sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O direito da pessoa idosa ao plano de saúde após a morte do titular

Ana Beatriz Rocha

Ao julgar o AgInt no AREsp 1.428.473/SP2, o STJ entendeu pelo direito de pessoa idosa, dependente de titular de plano de saúde coletivo, ser mantida nas mesmas condições do seguro após a morte daquele.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

O art. 230 da Constituição Federal prevê que "A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida".

Imagem relacionada

Conforme aponta a pesquisa "Características Gerais dos Domicílios e dos Moradores 2018" divulgada pelo IBGE, entre 2012 e 2018 a população brasileira com 65 anos de idade ou mais cresceu em 26%1. Isso reforça a necessidade de se buscar cada vez mais a proteção dessa parcela mais vulnerável da sociedade, mormente no que diz respeito à saúde.

Nesse sentido, ao julgar o AgInt no AREsp 1.428.473/SP2, o STJ entendeu pelo direito de pessoa idosa, dependente de titular de plano de saúde coletivo, ser mantida nas mesmas condições do seguro após a morte daquele. No caso, o titular havia aderido ao seguro saúde por meio de contrato celebrado com a empregadora e, com o seu falecimento, a dependente foi informada que não tinha mais direito ao plano, cujo contrato foi rescindido unilateralmente pela seguradora.

O Tribunal estadual consignou que, a fim de promover o equilíbrio do contrato, suas cláusulas devem ser interpretadas em favor da parte hipossuficiente, qual seja, o beneficiário, que tem direito à sua continuidade mesmo em se tratando de plano coletivo.

Ao analisar o agravo, o relator, ministro Luis Felipe Salomão, afirmou que o acórdão está em consonância com a jurisprudência do STJ, frisando que "a recorrente e seu falecido marido mantiveram o contrato durante 38 anos, sendo que a recorrente é pessoa idosa, com mais de 81 anos (fl. 10). Dentro nesses lindes, já se manifestou essa Corte a respeito da necessidade de manutenção das mesmas condições contratuais à consumidora idosa, que perdera o marido, em atenção aos princípios constitucionais da igualdade, da dignidade da pessoa humana, da liberdade, da proteção da segurança jurídica e da proteção à entidade familiar".

Tal entendimento vai ao encontro do dever constitucional de amparo às pessoas idosas, que não deve se limitar a uma tutela de reparação aos danos já causados, antes impedindo que a lesão aos seus direitos venha a ocorrer.

Acesse a decisão analisada Clique aqui.

_____________________

1 Clique aqui

2 AgInt no AREsp 1428473/SP, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 25/06/2019, DJe 28/06/19.

 _____________________

*Ana Beatriz Rocha é advogada do Escritório Professor René Dotti.

Atualizado em: 4/11/2019 10:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Publicidade