade jurídica: Esta é, na verdade, uma alteração ao Código Civil com impactos trabalhistas. A proposta é que a desconsideração da personalidade jurídica, para que a execução atinja os bens pessoais dos sócios, tenha como condição a prova de que, estes, foram "beneficiados direta ou indiretamente pelo abuso". Além disso, a proposta traz as definições de "desvio de finalidade" e "confusão patrimonial" (condições do instituto), reduzindo as possibilidades de interpretações divergentes e, consequentemente, reduzindo a insegurança jurídica.
  • Inspeção Prévia: Revoga expressamente o artigo que exigia inspeção por autoridade competente em matéria de segurança e medicina do trabalho para início das atividades em novos estabelecimentos. Referida alteração apenas adequa a CLT à realidade, uma vez que referida inspeção já não é realizada desde 1983.
  • Apresentação de documentos em formato eletrônico: Permite que a empresa arquive os documentos trabalhistas exclusivamente por meio de microfilme ou por meio digital, para todos os efeitos legais, inclusive fiscalizações. 

Foram retirados do último texto os artigos que tratavam da compensação de descansos e feriados e da autorização generalizada do trabalho aos domingos, que permanece então limitada à lista de atividades previstas em lei ou condicionada a autorização administrativa.

As alterações trabalhistas acima destacadas ainda dependem de sanção presidencial.

_______________

t*Leila Pigozzi Alves é sócia do escritório De Luca, Derenusson, Schuttoff & Advogados - DDSA.

Atualizado em: 23/8/2019 15:27

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Publicidade