quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Portabilidade de crédito deve ser feita sem cobrança de tarifa

As instituições financeiras costumam estabelecer cobrança de taxa na hipótese de liquidação antecipada, podendo tornar a operação excessivamente onerosa, ou até, inviabilizando o negócio.

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

tO TJ/SP entendeu que a cobrança de tarifa de liquidação antecipada é vedada em qualquer contrato de concessão de crédito, não fazendo distinção entre pessoas físicas e jurídicas. Tal determinação deve ser respeitada desde a resolução bacen 3.516/07 (Apelação Cível 1052201-89.2013.8.26.0100; 23ª Câmara de Direito Privado, relator José Marcos Marrone).

 O que é

A portabilidade bancária é forma amplamente utilizada para renegociação de dívidas. Nela, o novo banco liquida antecipadamente o contrato anterior, pagando diretamente à instituição detentora do crédito.

Ocorre que as instituições financeiras costumam estabelecer cobrança de taxa na hipótese de liquidação antecipada, podendo tornar a operação excessivamente onerosa, ou até, inviabilizando o negócio.

Sobre a quitação antecipada de operações de crédito, existem duas determinações regulamentares às instituições financeiras: (i) ensejar o exercício da portabilidade sem cobrança dos valores dispendidos no procedimento (Art. 1, Res. Bacen  3.401/06) e (ii) proibição de cobrança de qualquer tarifa para pessoas físicas, microempresas e empresas de pequeno porte (Res. Bacen  3.516/07 e 4.291/13.). 

Entendimento do STJ

Embora a cobrança de remuneração pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras seja genericamente autorizada, desde que prevista em contrato (art. 1º, Res. Bacen  3.919/10), a  jurisprudência enxerga o uso dessa disposição como mecanismo que impede, por sobreoneração, a portabilidade do crédito - o que configura abuso de direito.

Esse foi o entendimento adotado pelo Superior Tribunal de Justiça no REsp 1.409.792-DF de 7/4/14 (e agora replicado pelo TJ/SP), que estendeu a proibição de cobrança de taxa por liquidação  antecipada para pessoas jurídicas.

Esse entendimento estimula a competição neste setor, permitindo a renegociação de dívidas em termos mais módicos e a atualização do custo de capital envolvido em financiamentos.

_____________

*Fábio Barbalho Leite é advogado e sócio da Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados.

*Roberta Helena Ramires Chiminazzo  é advogada e sócia da Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados.

 

Atualizado em: 3/10/2019 12:58

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade