quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Startups e o regime de home office

No âmbito das startups, o teletrabalho vem ao encontro da cultura e dinâmica de trabalho empregada por elas. Muitas vezes, com estruturas menores e visando um ambiente de trabalho mais flexível, a contratação de empregados na modalidade de home office mostra-se muito mais interessante, econômica e condizente com os valores dos novos empreendedores.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Como amplamente divulgado e comentado, a reforma trabalhista de 2017 trouxe maior detalhamento acerca das condições do teletrabalho, também conhecido como home office. Segundo o novo artigo 75-B, da CLT, o teletrabalho consiste na prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, com a utilização de tecnologias de informação e comunicação.

Uma das novidades da reforma trabalhista no tocante ao teletrabalho foi a inclusão dessa modalidade de trabalho entre as hipóteses legais que estão dispensadas do controle de jornada (artigo 62, inciso III da CLT), isentando o empregador, consequentemente, da obrigação de pagamento de horas extraordinárias. Não obstante o inegável avanço, a legislação deixou uma lacuna ao não tratar da situação mais corriqueira, qual seja, a possibilidade de trabalhar tanto remotamente como presencialmente.

Como a nova redação do artigo 62 ainda não conta com uma jurisprudência trabalhista consolidada, não é possível descartar o risco de questionamentos quanto ao pagamento de horas extras especialmente quando o empregador exercer o controle da jornada praticada remotamente.

Ao contratar um empregado para o regime de teletrabalho, o empregador deverá instrui-lo quanto às precauções para evitar doenças e acidentes de trabalho e o empregado deverá assinar um termo de responsabilidade, comprometendo-se a seguir as instruções fornecidas pelo empregador. Esse sempre foi um dos desafios do trabalho fora do estabelecimento do empregador: evitar acidentes e doenças, bem como deter meios eficazes para garantir que o empregado, realmente, conte com condições adequadas do ponto de vista ergonômico para desempenhar suas atividades.

t

A modalidade de teletrabalho deverá constar expressamente no contrato de trabalho, o qual deve conter regras específicas, como (i) responsabilidade pela aquisição, manutenção ou fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação de serviços; e (ii) reembolso de despesas arcadas pelo empregado.

O regime de contratação pode ser alterado, ou seja, o empregado contratado para prestar serviços no modelo de teletrabalho pode ter seu contrato de trabalho alterado para o regime convencional, ou seja, dentro do estabelecimento do empregador. Para tanto, o contrato de trabalho deverá ser aditado e deve ser garantido um prazo de transição mínimo de quinze dias.

No âmbito das startups, o teletrabalho vem ao encontro da cultura e dinâmica de trabalho empregada por elas. Muitas vezes, com estruturas menores e visando um ambiente de trabalho mais flexível, a contratação de empregados na modalidade de home office mostra-se muito mais interessante, econômica e condizente com os valores dos novos empreendedores.

Justamente pelas características das startups, é comum que estas optem por criar sua estrutura física em espaços de trabalho compartilhados (os chamados coworking spaces). Entretanto, vale ressaltar que, nos casos em que a startup arca com os custos do coworking space, não é possível descartar os riscos de ser descaracterizada a modalidade de home office. Isso porque, o coworking space, com custos suportados pelo empregador, é equiparável a um estabelecimento da empresa e não à residência do empregado. Apesar de não existir um posicionamento consolidado da doutrina e jurisprudência sobre o tema, é possível entender que a utilização de coworking spaces por iniciativa do empregado, sem qualquer interferência do empregador, seria diferente e não descaracterizaria a modalidade de contratação.

__________

*Tatiana Conde Ribas é advogada trabalhista no escritório BMA - Barbosa, Müssnich, Aragão, especialista em Direito do Trabalho.

*Cibelle Linero Goldfarb é sócia trabalhista no escritório BMA - Barbosa, Müssnich, Aragão, mestre e doutora em Direito do Trabalho.

 

Atualizado em: 19/9/2019 11:12

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Publicidade