sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Congresso Nacional precisa definir conceito de devedor contumaz para fins tributários urgente

Qual é o conceito de devedor contumaz? Ninguém sabe. E isso é muito perigoso e o Congresso Nacional precisa urgentemente suprir essa insegurança jurídica.

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

tO plenário do Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos, surpreendeu a comunidade jurídica ao criminalizar a conduta do contribuinte que declara o ICMS devido e deixa de recolhê-lo ao erário, no prazo legal.

Ao final, concluiu o Supremo por  capitular essa conduta no inciso II, do art. 2º da lei 8.137/90, conhecido como crime de apropriação indébita do tributo, que assim prescreve:

II - deixar de recolher, no prazo legal, o valor de tributo ou de contribuição social, descontado ou cobrado, na qualidade de sujeito passivo de obrigação e que deveria recolher aos cofres públicos.

Ressalvou a Corte Suprema: para criminalizar tem que ser devedor contumaz. E aqui está o problema.

Afinal: qual é o conceito de devedor contumaz? Ninguém sabe. E isso é muito perigoso e o Congresso Nacional precisa urgentemente suprir essa insegurança jurídica.

Ao menos 11 Estados têm definidos em lei os critérios para caracterizar o devedor contumaz de tributos - que de maneira reiterada deixa de pagar o ICMS.

São Paulo, que editou lei em abril de 2018 - quatro meses antes do julgamento pelo STJ - considera devedor contumaz o contribuinte que declara e não paga o imposto por seis meses, consecutivos ou não, em um período de 12 meses.

E qual será o conceito estabelecido pelos demais Estados da federação?

Essa insegurança jurídica precisa urgentemente ser sanada sob pena de inúmeras interpretações de "tipos penais" a serem produzidas pelo Ministério Público em todo país.

Era tudo que o setor produtivo e a classe empresarial do país não precisavam.

Vale realçar que a competência para legislar sobre direito penal é da União Federal.

Com efeito. Consoante ensinamento do professor Luiz Flávio Gomes, somente o Estado está autorizado a legislar sobre Direito Penal. Ele é o único titular do "ius puniendi", logo, cabe a ele a produção material do Direito Penal Objetivo (ou seja, cabe ao Estado a criação das normas que compõem o ordenamento jurídico-penal).

Ressalte-se que a distribuição da competência legislativa vem descrita na Constituição Federal, que, em seu art. 22 ,I , determina competir, privativamente à União legislar sobre Direito Penal.

Não temos dúvida dá mais alta e absoluta boa fé e verdadeira motivação da inovadora decisão da Corte Suprema: traçar uma nova política criminal tributária para resolver questão do estoque da dívida ativa que é elevadíssimo.

Mas o sistema jurídico não pode contrariar o sistema jurídico. Tem que fechar.

_____________

*Breno de Paula é advogado Tributarista, sócio do Arquilau de Paula Advogados Associados, Mestre em Direito e Professor de Direito Tributário da Universidade Federal de Rondônia.

t

Atualizado em: 16/1/2020 14:42

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Publicidade