terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Seguro garantia judicial - Uma alternativa a quem deve prestar garantia em juízo

Com as recentes inovações na legislação securitária , ganha força a modalidade do seguro-garantia, especialmente para garantir obrigações de pessoas jurídicas discutidas em Juízo, a um custo mais reduzido e por período mais longo.

quinta-feira, 27 de novembro de 2003

 

Seguro garantia judicial, uma alternativa a quem deve prestar garantia em juízo

 

Diógenes M. Gonçalves Neto*

 

Com as recentes inovações na legislação securitária1 , ganha força a modalidade do seguro-garantia, especialmente para garantir obrigações de pessoas jurídicas discutidas em Juízo, a um custo mais reduzido e por período mais longo.

 

O seguro-garantia é forma de garantia similar à fiança, (i) prestada pela Seguradora, (ii) em nome do obrigado a prestar uma garantia em Juízo ("Tomador"), e (iii) no benefício de quem se diz credor em Juízo ("Segurado").

 

Para garantir a regularidade e solvabilidade da atividade securitária no Brasil, a Superintendência de Seguros Privados ("SUSEP") supervisiona as atividades das seguradoras e edita normas tanto para a constituição, autorização de funcionamento e limites operacionais, como para a fixação das modalidades e termos dos seguros.

 

A fim de pulverizar riscos, para a emissão de seguro-garantia, a lei determina às seguradoras a contratação de resseguro. O resseguro é o 'seguro da seguradora'. Atualmente, o IRB-Brasil RE (antigo Instituto de Resseguros do Brasil) detém o monopólio do resseguro, no País, podendo repassar os riscos a resseguradores internacionais.

 

Antes de emitir a apólice, a Seguradora avalia a solvabilidade do Tomador, cadastra-o em seus registros e perante o IRB-Brasil RE, e requer-lhe contragarantia.

 

Para a emissão da apólice, a Seguradora cobra um prêmio anual. O custo do prêmio de seguro-garantia judicial costuma ser inferior ao de fianças bancárias. Pelas normas atuais, caso não se pague o prêmio, a cobertura securitária não é cancelada e a Seguradora tem de realizar o valor do prêmio excutindo a contragarantia.

 

Emitida a apólice, o Tomador deve prestar informações periódicas acerca de sua situação econômico-financeira e dos litígios cobertos pela apólice.

 

O valor garantido com a apólice evolui tal qual o valor da obrigação discutida em Juízo, computando-se juros, correção monetária, custas, honorários, etc.

 

De acordo com as normas atuais, a apólice vige até o término da ação judicial. Confirmada a obrigação do Tomador, e não tendo ele pago, a Seguradora é intimada a pagar, podendo voltar-se contra o Tomador para se indenizar.

 

A Lei Processual Civil não prevê específica e expressamente o uso do seguro-garantia judicial. Apesar disso, deve-se considerar esse tipo de garantia admissível, em vista (i) da autorização legal de se dar em garantia direitos de crédito, tal como seria uma fiança2 , (ii) do princípio da menor onerosidade ao devedor em um processo judicial, por conta do baixo custo e de não se tornar indisponível o patrimônio do Tomador3 , (iii) do princípio da analogia, considerando-se a similitude desse tipo de garantia com outras expressamente autorizadas em lei4 , (iv) da liqüidez da garantia, pagando-se em dinheiro o credor5 , etc6.

 

Em vista de todos esses elementos, o seguro-garantia judicial representa relevante evolução nas opções de garantias judiciais, sendo uma alternativa nova e viável às pessoas jurídicas obrigadas a prestar garantias em Juízo, evitando-se indisponibilidade patrimonial durante todos os anos de disputa judicial.

 

_________________

 

1Circular da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP nº 232/03

2Art. 655, inciso X e § 1º, inciso IV, art. 827, art. 1190 art. 1209 do Código de Processo Civil.

3Art. 805, do Código de Processo Civil.

4art. 4º da Lei de Introdução ao Código Civil; art. 672, do Código de Processo Civil.

5art. 708, e art. 655, § 1º, inciso V, do Código de Processo Civil.

6Há, inclusive, o Projeto de Lei nº 1.182, de 2001, em trâmite, para incluir expressa previsão do seguro-garantia judicial em diversas leis (e.g. Código de Processo Civil, Lei Federal nº 5869/73 e Lei Federal nº 6830/80).

 

__________________

 

* Advogado do escritório Pinheiro Neto Advogados

 

*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

 

© 2003. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS.

 

 

 

 

 

 

 

 

_________________

Atualizado em: 27/11/2003 07:43

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Publicidade