sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Pacote tributário: não-cumulatividade da COFINS e compensação tributária

No último dia 31 de outubro, em Edição Extra do Diário Oficial da União Federal, foi publicada a Medida Provisória nº 135 ("MP 135"), que aprovou parte daquilo que vem sendo denominado de reforma tributária pelo Governo Federal e está em discussão no Senado Federal.

segunda-feira, 24 de novembro de 2003

 

Pacote tributário: não-cumulatividade da COFINS e compensação tributária

 

Luiz Roberto Peroba Barbosa

 

Tércio Chiavassa*

 

No último dia 31 de outubro, em Edição Extra do Diário Oficial da União Federal, foi publicada a Medida Provisória nº 135 ("MP 135"), que aprovou parte daquilo que vem sendo denominado de reforma tributária pelo Governo Federal e está em discussão no Senado Federal.

 

Dentre tantas mudanças, analisaremos neste informativo apenas as significativas alterações relativas à introdução de regime não-cumulativo para a COFINS, além dos aspectos previstos em relação à compensação de tributos e contribuições arrecadas pela Secretaria da Receita Federal ("SRF").

 

I. - Contribuintes da "COFINS não-cumulativa"

 

Inicialmente, cumpre mencionar que a nova sistemática da COFINS não é aplicável a todas as pessoas jurídicas. A exclusão de determinadas pessoas jurídicas explica-se pelo provável aumento da carga tributária nas respectivas atividades, haja vista que, em princípio, a nova sistemática deveria, no máximo, manter a mesma carga tributária para os contribuintes.

 

Em virtude disso, dentre outras previsões, o artigo 10º da MP 135 exclui as seguintes pessoas jurídicas e receitas da tributação pelo regime não-cumulativo da COFINS agora instituído: (i) cooperativas; (ii) instituições financeiras, companhias securatizadoras de créditos e operadoras de plano de assistência à saúde; (iii) pessoas jurídicas tributadas pelo imposto de renda com base no lucro presumido ou arbitrado; (iv) pessoas jurídicas optantes pelo SIMPLES; (v) as pessoas jurídicas imunes a impostos; (vi) os órgãos públicos, as autarquias e fundações públicas federais, estaduais e municipais; e (vii) as receitas decorrentes de operações de vendas canceladas, descontos incondicionais, provisões e recuperações de créditos baixados como perda e aquelas sujeitas à substituição tributária para a COFINS; (viii) de serviços de telecomunicações; (ix) de serviços das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens; (x) as pessoas jurídicas que tenham por objeto social a venda de veículos automotores.

 

Aparentemente, a intenção do Governo não foi a de instituir nova contribuição social, mas sim agregar à legislação anterior dispositivos que minimizem a incidência, introduzindo o regime não-cumulativo para a COFINS e beneficiando determinados setores da economia, principalmente o industrial, que antes estavam sujeitos a tributação mais gravosa. A nova sistemática da COFINS será aplicável a partir de 1º.2.2004 (fato gerador), respeitando-se, portanto, a anterioridade mitigada de 90 dias.

 

II - Aspectos gerais: base de cálculo, alíquota e regime da não-cumulatividade

 

A base de cálculo da contribuição será o faturamento (artigo 1o), entendido como "o total das receitas auferidas pela pessoa jurídica, independentemente de sua denominação ou classificação contábil". Tal conceituação é idêntica à contida nos artigos 2o e 3o da Lei 9.718/98.

 

Optou-se pela base de cálculo adotada desde a Lei 9.718/98. Dessa vez, contudo, permite-se determinadas deduções de tal base de cálculo, além de créditos que, em tese, tornarão o valor tributável aparentemente menor.

 

Além disso, conforme definido pelo parágrafo 3º de seu artigo 1º, não integram a base de cálculo da COFINS da MP 135, as receitas decorrentes de saídas isentas da COFINS, não alcançadas ou sujeitas à alíquota zero; auferidas pela pessoa jurídica revendedora, na revenda de mercadorias em relação às quais a contribuição seja exigida da empresa vendedora, na condição de substituta tributária; as não operacionais de venda de ativo imobilizado; as decorrentes da venda de produtos submetidos à incidência monofásica da COFINS; e as decorrentes de vendas canceladas e de descontos incondicionais concedidos, bem como de reversões de provisões e recuperações de créditos baixados como perda que não representem ingresso de novas receitas.

 

Somada às receitas passíveis de exclusão da base de cálculo da COFINS, a MP 135 inovou ao possibilitar ao contribuinte a apropriação de créditos da contribuição, em percentual também de 7,6%, em relação a várias operações, que serão compensados contra o próprio valor de COFINS que será devido pela pessoa jurídica. O valor desse crédito, aliás, conforme determinação expressa do §10º do artigo 3º, não constitui receita bruta do contribuinte.

 

Diante das inúmeras hipóteses de crédito previstas pela MP 135, recomendamos a leitura de seu artigo 3o. Destacam-se os créditos: sobre o valor dos bens adquiridos para revenda, com exceção das mercadorias e dos produtos sujeitos ou ao regime de substituição tributária ou à incidência monofásica da COFINS; sobre o valor dos bens e serviços utilizados como insumo na fabricação de produtos destinados à venda ou na prestação de serviços, inclusive combustíveis e lubrificantes; à energia elétrica consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica; a aluguéis de prédios, máquinas e equipamentos, além de créditos em determinadas despesas financeiras decorrentes de empréstimos e financiamentos; encargos de depreciação e amortização de bens etc.

 

Referidos créditos serão calculados mensalmente, mediante a aplicação da alíquota de 7,6% sobre o valor da aquisição do bem ou do serviço adquiridos no mês. Ademais, com o suposto intuito de incentivar a indústria nacional, a MP 135 estabelece que o creditamento da COFINS somente será legítimo em relação "aos bens e serviços adquiridos de pessoa jurídica domiciliada no País, aos custos e despesas incorridos, pagos ou creditados a pessoa jurídica domiciliada no País; e aos bens e serviços adquiridos e aos custos e despesas incorridos a partir de 1º.2.2004 (fato gerador).

 

O artigo 28 da MP 135 criou a figura da retenção na fonte da COFINS, da CSL e do PIS nas hipóteses de pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas em relação aos serviços de limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, transporte de valores e locação de mão-de-obra, serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração de serviços profissionais.

 

O valor da retenção na fonte será equivalente a 4,65% e fica configurado pela lei como antecipação do valor devido, nos termos em que estabelecido pelo artigo 34, cabendo ao contribuinte que teve o valor retido efetuar o recolhimento da diferença apurada.

 

III. - Compensação de tributos federais

 

Além da nova sistemática não-cumulativa introduzida para a cobrança da COFINS, a MP 135/03 trouxe ainda algumas modificações nas regras de compensação de tributos federais arrecadados pela SRF que foram introduzidas em 1996 com a edição da Lei 9.430/96 (artigo 74), com as alterações posteriores da Lei 10.637/2002 (artigo 49).

 

De acordo com o artigo 17 da MP, fica expressamente vedada a compensação de créditos de tributos e contribuições administrados pela SRF com:

 

(i) débitos que já tenham sido encaminhados à Procuradoria Geral da Fazenda Nacional ("PGFN") para inscrição em dívida ativa;

 

(ii) débito consolidado no âmbito do Refis ou parcelamento a ele alternativo;

 

(iii) débitos que já foram objeto de compensação anterior e não homologada pela SRF.

 

O mesmo artigo, observando as regras constantes do Código Tributário Nacional ("CTN") a respeito de lançamento, dispôs ainda que o prazo para homologação da compensação declarada pelo sujeito passivo será de 5 anos, contado da data do protocolo da declaração de compensação ("DECOMP").

 

Caso haja compensação indevida, a DECOMP constituirá confissão de dívida e instrumento hábil e suficiente para a exigência dos débitos indevidamente compensados pela SRF e PGFN.

 

Não hipótese da não homologação da compensação pela SRF, deverá o contribuinte ser cientificado para efetuar, no prazo de 30 dias, o pagamento dos débitos indevidamente compensados ou apresentar manifestação de inconformidade contra a não homologação da compensação.

 

Vale ressaltar que, em respeito ao artigo 151, III do CTN, a manifestação de inconformidade, com acerto, passa a ter expressamente reconhecido o seu efeito suspensivo. Esta medida assegurará ao contribuinte a obtenção de Certidão Positiva com efeito de Negativa enquanto perdurar a discussão na esfera administrativa.

 

Caso o contribuinte não tome nenhuma das medidas indicadas no item 18 acima, quais sejam, o pagamento do débito ou a discussão na esfera administrativa, dispõe a MP que os débitos serão encaminhados para inscrição de dívida ativa e cobrança por execução fiscal.

 

IV. - Conclusões

 

Há aspectos importantes que foram adotados, como por exemplo a confirmação da desoneração da COFINS em relação às receitas decorrentes de exportações de mercadorias e de serviços para pessoa física ou jurídica domiciliada no exterior (artigo 6o, incisos I e II).

 

A supressão da incidência da COFINS em cascata e, conseqüentemente, a possibilidade de o contribuinte apropriar créditos da exação representará avanço na legislação somente se houver redução ou, ao menos, manutenção da carga tributária dos contribuintes, o que temos séria e fundada dúvida, especialmente em relação ao setor de prestação de serviços, já que este segmento terá oportunidade mínima para a escrituração de créditos, especialmente considerando a vedação do crédito em relação à mão-de-obra paga no mercado nacional. Temos conhecimento de algumas emendas à MP que serão apreciadas pela Câmara dos Deputados sobre o assunto.

 

Vale ressaltar também que na nossa avaliação foram importantes os esclarecimentos feitos pela MP no sentido de deixar, de forma expressa no texto, as regras, prazos e recursos cabíveis contra decisões administrativas que não homologam a declaração de compensação. Não obstante, parece-nos, num exame preliminar, que o Poder Executivo limitou a utilização de créditos tributários, o que não parece estar em linha com a finalidade do instituto da compensação. Esperamos assim, que o Congresso Nacional faça as devidas modificações no sentido de preservar as garantias dos contribuintes.

 

Por fim, há que se atentar para o fato de que DECOMP passa a ser considerada, por norma legal, como confissão de dívida do contribuinte. Nesse sentido, deve-se redobrar o cuidado na sua apresentação, na medida em que eventual indeferimento acarretará na inscrição do débito em dívida ativa e conseqüente cobrança por executivo fiscal.

 

 

__________________

 

* Advogados do escritório Pinheiro Neto Advogados

 

*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

 

© 2003. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS.

 

 

 

 

 

 

 

 

____________________

Atualizado em: 24/11/2003 07:25

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Publicidade