quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

STF julgará abrangência sobre a questão do ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins

O STF, como guardião de nossa Constituição Federal, possa em seu nobre e institucional papel perante a sociedade, garantir a irretratável e incisiva valorização dos princípios da igualdade, segurança jurídica, razoabilidade e justiça fiscal a todos que buscam um ambiente minimante garantidor do desenvolvimento econômico e social.

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Com muita ansiedade e expectativa, informo que os embargos de declaração opostos pela União Federal, vinculados ao RE 574.706, que pacificou de forma definitiva, em sede de repercussão geral, a exclusão do ICMS na composição da base e apuração das contribuições sociais ao PIS e a Cofins, foram pautados pelo STF para julgamento no dia 5 de dezembro do presente ano.

Em que pese o julgamento do RE ter sido definido em favor das empresas contribuintes em março de 2017, a União Federal - através da Procuradoria da Fazenda Nacional (PGFN) -, em uma tentativa não razoável e prejudicadora, protocolou o referido recurso para tentar restringir, em resumo, os efeitos jurídicos/tributários da referida decisão para as empresas, nos seguintes termos: (i) que a exclusão da citada tributação só seja operacionalizada para fatos futuros; e (ii) que a base de exclusão leve em consideração o valor efetivamente recolhido de ICMS, não o que os contribuintes estão requerendo -, que o valor da exclusão leve em consideração o ICMS destacado na nota fiscal de venda do produto.

Análise geral

Em uma análise geral, pessoalmente entendo que, o eventual pedido de modulação dos efeitos em julgamento de grande repercussão e impacto na sociedade, teria seu cabimento jurídico, nos termos dos artigos 27 da lei  9.868/99 e 927, parágrafo 3º, Código de Processo Civil, desde que esteja presente, de forma comprovada, o atendimento do interesse social e da segurança jurídica, especialmente em caso de oscilação e mudança jurisprudencial.

Porém, no citado caso, não há elementos caracterizadores para sua modulação, pois já havia maioria de votos no STF em 2006 e a mesma Suprema Corte já tinha sinalizado pela exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins, em julgamento de um processo em 2014. Além do mais, outros tribunais regionais já havia aos poucos confirmando seu entendimento.

Expectativa

A expectativa de impacto de algo em torno de R$ 250 bilhões, divulgada aos ventos pela PGFN, jamais foi delimitada e demonstrada sobre a base dos referidos cálculos e, cremos que a equipe econômica do Ministério da Fazenda (atual Ministério da Economia) já tenha contingenciado as referidas perdas pela ilegal e inconstitucional tributação sobre a referida base, em caso de improcedência total da sua demanda. 

Nada obstante, entendo que a modulação dos efeitos, ainda que coubesse ao caso, deveria ser solicitada no momento da protocolização do recurso extraordinário manejado pela PGFN. A modulação dos efeitos em embargos de declaração não nos mostra razoáveis nem do ponto de vista jurídico (por uma eventual preclusão temporal), muito menos sob a ótica integração da coisa julgada material em detrimento dos processos já em andamento e com diversas decisões favoráveis aos contribuintes.

Sinceramente, devemos torcer que o STF, como guardião de nossa Constituição Federal, possa em seu nobre e institucional papel perante a sociedade, garantir a irretratável e incisiva valorização dos princípios da igualdade, segurança jurídica, razoabilidade e justiça fiscal a todos que buscam um ambiente minimante garantidor do desenvolvimento econômico e social.

__________

*Luciano Pedro da Silva é advogado com experiências em Direito Tributário, Empresarial, Administrativo e Portuário, atua no departamento tributário do escritório Nahas Sociedade de Advogados.

t

Atualizado em: 27/9/2019 14:20

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Publicidade