quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O decreto 10.046/19 e a lei geral de proteção de dados no Brasil

Ao tratarmos sobre a LGPD, necessariamente temos que nos remeter ao elemento norteador da nova lei, qual seja: o consentimento do titular de dados para autorizar a coleta e o tratamento de dados.

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Instituído recentemente pela presidência da República, e já em vigor, o decreto 10.046/19 dispõe sobre a governança no compartilhamento de dados no âmbito da administração pública federal e institui o cadastro base do cidadão e o comitê central de governança de dados, temas de extrema complexidade, que coincidem com a agitação provocada pela entrada em vigor da LGPD (lei 13.709/18 - lei geral de proteção de dados) em agosto de 2020.

Em uma primeira análise ao decreto, é possível tomar como conclusão que este veio mais voltado a ser uma solução à burocracia enraizada na administração pública do país, mas aborda de forma superficial quando se trata do assunto do momento: proteção de dados pessoais e os possíveis riscos gerados pelo seu tratamento. Ou seja, gozou o decreto de boas intenções - facilitar a vida daquele que espera uma administração pública célere, no entanto, acabou por desconsiderar importantes princípios da lei específica de 2018.

A lei geral de proteção de dados é calcada na busca pelo desenvolvimento da noção da defesa do indivíduo titular contra a utilização abusiva e indesejada - e também ilegal - das informações que lhe dizem respeito, classificando, inclusive, o que seriam dados sensíveis no Brasil. Ao tratarmos sobre a LGPD, necessariamente temos que nos remeter ao elemento norteador da nova lei, qual seja: o consentimento do titular de dados para autorizar a coleta e o tratamento de dados, consistindo nesse ponto a maior discussão gerada em relação ao recente decreto de outubro de 2019. 

O decreto, já em vigor, buscará instituir um cadastro base do cidadão e um comitê central para a governança de dados, demandando de maior atenção o primeiro, o qual coloca a administração pública como detentora e controladora de dados, realizando, portanto, tratamento de dados pessoais e de dados pessoais sensíveis, visto que, conforme determina o decreto no inciso dois de seu artigo segundo, a administração pública deverá tratar de atributos biométricos, que definem como: "características biológicas e comportamentais mensuráveis da pessoa natural que podem ser coletadas para reconhecimento automatizado, tais como a palma da mão, as digitais dos dedos, a retina ou a íris dos olhos, o formato da face, a voz e a maneira de andar".

Há seriedade no citado assunto quando se percebe que os dados tratados no referido cadastro necessitarão de colossal cuidado contra vazamentos e invasões, destoando, ainda, da principal finalidade da lei geral, que se propõe a garantir a titularidade dos seus dados e o conhecimento de tratamentos realizados a cada cidadão.

Certo é que, ainda assim, a lei geral possui maior força normativa e que as suas definições prevalecerão, cravando o ideal de que a coleta e tratamento de dados no país estão vinculados às atividades que lhes competem, havendo a necessidade de se explicar a finalidade de cada tratamento e de se responsabilizar o controlador quando a situação fugir à normalidade esperada nas situações positivadas, inclusive com sansões aos responsáveis.

Conclui-se que, indiscutivelmente, o país tem ingressado com fortes intenções em um tema importante e atual, mas com discussões que já não são recentes em vários países do mundo, sendo esta nova divergência apenas mais uma dúvida a ser respondida pela ANPD - Autoridade Nacional de Proteção de Dados; cargo determinado na MP869/18 e cuja finalidade será a de assumir a posição de autoridade máxima para fiscalizar e regulamentar a proteção de dados no país.

____________

*Roberto Galdino Junior é advogado atuante na área Cível e Empresarial. É pós-graduado em direito processual pelas faculdades Damásio.

t

Atualizado em: 24/10/2019 10:59

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade